Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Utilidades Domésticas > Como lavar manchas das paredes

Como lavar manchas das paredes

Visitas: 66
Comentários: 2
Como lavar manchas das paredes

Ter uma casa bonita e com as paredes pintadas de branco ou às cores é algo que contribui para o bem-estar pessoal e da saúde dos seus moradores. Contudo, às vezes, as paredes são manchadas com gordura, café,humidade ou com riscos dos ténis das crianças ou jovens, que gostam de esticar as pernas no sofá ou na cama do quarto.

Estes e outros episódios podem dar involuntáriamente origem a manchas se não forem logo removidas.

As festas de aniversário, de Natal ou outras também são susceptíveis de causar alguns pequenos acidentes domésticos ou salpicar as paredes próximas da mesa, com champagne, vinho ou massa de bolos.

Em suma, o entusiasmo e as brincadeiras podem levar a estes episódios de sujar carpetes ou paredes.

Relativamente à limpeza e remoção das manchas, o ideal é atuar desde logo, a fim de as remover.

O processo de limpeza depende do tipo de parede que seja atingida, pois pode ser de azulejo, tinta acrílica ou cal.

O mais usual, quando uma parede está manchada é tentar limpar a mesma com uma esponja macia, do tipo da verde e amarela ou um pano macio, que se envolve com água tépida e um detergente à base de amoníaco. Pode usar-se também uma mistura de água com dez por cento de amoníaco, esfregando suavemente a mancha com um pano.
Não se devem lavar as paredes, habitualmente com detergentes alcalinos, porque podem cntribuír para as manchas. Os melhores são os neutros, sem substâncias intoxicantes e abrasivos.

Eventualmente pode usar-se o detergente Sonasol ou o Cif, com um pano ou esponja sem pêlos, limpando de leve.

A esponja tem uma parte verde que às vezes remove a sugidade mais entranhada nas paredes de azulejo ou outra. Mas o melhor é experimentar primeiro num bocadinho, e ver o efeito.

Há limpadores multuiusos que retiram qualquer mancha das paredes, sendo mais indicados para as paredes laváveis.

Estes servem muito bem para manchas de gordura ou café ou ainda humidade das paredes. Se estas estiverem muito expostas ao sol, ficam também manchads, devendo ser passadas com um pano e detergente.

Há quem goste de lavar as paredes com álcool e acetona, por estes removerem bem as manchas.

A maior parte das manchas das paredes são fáceis de remover e limpar, bastando apenas, o pano húmido, detergente neutro ou á base de amoníaco ou limão e água tépida.

No caso das paredes das cozinhas, aplica-se muito o limão e o vinagre, revelando-se este excelente para as gorduras das paredes e fogão.

Os detergentes tira gorduras podem também envolver-se num pano molhado, fazendo um efeito eficaz nas manchas mais gordurosas.

Quando as manchas são causadas por tintas, lápis, canetas ou ténis, melhor é pintar as paredes de novo, pois quase sempre deixam uns resíduos.


Teresa Maria Batista Gil

Título: Como lavar manchas das paredes

Autor: Teresa Maria Gil (todos os textos)

Visitas: 66

773 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • SophiaSophia

    05-06-2014 às 17:29:39

    Muito bom! O vinagre e também o bicarbonato de sódio são excelentes para retirarem essas manchas das paredes.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoTeresa Maria Batista Gil

    30-07-2012 às 17:04:55

    Habitualmente lavo as paredes da cozinha com uma esponja amarela e verde e um detergente de limão. Depois basta passar um pano macio e seco para ficarem a brilhar. Para as gorduras mais difíceis uso um detergente tira-gorduras normal ou passo um pano embebido em vinagre. Este é muito bom para absorver as gorduras das paredes perto do fogão e do lava-loiça.Se eventualmente as paredes ficarem manchadas devido a humidade ou nódoas ou salpico de comidas, o melhor é fazer uma mistura de bicabornato e água e passá-las com o pano húmido embebido dessa mistura.As nódoas são fácilmente removidas desde que não estejam muito entranhadas nas paredes. Por isso devem ser limpas com frequência com um pano macio, e uma mistura de água com detergente sonasol ou de limão.A maior parte das paredes podem ser lavadas fácilmente, com água morna e detergente normal. Para as zonas mais difíceis basta esfregar com a esponja verde e depois com outra ,macia ou com um pano sem pêlos.O uso de álcool para remover nódoas sempre foi utilizado pelas donas de casa. Contudo pode também usar-se sumo de limão, vinagre e detergente da loiça ou um tira nódoas.Atualmente os detergentes são bastante eficazes na remoção das manchas e gorduras das paredes, sejam de azulejo ou tinta plástica. Para uma maior eficácia devem ser misturados em água morna.A água tépida ajuda muito a remover as manchas das paredes, assim como uma esponja especial. Com efeito há esponjas e panos apropriados para a remoçao das gorduras, em tintas, azulejo ou cal.Se as manchas forem mais difíceis de remover ou em grande quantidade o melhor é pintar a parede de novo para não ficar manchada e estragar o ambiente. Os riscos de caneta são ás vezes difíceis de remover.Apesar de água quente, limão e sabão lavarem quase tudo, inclusive as paredes manchadas e gordurosas há quem prefira lavar com outros químicos, que ás vezes são tóxicos e desacoselháveis em casa.Há quem use acetona para tirar riscos de tinta, ou misture lexívia a detergente. contudo não dse deve abusar da lexívia, apenas algumas gotas.

    ¬ Responder

Comentários - Como lavar manchas das paredes

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Cuidado com as curvas

Ler próximo texto...

Tema: Motas
Cuidado com as curvas\"Rua
Quando se fala em motas, delineia-se na nossa mente a figura de um indivíduo, “maluquinho” por estes veículos de duas rodas, vestido com colete preto de couro e envergando umas possantes botas da mesma cor, e, quiçá, umas caveiras ou outros distintivos aqui ou ali, nele ou na moto. Normalmente, os motociclistas, motoqueiros ou motards, como são conhecidos, regem-se por um espírito muito próprio, que ninguém sabe definir muito bem, mas que, sem dúvida, engloba a sensação de liberdade e, por vezes, umas bebedeiras a valer numa qualquer concentração de motas. A parte boa é que, não acontecendo nada de pernicioso à mota e ao seu condutor quando se desafia a sorte desta maneira, uma vez despojado das roupas e acessórios motards, colocando o fato e a gravata, este volta a ser uma pessoa “normal”, imbuído de sentido de responsabilidade e bom senso. Estas características, tão úteis no trabalho e em sociedade, são, amiúde, esquecidas quando se está ao “volante” de uma moto. Cede-se, frequentemente, à tentação de andar muito depressa, de ultrapassar em terceira fila, de passar à frente nas portagens, de desrespeitar o próximo perpetrando atrocidades inacreditáveis e fazendo tudo o que dá na veneta, com a segurança de se estar protegido pelo anonimato do capacete e da pouca ou nenhuma visibilidade da matrícula.

Por outro lado, também existe aquilo a que se chama de solidariedade motard, que apela aos mais puros sentimentos de entreajuda em caso de queda ou outra situação de aflição. Claro que, em determinadas circunstâncias, mais valia que estivessem quietos, em vez de retirar apressadamente o capacete a um colega estendido no chão (é a última coisa a fazer), e noutras ainda bem que se tem assistência em viagem, porque, dada a falta de visão periférica dos companheiros de estrada, bem se podia”esticar o pernil” que não apareceria vivalma para dar uma ajuda.

Definições e conceitos à parte, o motociclismo constitui uma paixão fervorosa de um grande números de indivíduos, com um incremento significativo do género feminino. Faz-se uso da mota por razões não profissionais, por diversão, por se ser praticante desta modalidade, para locomoção, ou, simplesmente, porque se gosta de motos. Seja qual for a razão, os agradecimentos têm de ser dados a Gottlieb Daimler (1834-1890), que inventou o primeiro protótipo. E, já agora, não custa render gratidão também a John Boyd Dunlop, veterinário escocês, que concebeu uma espécie de roda, que corresponde ao nascimento do pneu. Pode, portanto, afirmar-se com toda a legitimidade que um veterinário deu à luz um pneu…!

Pesquisar mais textos:

Maria Bijóias

Título:Cuidado com as curvas

Autor:Maria Bijóias(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • letícia Cristina Calixto de Souza 20-06-2013 às 17:19:32

    eu achei muito interessante esse texto por que ele me ajudou a fazer um trabalho escolar mas eu quero falar para a autora desse texto que ela está de parabéns e que esse texto possa incentivar cada pessoa que ler ele então meus parabéns

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios