Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Eventos > Como Dividir as Despesas do casamento

Como Dividir as Despesas do casamento

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Eventos
Visitas: 2
Como Dividir as Despesas do casamento

O dia do casamento é para se ser feliz. É um dia para recordar e para reviver se esse for o seu desejo.

Se o dia do casamento é repleto de coisas boas e memoráveis, prepará-lo pode não ser assim tão fácil. Escolher entre uma cerimónia civil ou religiosa, escolher o local, as ementas, as lembrancinhas, o ramo, o vestido, o fotografo, enfim, um nunca mais acabar de coisas para escolher, estudar e no final de contas pagar para gozar.

Ao falar-se em pagar, existem algumas coisas a ter em conta. Quem paga o quê?
Se existem protocolos para uma imensidão de coisas, no que diz respeito á hora de pagar coisas dos casamentos, também existe.

Longe vão os tempos em que era o pai da noiva quem pagava todo o pagamento, como se de um dote se tratasse. No entanto, mudaram-se os tempos e as vontades. Vamos então aos protocolos.

Se os noivos são solteiros e ainda vivem na casa dos pais, terão de ser os mais velhos a pagar o casamento. Cabe a cada uma das partes pagar os seus convidados (no que diz respeito ao copo de água), ou seja, os convidados da família da noiva, serão os pais desta a pagar e vice-versa. O DJ ou a banda para a festa também estará a cargo dos pais dos noivos.

Quanto ao fotografo, cada convidado paga as suas, mas as qua ficam para os noivos, terão de ser estes a pagar. Peça um preço especial ao fotografo.

Fatos e vestidos, cabem aos padrinhos. A madrinha da noiva terá de comprar também a lingerie e o ramo.

Lembracinhas estarão a cargo dos noivos, tal como os convites.

Na eventualidade dos noivos serem divorciados ou já viverem em casas independentes das dos progenitores, então terão de ser estes a pagar toda a despesa, exceto todas aquelas que digam respeito aos padrinhos, que neste caso se mantém.

Em todo o caso e independentemente do orçamento que tem para gastar, uma coisa a ter em conta é a qualidade. Isto será sempre indispensável, mesmo que tenha de abdicar de pequenas coisas de um lado para poder gastar um pouco mais de outro.

Claro que tudo isto se trata de um protocolo, pois na prática o que conta mesmo é viver um dia em grande, mesmo para quem tem de pagar a maior fatia.


Carla Horta

Título: Como Dividir as Despesas do casamento

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 2

637 

Comentários - Como Dividir as Despesas do casamento

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios