Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Bricolage Jardim > Cuidar das orquídeas Parte 2

Cuidar das orquídeas Parte 2

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Bricolage Jardim
Visitas: 4
Comentários: 1
Cuidar das orquídeas Parte 2

A maioria das orquídeas toleram a seca muito melhor do que podem tolerar o excesso de humidade. Nada mata uma orquídea mais rápido do que deixá-la num vaso alagado. Sem circulação de ar adequada, a planta vai sufocar e morrer.

Como regra geral, as orquídeas devem ser regadas uma vez por semana. O meio de cultura deve deixar-se secar entre as regas, pois o excesso de água não deve entrar em contato com as raízes ou com o meio de cultura. Depois de ser re-envasada, a maioria das orquídeas não vai retomar o crescimento ativo durante vários meses. Regue muito moderadamente durante este período de reajuste.

Os vasos especialmente concebidos para as orquídeas tornam mais fácil manter as plantas regadas corretamente.

A maioria das orquídeas tropicais preferem os níveis de humidade de 60 a 80 por cento. Com o nível de humidade do inverno, na maioria das casas paira perto de 30 por cento. Então, os cultivadores de orquídeas costumam usar um humidificador. Algumas espécies de orquídeas também beneficiam pelo facto de se adaptarem bem a qualquer condição de humidade.

As orquídeas devem ser fertilizadas para sustentar um crescimento saudável. Use um fertilizante líquido, e dilua-o mais do que faria para outras plantas. O fertilizante deve ser aplicado apenas quando as plantas estão em crescimento ativo. Isto significa que a maioria das orquídeas não deve ser fertilizada no meio do inverno, ou logo depois de terem sido re-envasadas. Muitos produtores usam um fertilizante 30-10-10, embora outros prefiram 10-10-10 ou 10-10-30. Nebulize as suas orquídeas com emulsão de peixe ou de extratos de algas pois isso irá fornecer-lhes micronutrientes.

As orquídeas são geralmente mais felizes num vaso relativamente pequeno. Os vasos de plástico são preferidos porque quando chega a hora de re-envasar, as raízes podem ser mais facilmente retiradas, ou os vasos podem simplesmente ser cortados.
Para garantir uma boa drenagem, pode preencher o fundo ou cerca de 5 cm de altura de casca de amendoim.
Suspenda a orquídea sobre o vaso e gradualmente encha o vaso com pedaços de casca de pinheiro ou qualquer outro meio de cultura que esteja a usar. A coroa da planta deve estar apenas um pouco abaixo do topo do vaso. Às vezes é útil usar um pedaço de arame para proteger a planta até que as suas raízes se fixem.

Algumas orquídeas devem ser re-envasadas a cada ano. Outroas podem ficar bem no mesmo vaso durante sete ou mais anos. As orquídeas ressentem-se se forem perturbadas.

A propagação de orquídeas a partir de sementes é bastante difícil. Ao contrário das sementes de outras plantas, as sementes de orquídea não contêm tecidos de armazenamento nutricional. Para crescer, a semente deve pousar onde irá encontrar um determinado tipo de fungos que podem penetrar o seu sistema radicular e converter nutrientes de uma forma utilizável. Para superar as dificuldades, uma cápsula de sementes de orquídeas normalmente desenvolve milhões de sementes microscópicas.

Para propagar as orquídeas a partir de sementes, deve trabalhar em condições estéreis. As sementes devem ser cultivadas numa substância gelatinosa que contenha nutrientes e hormonas de crescimento. A paciência deverá ser uma virtude sua. Leva meses para as primeiras folhas se desenvolverem, e, mesmo assim, eles só serão visíveis com uma lupa! As raízes aparecem até mais tarde. Vai demorar, no mínimo, três e, possivelmente, até oito anos antes de conseguir ver uma flor.

É muito mais fácil para propagar orquídeas por divisão. Mas lembre-se que a divisão de uma planta significa não ter flores pelo menos num ano. As pequenas divisões levam muitos anos a amadurecer.


Rua Direita

Título: Cuidar das orquídeas Parte 2

Autor: Rua Direita (todos os textos)

Visitas: 4

661 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Luene ZarcoLuene

    13-10-2014 às 13:45:47

    Gosto muito das orquídeas! Um dia, irei conseguir cuidar delas e tê-las no meu futuro jardim.

    ¬ Responder

Comentários - Cuidar das orquídeas Parte 2

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um caminho para curar o transtorno alimentar

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Saúde
Um caminho para curar o transtorno alimentar\"Rua
De acordo com um relatório divulgado em novembro de 2014 pelo Comitê Permanente sobre o Status da Mulher, entre 600 mil a um milhão de canadenses cumprem os critérios diagnósticos para um transtorno alimentar em um dado momento. Problemas de saúde mental com ramificações físicas graves, anorexia e bulimia são difíceis de tratar.

Os programas públicos de internação frequentemente não admitem pacientes até que estejam em condição de risco de vida, e muitos respondem mal à abordagem em grupo. As clínicas privadas costumam ter listas de espera épicas e custos altos: um quarto custa de US$ 305 a US$ 360 por dia.


Corinne lutou juntamente com seus pais contra a bulimia e anorexia por mais de cinco anos. Duffy e Terry, pais de Corinne, encontraram uma clínica na Virgínia. Hoje, aos 24 anos, ela é saudável e está cursando mestrado em Colorado. Ela e seus pais acreditam que a abordagem holística, o foco individualizado e a estrutura imersiva de seu tratamento foram fundamentais para sua recuperação.

Eles sabem que tinham acesso a recursos exclusivos. "Tivemos sorte", diz Duffy. "Podíamos pagar por tudo." Mas muitos não podem.
A luta desta família levou-os a refletir sobre o problema nos Estados Unidos. Em 2013, eles fundaram a Water Stone Clinic, um centro privado de transtornos alimentares em Toronto. Eles fazem yoga, terapia de arte e participam na preparação de refeições, construindo habilidades na vida real com uma equipe de apoio empática. Os programas funcionam nos dias da semana das 8h às 14h, e até agora, não tem lista de espera. Porém essa abordagem é onerosa: aproximadamente US$ 650 por dia.

A família criou a Fundação Water Stone - uma instituição de caridade que fornece ajuda a pacientes que não podem pagar o tratamento. Os candidatos são avaliados por dois comitês que tomam uma decisão baseada na necessidade clínica e financeira. David Choo Chong foi o primeiro a se beneficiar da fundação. Ele havia tentado muitos programas, mas nenhum foi bem sucedido. A fundação pagou metade do tratamento. Dois anos depois, Choo Chong, feliz e estável diz "Water Stone me ajudou a encontrar quem eu sou".

Pesquisar mais textos:

Roberta Darc

Título:Um caminho para curar o transtorno alimentar

Autor:Roberta Darc(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios