Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Bricolage Jardim > Raínha do Inverno

Raínha do Inverno

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Bricolage Jardim
Visitas: 10
Comentários: 3
Raínha do Inverno

O nome Japonês para camélia é Tsubaki que quer dizer "árvore de folhas luzídias", pois as suas folhas são de um brilho incomparável. Esta planta foi apelidada como raínha do inverno porque é na estação mais fria do ano que tem lugar a sua floração. A beleza das flores exuberantes dão origem à planta que foi inspiração para muitos artistas.
As camélias são originárias de vários países asiáticos, nomeadamente da China, mas também do Japão, entre outros.

A sua chegada à Europa continua uma incógnita. No nosso país há indícios da sua existência desde o século XVII com as pinturas de azulejos e loiças, com certeza trazidas pelos descobridores ou missionários. No entanto, não existem provas escritas que o confirmem. Há registos que indicam que a primeira planta na Europa terá sido trazida pelos missionários e levada para a Inglaterra em 1739, mais precisamente para a estufa de Lord Petre. De acordo com o Sr. José Marques Loureiro, o mentor da horticultura portuguesa no século XIX, as primeiras camélias chegaram ao Porto entre os anos de 1808 e 1810, pela mão do Sr. Van-Zeller e outros amadores.

A camélia é um género de plantas pertencentes à família Theaceae e produz as flores cujo nome é o mesmo da planta. Apresenta, de acordo com Joana Andersen Guedes, 119 espécies nativas das florestas do sudoeste asiático, China e Japão. É constituído por árvores de porte médio com folhas escuras, lustrosas e com bordas dentadas.

As flores têm dimensões variáveis que vai desde as muito pequenas, comparável ao tamanho de uma moeda, até às muito grandes, como o tamanho da palma de uma mão.
Algumas espécies como a japónica, são as mais cultivadas devido à beleza das suas flores grandes com folhagem densa, escura e lustrosa, e apresenta um porte baixo. A sinesis também pertence a este género e é uma espécie que das folhas se obtem chá.

Só desta espécie são obtidas mais de 3000 tipos diferentes de camélias e pensa-se que hajam entre 5000 a 8000 variedades. As mais comercializadas são as de flores grandes, com pétalas de cores que variam do branco ao vermelho escuro.

A cidade do Porto, também conhecida pela cidade das camélias desde 1880, proporciona agradáveis passeios aos apreciadores desta planta em alguns espaços públicos, nomeadamente o Palácio de Cristal e o Jardim Botánico, onde é possível apreciar a sua beleza. Como exemplo, no Jardim botãnico existe uma sebe de camélias com mais de 500 metros.

No nosso país foi constituído em 2008 a Associação Portuguesa das Camélias, que tem como objetivo principal a divulgação e promoção das camélias, bem como incentivar os viveiristas a produzirem camélias originárias do nosso país. Esta associação funciona em paralelo com a International Camellia Society que foi fundada em 1962 pelo Professor E.G.Waterhouse na Austrália, e tem espalhados membros por todo mundo.


Cristina Sousa

Título: Raínha do Inverno

Autor: Cristina Sousa (todos os textos)

Visitas: 10

632 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 3 )    recentes

  • Rafaela CoronelRafaela

    13-10-2014 às 03:40:03

    Adoro flores de qualquer tamanho e cor. Essa rainha do inverno é linda e faz grande diferença.

    ¬ Responder
  • SophiaSophia

    24-04-2014 às 22:41:37

    Nunca vi esse tipo de espécie, a Camélia, mas adoraria. Deve ser bem comum em Portugal, o que deixa o lugar mais bonito e rico de beleza. Parabéns pelo texto sobre a Rainha do Inverno.

    ¬ Responder
  • Jovita CapitãoJovita Capitão

    12-10-2012 às 20:50:26

    Excelente texto. Parabéns pelo tema!

    Os meus cumprimentos,
    Jovita Capitão.

    ¬ Responder

Comentários - Raínha do Inverno

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Receptores digitais

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: TV HIFI
Receptores digitais\"Rua
Os receptores digitais são instrumentos que têm a função de receber sinal por via de canais digitais.

De acordo com a sua função, estes canais poderão ser satélite ou por cabo. Actualmente, já existem bastantes serviços de televisão por cabo que funcionam apenas com estes receptores, uma vez que é através deles que se consegue ter acesso não só aos canais de serviço, mas também a pacotes codificados.

O serviço de recepção de canais por satélite é um sistema independente para o qual é necessário ter um disco receptor satélite de modo a poder ter canais digitais fora dos serviços prestados pelos operadores de televisão digital.

Este instrumento permite que os próprios ecrãs sem tecnologia digital passem a usufruir desta através destes receptores. No entanto, a melhor qualidade só é garantida com um ecrã já com esta tecnologia.

Os receptores digitais permitem também aceder a uma multiplicidade de serviços, desde que devidamente configurados. Por exemplo, com estes receptores, é possível aceder a menus específicos de pausa de emissão para depois ser continuada, de serviços on-demand ou acesso a portais específicos, entre outros.

Esta pequena caixinha permite ao seu utilizador usufruir da televisão a um novo nível, de modo a que possa ter todas as comodidades no conforto do lar. 

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Receptores digitais

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    04-06-2014 às 06:53:28

    Gostei dos receptores digitais. Bom texto abordando isso.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios