Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > Arte Islâmica

Arte Islâmica

Categoria: Arte
Visitas: 4
Comentários: 1
Arte Islâmica

O Profeta Maomé fundou o Islamismo por volta do século VII d.C., e quando morreu, seguiu-se-lhe os califas. O Islamismo é uma religião monoteísta que tem ligações com a religião hindu, cristã e judaica, partilhando um conjunto de figuras e ensinamentos. O mundo islâmico não possui unidade política, mas inúmeros reinos.

A formação da arte islâmica teve duas fases: a 1ª fase ocorreu entre 622/700 d.C., muito dependente dos modelos bizantinos e persas. A Cúpula do Rochedo foi construída em Jerusalém. É o mais antigo dos grandes edifícios islâmicos que chegaram até hoje. Foi mandado construir pelos Omíadas, a 1ª dinastia muçulmana. Tem planta octogonal, dois deambulatórios em redor da rocha central, cúpula de madeira e exteriormente dourado. No interior, mosaicos luxuosos, pintura mural e placas rectangulares de mármore. A decoração englobava a escrita árabe, motivos geométricos e elementos vegetais e florais. A 2ª fase teve lugar no século VIII, definida pelos modelos próprios. O Cabba é um exemplo de edifício desta fase. É um cubo vazio no interior, com um só compartimento. As paredes são revestidas com granito da região e a porta é de ouro maciça.

Nas cidades principais, como Damasco, os califas Omíadas , do Islão inicial, construíram as primeiras grandes estruturas dedicadas ao culto muçulmano público. As primeiras mesquitas lembram a casa do Profeta Maomé, com um pátio rectangular, normalmente rodeado por arcadas cobertas e uma grande hipostila. Visto que a oração é um momento de comunicação directa entre o oriente e o deus, as primeiras mesquitas eram de natureza prática. Existiam várias entradas e saídas para as idas e vindas constantes á mesquita. Um simples minbar (púlpito) servia para a transmissão dos sermões após oração do meio -dia da sexta-feira. E um mihrab (nicho) vazio era adicionado á parede qibla, para indicar a direcção de Meca. Tapetes cobriam o chão, fornecendo uma área limpa para os fiéis estarem de pé, ajoelharem-se, fazer vénias. Pequenos lagos ou fontes no pátio permitiam a lavagem cerimonial das mãos e dos pés exigida antes da oração. Mais tarde surge o minarete , uma torre, que chamava os fiéis para a oração que se realizava cinco vezes ao dia por um muezzin, um homem com uma bela voz.

Daniela Vicente

Título: Arte Islâmica

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 4

761 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Eliezer

    06-03-2014 às 10:06:33

    Recomendo um ótimo site sobre arte islâmica, de arquitetura até pintura, muito bom.

    http://fotografia.islamoriente.com/pt-br

    ¬ Responder

Comentários - Arte Islâmica

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios