Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Bricolage Jardim > Cuidar das orquídeas Parte 1

Cuidar das orquídeas Parte 1

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Bricolage Jardim
Cuidar das orquídeas Parte 1

Com 30.000 espécies diferentes de orquídeas, é impossível dar cuidados gerais e seguir com detalhe as instruções de cultivo. No entanto, a espécie de orquídeas pode fornecer pistas sobre as suas preferências de luz, água e meio de crescimento.

Se a planta tem poucas folhas (como a maioria das cattleyas e oncidiums) é provável que a planta precise de um ambiente de luz alta. Se as folhas são macias e moles (como alguns phalaenopsis e paphiopedilum), as plantas são provavelmente muito sensíveis à luz, e não devem ser colocadas numa janela virada para sul com sol intenso.

Se a orquídea tem pseudobulbos deve ser regada com moderação e deve ser cultivada em pedaços grossos de casca de árvore ou pedra de lava. Pode exigir regas mais frequentes, ou então deverão ser cultivadas num meio com mais humidade.

Como regra geral, as orquídeas são plantas 'famintas' de luz. Para melhores resultados, elas devem ter 12 a 14 horas de luz por dia, durante todo o ano. Num ambiente tropical, a duração e intensidade da luz natural não variam como acontece em climas temperados. Por esta razão, pode precisar de mover as suas orquídeas ao redor e suplementar com luz artificial para mantê-las 'felizes' durante os meses de inverno.

As janelas viradas a sul e leste são geralmente o melhor local para as orquídeas. As janelas viradas a oeste podem ser muito quentes, e as viradas a norte são geralmente muito escuras. Se não tem uma janela com boa localização para as suas orquídeas, será perfeitamente melhor optar pelo cultivo sob luzes artificiais. As orquídeas devem ser posicionadas não mais do que 6-8 cm de distância a partir de um conjunto de 4 metros de lâmpadas fluorescentes. As novas lâmpadas de espectro total são, provavelmente, a melhor escolha. Algumas orquídeas com requisitos de luz muito elevados, como vandas e Cymbidiums, podem precisar de alta intensidade de iluminação de descarga, a fim de florirem.

As orquídeas terrestres, como as Paphiopedilums e algumas Cymbidiums, crescem no solo. Mas a maioria das orquídeas tropicais são epífitas, o que significa que elas crescem no ar, em vez de no solo. As suas raízes carnudas são cobertas com uma camada de células brancas chamada velame, que atua como uma esponja para absorver a água. O revestimento também protege as raízes de calor e perda de humidade.

Um meio ambiente para o cultivo de orquídeas deve proporcionar boa circulação de ar e água para regar rapidamente. Deve também dar algo às raízes para que se segurem bem e se agarrarem. Dependendo do tipo de orquídea, elas podem crescer em musgo de turfa, casca de pinheiro, lã de rocha, perlite, pepitas, cortiça, pedra, fibras de coco, rocha de lava, ou uma mistura que combine várias destas matérias. Algumas orquídeas epífitas também podem ser ligadas a placas de cortiça. Como regra geral, a casca de pinheiro é o meio mais popular.


Rua Direita

Título: Cuidar das orquídeas Parte 1

Autor: Rua Direita (todos os textos)

Visitas: 0

699 

Comentários - Cuidar das orquídeas Parte 1

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios