Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Bricolage Jardim > Jardim Aromático

Jardim Aromático

Categoria: Bricolage Jardim
Visitas: 20
Comentários: 2
Jardim Aromático

As ervas aromáticas, bem como as especiarias, enriquecem os pratos, aromatizando e dando vigor a marinadas e a molhos, por exemplo. Frescas ou secas, existem em grande variedade. Das mais conhecidas podemos destacar o alecrim, a salsa, os coentros, o tomilho, a salva, o cravinho e os orégãos. Mas quem não domina o seu uso, deverá aventurar-se com cautela, experimentando aos poucos e sempre em pequenas quantidades, evitando surpresas desagradáveis.

Para além do mundo gastronómico, também há um grande leque de plantas que são largamente conhecidas devido às suas características medicinais, sendo muito utilizadas em infusões, como a erva-cidreira, a lúcia-lima e a erva-de-são-roberto, por exemplo.

O ideal, para quem tem um jardim ou quintal em casa, será investir na plantação de algumas espécies de ervas aromáticas. Desta forma, terá sempre à mão um “raminho de cheiros” pronto a empregar nas suas iguarias.

Deve ser um local com bastante sol e preferencialmente resguardado do vento. Não é necessário muito espaço, apenas uma pequena parcela do espaço total.

Para os mais metódicos, aconselha-se um jardim geométrico, ou seja, um em que as sementes são plantadas de forma a originar um quadrado, rectângulo, círculo, etc. Desta forma, consegue-se, em certa medida, compensar o desalinho próprio do crescimento destas plantas.

Para os que preferem um jardim mais campestre e natural, as sementes podem ser deixadas na terra de uma forma menos rigorosa. Em ambos os casos, há que contar sempre com o espaço que cada planta vai atingir numa fase adulta, mantendo sempre alguma distância entre cada semente.

Tomada a decisão, há que escolher que ervas produzir. Há muitas, pelo que o aconselhável será começar pelas que são mais fáceis de obter e pelas mais comuns na cozinha habitualmente confeccionada. Cada tipo de gastronomia tem os seus temperos e quem habitualmente cozinha pratos indianos, por exemplo, deverá escolher ervas que lhe venham a ser úteis. O ideal será fazer uma pesquisa acerca de cada uma das ervas eleitas, recolhendo informações quanto à sua utilização e cuidados a ter no seu cultivo.

Há que ter também em conta como cada uma é utilizada: seca e/ou fresca? No caso de apenas serem utilizadas quando secas, há que contar com o tempo, espaço e trabalho que implica a secagem das folhas ou ramos.

Uma vez obtidas, deverão ser acondicionadas nas melhores condições, livres de humidade. E voilá! Seja um às na culinária!



Cláudia Bandeira

Título: Jardim Aromático

Autor: Cláudia Bandeira (todos os textos)

Visitas: 20

696 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • Rafaela CoronelRafaela

    13-10-2014 às 04:29:07

    Um jardim aromático é de grande valia e com um poder enorme de apreciação do melhor cheiro do local. Gosto bastante de salsa e orégano. Também é bom cultivá-las porque podemos utilizar na comida. Fica um sabor incrível!

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoVera

    31-03-2009 às 01:12:19

    Gostei muito.
    É super radical e altamente o teu texto sobre bricolage jardim.
    Viva o Verde.

    ¬ Responder

Comentários - Jardim Aromático

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios