Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Consulta de risco familiar de cancro

Consulta de risco familiar de cancro

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Saúde
Visitas: 6
Comentários: 3
Consulta de risco familiar de cancro

A consulta de risco familiar existe porque há famílias com agregação de cancros, passíveis de representar doenças hereditárias. Apesar de estas situações não serem muito frequentes, elas devem ser identificadas, porque é possível que se possam instaurar abordagens preventivas nos indivíduos ainda não afetados pelas neoplasias.

No caso dos carcinomas colo-retais e da mama, responsáveis por um número mensurável de mortes anualmente, foi reconhecido, nas últimas décadas, que algumas famílias apresentam um risco aumentado de desenvolvimento destes tumores. A sua identificação permite instituir medidas de prevenção relativamente ao progresso da doença em parentes próximos que se encontrem em risco, assim como ampliar a probabilidade de cura de modo significativo, uma vez que a enfermidade poderá ser detetada em fase pré-sintomática.

Nas últimas décadas, o Cancro do Cólon e Reto (CCR) tem vindo a tornar-se cada vez mais frequente nos países desenvolvidos, em boa parte devido à alimentação errada que aí se verifica. Quando é descoberto num estádio em que o doente patenteia queixas (alteração do funcionamento do intestino, dores abdominais ou perda de sangue nas fezes), a possibilidade de cura com os tratamentos disponíveis acontece apenas em metade dos casos.

O risco de desenvolver a patologia situa-se nos seis por cento para as pessoas que não tenham familiares diretos com CCR (pais, irmãos ou filhos). Estes casos correspondem a cerca de 75 por cento do total e são denominados esporádicos, surgindo sobretudo entre os 70 e os 80 anos de vida. Em aproximadamente 20 por cento dos casos, o cancro é familiar, ou seja, existem parentes próximos que desenvolveram CCR. Os restantes cinco por cento correspondem a formas hereditárias de cancro, nas quais há uma alteração genética responsável pelo CCR, que é transmitida de pais para filhos.

O CCR, ao contrário de outros tumores, exibe uma lesão percursora, o adenoma, que é um pólipo que evolui ao longo do tempo até à malignidade. A sua deteção e respetiva remoção, por colonoscopia, vão evitar o desenvolvimento de CCR. Nas situações em que se identifique já um cancro, este encontra-se, geralmente, numa fase precoce e, portanto, com elevado poder de cura. Assim sendo, a instituição do rastreio de CCR parece ser consensual. É importante esclarecer que o rastreio se aplica apenas na ausência de sintomas. Perante a existência destes, é necessária uma investigação médica, a ser levada a cabo pelo médico de família ou um especialista.

O rastreio pode ser efetuado com pesquisa de sangue oculto nas fezes (PSOF) ou por técnicas endoscópicas (colonoscopia total, colonoscopia esquerda ou sigmoidoscopia flexível). Há estudos a comprovar a eficácia de qualquer um destes métodos, estando as recomendações dependentes do risco avaliado para cada indivíduo.

Especialmente nos casos com risco aumentado (todos os que têm familiares de primeiro grau com CCR), é sempre aconselhada a aplicação de programas baseados na realização de técnicas endoscópicas. A idade de início e a periodicidade de execução destas é decidida após avaliação cuidadosa do risco de desenvolvimento de CCR.

A suspeita ou diagnóstico em famílias com risco elevado (por exemplo, três irmãos com CCR, ou CCR em idade muito jovem) ou síndromes hereditários, implicam uma abordagem muito específica, no que concerne a vigilância intensiva e eventuais estudos genéticos, o que dependerá da avaliação em consulta de risco familiar de CCR.

No que se refere ao cancro da mama, os factores de risco estabelecidos prendem-se com o sexo feminino, a idade, o facto de ter tido previamente cancro da mama, circunstâncias hormonais (idade da primeira menstruação precoce e da menopausa tardia, terapêutica hormonal de substituição), gravidez tardia, obesidade na menopausa, actividade física reduzida e exposição a radiações ionizantes.

Constata-se agregação familiar de dois ou três casos de cancro mama em 30 por cento dos pacientes, mas não há certeza das causas envolvidas. Nas famílias de maior risco podem considerados estudos genéticos que facultem a identificação de alterações. Na verdade, estas são bem capazes de constituir a origem principal dos casos de cancro da mama numa família de alto risco e de outros associados (cancro do ovário e cancro da próstata e da mama no homem, por exemplo).

O diagnóstico de uma alteração genética numa família faculta, posteriormente, identificar quem herdou e quem não herdou o alto risco de cancro e, nos que herdaram (os que deram positivo) tentar diminuir o risco, quer pela detecção precoce (através da mamografia ou da ressonância magnética), quer com cirurgia preventiva, quer ainda pela inclusão em estudos de vigilância ou quimioprevenção. A cirurgia é proposta quando o risco é de 60 a 80 por cento. As mulheres têm comummente entre 36 e 40 anos. A alternativa é fazer vigilância com exames regulares. Remover os ovários reduz em 97 por cento o risco de cancro do ovário e 50 por cento o de cancro da mama. Desfazer-se das mamas representa uma diminuição do risco de 95 a 98 por cento, sendo que consubstancia uma opção radical.

De salientar que uma família identificada como de alto risco, que deve fruir de um seguimento contínuo, tem todas as vantagens em informar acerca de qualquer novidade ocorrida no seu seio, dado que a história familiar é um processo dinâmico susceptível de mudar muito de figura ante certos dados (uma classificação de risco moderado pode transformar-se numa de alto risco). Esta actualização é passível de conduzir a actuações diferentes.

As consultas de risco genético ou familiar devem ter um enfoque multidisciplinar, pois abarcam aspectos médicos, técnicos, psicológicos e ético-legais. Deste modo, o ideal seria que vários profissionais estivessem presentes: oncologista, geneticista, psicólogo e enfermeiro. É fundamental que todos os médicos (mormente os de família, que têm grande afluxo de doentes) conheçam a metodologia destas consultas e saibam que géneros de pacientes devem orientar para elas. Devem ser encaminhados para esta consulta doentes diagnosticados de cancro em idade jovem, pessoas com carcinomas pouco frequentes, enfermos de várias neoplasias diferentes, cancros associados a defeitos congénitos e casos em que existem diversos membros da mesma família com neoplasia idêntica ou associada a uma síndrome conhecida, como a da mama e do ovário.


Maria Bijóias

Título: Consulta de risco familiar de cancro

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 6

653 

Imagem por: Lisa Brewster

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 3 )    recentes

  • Vicente SilvaVicente

    25-07-2014 às 02:24:19

    É muito importante fazer essa consulta de risco familiar de cancro como preservação da própria pessoa e sua saúde.

    ¬ Responder
  • fatima maria paixao correiafatima maria paixao correia

    04-11-2009 às 21:16:34

    gostaria de saber onde posso fazer o teste genético ou uma consulta de risco familiar. vivo na póvoa de varzim distrito do porto. meu pai faleceu com canco de estomago, mãe com cancro de utero, uma avó paterna no esofago. eu tenho problemas com estomago(refluxo e e a bactera hp)obrigada. aguardo noticias

    ¬ Responder
  • VANESSA VIEIRAVANESSA VIEIRA

    25-10-2009 às 11:44:24

    Tenho 32 e sofre de artrite reumatoide desde os 15 anos ja tenho 5 proteses. O problema é que os meus avó paternos morreram com cancro de estomago o meu avõ e a minha avó de intestino.Também ja da mesma familia morreram 3 tias de cancro de mama,outra de estomago e intestino,mas nunca nos disseram se era hereditario.Gostaria de saber mais informaçoes apesar de eu fazer varias vezes exames de rotina ,também tenho 2 nodulos na mama direita mas que não era para me preocupar.

    ¬ Responder

Comentários - Consulta de risco familiar de cancro

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Saiba como consertar seu fone de ouvido

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Electrodomésticos
Saiba como consertar seu fone de ouvido\"Rua
É quase certo que, se não forem todas as pessoas, boa parte delas já tiveram problemas com os fones de ouvido e trocaram-nos, pelo menos uma vez na vida. Há casos que são necessárias várias trocas. Por ser um dispositivo sensível e pequeno, um manuseio incorreto ou peças de má qualidade, interfere na vida útil dos fones de ouvido. Seja um chiado, mau contato no cabo ou um lado que parou de funcionar, quase sempre ocorre.
Isso acaba gerando um gasto, às vezes não planejado. O custo é bem pequeno, porém, se for somado todos os fones já adquiridos, pode ser um valor razoável. A manutenção não é tão cara, mas exige um pouco de dedicação. Se você já não aguenta mais comprar essas pequenas peças que estragam o tempo todo, aprenda como arrumar o seu e livre-se desse problema.

Materiais necessários
Esse artigo irá tratar de três tipos possíveis de manutenção: troca do pino, conserto de mau contato e o reparo dos cabos conectados aos fones. Segue a lista de equipamentos necessários:
- Alicate de bico ou corte com área específica para cortar;
- Estilete;
- Lixa;
- Ferro de solda;
- Estanho para solda;
- Conector P2 estéreo e Fita isolante.




Conector do fone de ouvido: Troca
1 - Com o alicate, corte o cabo onde está o conector;
Nessa etapa, não corte muito próximo ao conector porque o mau contato pode estar na parte flexível do cabo. Também não corte tão longe para não diminuir muito o tamanho.
2 - Com bastante cuidado, utilize o estilete para desencapar o cabo;
Se você aplicar muita força nesse passo, pode danificar os fios ou até se machucar.
3 - Dois fios, correspondente aos fones, estarão visíveis. Peque-os e, com cuidado, tire a capa deles com o estilete;
Existem alguns modelos de fones que não tem capa protetora, apresentando três ou quatro fios. Caso seja o seu caso, veja o passo a seguir.
4 - Utilize a lixa para remover a proteção dos cabos encapados;
5 - Ligue o ferro de solda à tomada;
6 - Passe os fios pela capa do novo conector;
7 - Caso seu fone possua dois fios-terra, torça os dois juntos;
8 - Com o estanho e o ferro de solda, grude os cabos no conector;
Antes de realizar esse paço, verifique a ordem correta dos conectores (fone direito e esquerdo). Se você não tiver certeza, veja no outro conector a ordem correta para soldar os fios.
9 - O fio-terra deve ser soldado no buraco central do conector;
10 - Coloque a capa do conector nele e teste seu fone!

Problema de mau contato: Conserto
Agora, você aprenderá a consertar um cabo com mau contato. É recomendado trocar o cabo todo, pois não se sabe onde exatamente está o mau contato e se é somente naquele ponto.
1 - Com o alicate, corte o cabo próximo ao fone;
2 - Com bastante cuidado, utilize o estilete para desencapar o cabo que resta no fone;
3 - Dois fios, correspondente aos fones, estarão visíveis. Peque-os e, com cuidado, tire a capa deles com o estilete;
4 - Utilize a lixa para remover a proteção dos cabos encapados;
5 - Ligue o ferro de solda à tomada;
6 - Utilizando o estanho, solde os fios do cabo novo no que está com o fone;
7 - Com a fita isolante, encape os remendos realizados;
8 - Utiliza a fita isolante para encapar a parte remendada e teste seu fone!

Defeitos nos contatos dos alto-falantes: Arrumando
Agora, você verá como é simples realizar a manutenção nos fones. Confira os passos a seguir.
1 - Ligue o ferro de solda à tomada;
2 - Abra o fone de ouvido;
Nesse item, verifique se o fone não possui parafusos para evitar danos a ele ao abri-lo. Lembre-se de como você abriu para poder fechar depois.
3 - Apenas com o ferro de solda, aqueça onde os cabos estão conectados para derreter a solda e retirar os fios;
4 - Corte a parte dos fios que estão com mau contato;
5 - Com o estanho e o ferro de solta, grude os fios do cabo nos fones;
6 - Monte o fone de volta e teste-o!

No corpo da matéria, há um vídeo feito pela equipe do Baixaki que pode auxiliar você. Gostou das dicas? Comente!

Pesquisar mais textos:

Lucas Souza

Título:Saiba como consertar seu fone de ouvido

Autor:Lucas Souza(todos os textos)

Imagem por: Lisa Brewster

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    16-04-2014 às 18:40:31

    Muito valiosa todas as dicas, gostei muito e detalhou muito bem. Obrigada! Parabéns pelo texto!

    A equipa da Rua Direita

    ¬ Responder
  • Vitoria Ribeiro 12-09-2013 às 08:40:23

    Esta com dificuldade em consertar seu fone de ouvido, mesmo com as explicações acima? Consertamos para você! Temos loja física no Centro do Rio de Janeiro, recebemos e enviamos para todo o BRASIL - - 21-25071518 Vitoria Ribeiro

    ¬ Responder
  • João 08-09-2013 às 02:07:31

    Tenho um Headfone Beats Solo HD vermelho e o arco quebrou bem no lado direito no suporte dobrável do fone, Alguem sabe aonde compro esse arco? Moro em Curitiba.

    ¬ Responder
  • mariel 27-01-2016 às 20:30:21

    Conseguiu, João? Estou com o mesmo problema.

    ¬ Responder
  • André 21-07-2013 às 20:00:44

    Comprei um daqueles fones com entrada para cartao de memoria. dos modelos que encaixam na orelha, porem um dos lados foi quebrado. saberiam irformar se existe peca de reposicao, preciso apenas do encaixe da orelha, paguei R$50,00 e vou perder todoo fone por uma unica peça quebrada. MRH-8806Q NIA

    ¬ Responder
  • joaoa 19-06-2013 às 13:31:56

    tenho um skullcandy navigator, e o lado esquerdo do arco quebrou , a 'caixa' esta solta, tem como consertar??

    ¬ Responder
  • sidney 02-04-2013 às 09:18:23

    Qual o endereço da loja? Tenho um fone Philips HLS 8800 e o cabo arrebento e quero consrtalo.

    ¬ Responder
  • Vc é Plagiador 18-02-2013 às 15:19:44

    Engraçado, tu pega a matéria do Baixaki e cola aqui no site.

    ¬ Responder
  • Daniel 27-02-2013 às 12:00:11

    Copiou na cara dura!

    ¬ Responder
  • Marcelo 26-01-2013 às 08:27:20

    VC ESTA COM DIFICULDADE EM CONSERTAR SEU FONE OUVIDO, MESMO COM AS EXPLICAÇÕES ACIMA? CONSERTAMOS PARA VC! TEMOS LOJA FÍSICA NO CENTRO DO RIO DE JANEIRO, RECEBEMOS E ENVIAMOS PARA TODO O BRASIL -2125071518 . BEATS BY, SONY, PHILLIPS, COBY ENTRE OUTROS

    ¬ Responder
  • Renildo 19-08-2014 às 20:58:42

    VOCE TEM COMO CONSERTAR UM ARCO DO BEATES ORIGINAL?..ELE QUEBROU BEM NO CENTRO..SE TEM COMO CONSERTAR, ME MANDE ENDEREÇO OU EMAIL PRA CONTATO...POR FAVOR..MORO EM BRASILIA..SE TIVER ASSISTENCIA TECNICA POR AQUI PRECISO TELEFONE OU ENDEREÇO..

    ¬ Responder
  • Amparo 07-09-2014 às 14:09:59

    Renildo, Vc conseguiu trocar o arco do beats? estou com o mesmo problema. Tb moro em BSB. Peço me orientar.
    Amparo

    ¬ Responder
  • Daiany Nascimento 17-09-2012 às 12:37:14

    Gostei do texto. Sou fã dos artigos publicados pelos autores do ruadireta.com devido à variedade de temas que posso encontrar, além de que a maioria deles são muito ricos em conteúdo, como este! Parabéns autor pela sua dedicação, saiba que as dicas que encontrei aqui poderão me ajudar muito, pois precisava mesmo saber como consertar meu Fone De Ouvido. Espero por novidades, pois sempre estou à procura de novos conhecimentos. Muito obrigada e Boa escrita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios