Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Mar de Papoilas

Mar de Papoilas

Categoria: Literatura
Comentários: 2
Mar de Papoilas

Índia, século xix. Íbis, um navio de escravos que recruta indianos para as plantações de cana-de-açúcar, mas que transporta sobretudo ópio para os consumidores chineses, navega pelas águas do oceano Índico com uma população bastante variada a bordo composta por marinheiros de diversas proveniências, passageiros clandestinos, prisioneiros condenados e operários asiáticos, numa viagem que virá a revelar-se longa e tumultuosa.

«Mar de Papoilas» é um romance histórico de Amitav Ghosh, reimpresso em 2009 pela Editorial Presença, que descreve de forma soberba comidas, paisagens e as linguagens, o que dá um toque de profundo realismo à narrativa, proporcionando uma maior aproximação à cultura indiana. Em acréscimo, esta obra é copiosa em informação histórica, o que elabora um retrato da época e propicia um entrosamento na cultura e nos costumes do país.

Num ambiente de violência motivado pelas diferenças étnicas e culturais e por aquilo que já se adivinhava ser a Guerra do Ópio, os passageiros aniquilarão as barreiras que os separam para se passarem a considerar como jaházbahai, isto é, irmãos de navio. Este e outros termos em línguas nativas (mormente o bhojpuri), embora exijam, em muitos casos, a consulta do glossário, acabam por transportar o leitor para o interior da trama. Marta Mendonça prima pela tradução que executou, a qual é rica em notas de extrema relevância para a leitura.

«Mar de Papoilas» traduz os tempos difíceis em que os agricultores se viram na iminência de abdicar dos plantios tradicionais para se dedicarem à monocultura do ópio. Estamos numa época em que o Governo chinês proibiu a importação de ópio (extraído das papoilas e originador de excepcional dependência) por parte da Grã-Bretanha. Sendo este negócio o fulcro do lucro das exportações da Grã-Bretanha para China, o conflito estava latente.

As célebres Guerras do Ópio conduzem-nos a meados do século xix e a uma Índia de extremos, ainda sob o domínio da Grã-Bretanha, pronta para também entrar nestas contendas. O ópio constitui, de algum modo, o sustentáculo principal do livro, uma vez que exerce influência sobre uma fatia considerável das personagens. Fora destas, constata-se o aparecimento de outras, seguramente designadas a influir reciprocamente na vida umas das outras.

Quer se goste mais ou menos de narrações épicas e coloridas, uma coisa é irrefutável nesta produção literária: a magnitude da investigação desenvolvida por Amitav Ghosh Amitav Ghosh, que é notória ao longo das 460 páginas de «Mar de Papoilas». Não será por acaso que esta obra foi bastante bem considerada por publicações de renome internacional (que não lhe pouparam atributos como «avassalador») e, inclusive, o trabalho mais bem conseguido de Ghosh. Efectivamente, trata-se de um romance notável, onde coabitam aventura, profundidade e sentimento.


Maria Bijóias

Título: Mar de Papoilas

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

643 

Imagem por: david.nikonvscanon

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • jacyrajacyra

    21-05-2012 às 20:59:46

    Este texto, dexou-me com água na boca! Quero ler este livro!

    ¬ Responder
  • Marta MendonçaMarta Mendonça

    23-11-2010 às 21:40:35

    Obrigada pelas suas palavras.
    Foi um prazer enorme traduzir este livro. Espero, ansiosa, pelo resto da trilogia. :-)

    ¬ Responder

Comentários - Mar de Papoilas

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Imagem por: david.nikonvscanon

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios