Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Brinquedos > Equipe-se a rigor para brincar

Equipe-se a rigor para brincar

Categoria: Brinquedos
Comentários: 2
Equipe-se a rigor para brincar

Não há quem não goste de brincar, e se, por acaso houver, tratar-se-á, certamente, de alguém que não sabe viver e que precisa urgentemente de aprender. Seja por palavras, evocando piadas ou trocadilhos, por mímicas engraçadas, por jogos divertidos, por recurso a puzzles e outros artifícios que ajudam, inclusive, a desenvolver certas capacidades, como a estratégia, e a “montar” acontecimentos passados e presentes, seja por utilização de brinquedos propriamente ditos. Efectivamente, a vida pressupõe doses elevadas de bom humor e de espírito jovial. Quem assim se mantiver não resiste ao passar dos anos (isso seria impossível), mas subsiste às adversidades de forma bastante mais leve, pela recusa em sucumbir ante as dificuldades. O rosto destas pessoas não patenteará rugas de tristeza nem o peso da idade. Ao contrário, emanará alegria e uma expressão de olhar quer irradia energia positiva por todos os lados.

Naturalmente que ao afirmar-se que as brincadeiras são aconselháveis a toda a gente, sem discriminação sequer de idade, não se estará à espera de ver um respeitável ancião de 90 anos a agitar o seu cabelo branco ao vento em cima de uma trotineta ou a ensaiar manobras radicais num skate! Aliás, estes equipamentos, a par dos patins, só devem ser utilizados em conjunto com indispensáveis elementos de segurança: capacete, luvas, cotoveleiras e joelheiras. Há quem acrescente ao kit outros, que o tornariam verdadeiramente completo: gesso e canadianas (just in case...).

Nos rótulos dos brinquedos deve figurar a idade mínima do utilizador, mas não existem normas a fixar uma máxima. Isto quer dizer que não há um limite estipulado para se brincar… Este simples acto, que parece banal, contribui para a formação de miúdos e graúdos, e favorece, pelas regras e flexibilidade que ensina, uma certa envergadura humana, moral, social e até cívica, que proporciona, não raras vezes, uma abordagem de misericórdia perante os erros, próprios e dos outros. Partilhar os brinquedos que já não fazem falta, desde que em bom estado, com quem nada tem também ajuda neste processo. Trata-se de experimentar um sentimento nobre e impagável, e contraria-se a tendência de culpar a inocência por desigualdades ditadas por interesses que lhe são absolutamente alheios!

Apesar das inegáveis vantagens dos brinquedos, eles podem acolher perigos ocultos. As estatísticas dão conta de centenas de acidentes todos os anos, que incluem queimaduras, asfixia por aspiração de componentes pequenos, cortes e quedas, que causam lesões mais ou menos graves à saúde e deixam, amiudadamente, sequelas posteriores. Sobretudo em bebés e crianças até aos quatro anos, os cuidados são fundamentais. As criancinhas querem agarrar, chupar e morder tudo o que apanham. Os brinquedos devem, por isso, ser laváveis e não podem ter pontas afiadas nem cantos, assim como dimensões inferiores a uma moeda de dois euros, por risco de serem engolidos ou aspirados por elas. O acompanhamento pró-activo dos pais e a constante vigilância ajudam a prevenir tais acidentes e garantem maior segurança. Não se brinca com coisas sérias!...

Maria Bijóias

Título: Equipe-se a rigor para brincar

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

613 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • SophiaSophia

    25-04-2014 às 18:23:50

    A Rua Direita sugere que faça uns testes com alguns brinquedos que poderão trazer problemas para as crianças. É preciso saber escolher e testar! Adorei suas dicas, bem explicativa.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoFernando Ribeiro O.

    15-05-2009 às 19:47:14

    Comprei hoje dois brinquedos para os meus filhos. Um tem 4 anos e outro tem 2 anos e são os seres mais maravilhosos e inspiradores da minha vida. Os brinquedos que comprei despertou neles um daqueles 10.000 sorrisos que só eles têm. Alegria e felicidade são o alimento dos meus filhos. São duas crianças tão alegres , simplesmente por terem o espirito da sua mãe. Sou um ser muito afortunado.

    Obrigado...

    ¬ Responder

Comentários - Equipe-se a rigor para brincar

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios