Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Restaurantes > Restaurante por Quilo

Restaurante por Quilo

Categoria: Restaurantes
Visitas: 6
Comentários: 1
Restaurante por Quilo

Comum no Brasil e raro em outros países,com preços na maioria das vezes justos,várias opções de pratos quentes e frios,fora as saladas e sobremesas.Além disso sempre se pode contar com uma quantidade generosa de sucos e refrigerantes.

Estamos falando do restaurante por quilo.Estabelecimento onde vários pratos ficam todos dispostos em grandes travessas,onde o próprio cliente se serve.Sem garçom e sem cardápio.Algo completamente prático.O famoso por quilo também é conhecido como self service.Nada mais do que o ato de auto servir.

O cliente desse tipo de restaurante ganha em variedade,ganha no preço (geralmente o valor é baixo) e também ganha alguns quilos a mais no próprio corpo.O dono do restaurante ganha no fato de não precisar contratar pessoal para servir as mesas.Nem mesmo as bebidas,nada é preciso pedir.Fica tudo exposto.

Normalmente segunda feira é o dia da virada a paulista,terça feira servem a famosa dobradinha,quarta a mais famosa ainda feijoada,quinta é dia de massas em geral e na sexta os peixes aparecem.Esses são apenas pratos fixos de cada dia da semana.

Além desses costuma-se ser servidos os seguintes pratos: arroz branco,arroz de Braga,feijão preto,feijão branco (com bacon ou sem),salada de folhas verdes,salada de tomate com palmito,salada de cenoura com azeitonas,torta de frango,torta de palmito,farofa,creme de milho verde,milho assado,milho cozido,grão de bico com bacalhau,carne assada com cenoura e bacon,bife acebolado,frango grelhado.filé de carne grelhado,filé de porquinho grelhado e frito e dezenas de outras guloseimas.De sobremesa a opção custa ser menos farta,porém não menos gostosa.

Pudim de leite,pastel de belém,pastel de Santa Clara,bolo de chocolate,bolo de cenourae outros manjares dos deuses.Com toda essa varidade é práticamente impossível não sair da dieta,torna-se muito complicado se conter perante a tantos pratos deliciosos.Esse tipo de restaurante encontram se muitos perto de escritórios e prédios comerciais.O que expplica o fato de muitas pessoas dizerem que trabalhar engorda,já que é praticamente impossível trabalhar num local onde tenha vários restaurantes desse estilo e se contentar com uma simples saladinha.Depois haja academia e exercícios físicos para queimar todas essas calorias adquiridas.Esse é o tipo de restaurante barato que sai muito caro no final,se incluir os gastos futuros com academia.


Gabriela Torres

Título: Restaurante por Quilo

Autor: Gabriela Torres (todos os textos)

Visitas: 6

665 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Luene ZarcoLuene

    16-09-2014 às 04:56:39

    Gostei muito deste restaurante por quilo. Penso que é bem vantajoso para quem come pouco...rsrsrs

    ¬ Responder

Comentários - Restaurante por Quilo

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A história da fotografia

Ler próximo texto...

Tema: Fotografia
A história da fotografia\"Rua
A história e princípios básicos da fotografia e da câmara fotográfica remontam à Grécia Antiga, quando Aristóteles verificou que os raios de luz solar e com o uso de substâncias químicas, ao atravessarem um pequeno orifício, projetavam na parede de um quarto escuro a imagem do exterior. Este método recebeu o nome de câmara escura.

A primeira fotografia reconhecida foi uma imagem produzida em 1826 por Niepce. Esta fotografia foi feita com uma câmara e assente numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo, tendo estado exposta à luz solar por oito horas, esta encontra-se ainda hoje preservada.

Niepce e Louis –Jacques Mandé Daguerre inciaram em 1829 as suas pesquisas, sendo que dez anos depois foi oficializado o processo fotográfico o nome de daguerreótipo. Este processo consistia na utilização de duas placas, uma dourada e outra prateada, que uma vez expostas a vapores de iodo, formando uma pelicula de iodeto de prata sobre a mesma, ai era a luz que entrava na camara escura e o calor gerado pela luz que gravava a imagem/fotografia na placa, sendo usado vapor de mercúrio para fazer a revelação da imagem. Foi graças á investigação realizada por Friedrich Voigtlander e John F. Goddard em 1840, que os tempos de exposição e revelação foram encurtados.




Podemos dizer que o grande passo (não descurando muitas outras mentes brilhantes) foi dado por Richard Leach Maddox, que em 1871 fabricou as primeiras placas secas com gelatina, substituindo o colódio. Três anos depois, as emulsões começaram a ser lavadas com água corrente para eliminar resíduos.

A fotografia digital


Com o boom das novas tecnologias e com a capacidade de converter quase tudo que era analógico em digital, sendo a fotografia uma dessas mesmas áreas, podemos ver no início dos anos 90, um rápido crescimento de um novo mercado, a fotografia digital. Esta é o ideal para as mais diversas áreas do nosso dia a dia, seja a nível profissional ou pessoal.

As máquinas tornaram-se mais pequenas, mais leves e mais práticas, ideais para quem não teve formação na área e que não tem tempo para realizar a revelação de um rolo fotográfico, sem necessidade de impressão. Os melhores momentos da nossa vida podem agora ser partilhados rapidamente com os nossos amigos e familiares rapidamente usando a internet e sites sociais como o Facebook e o Twitter .

A primeira câmara digital começou a ser comercializada em 1990, pela Kodak. Num instante dominou o mercado e hoje tornou-se produto de consumo, substituindo quase por completo as tradicionais máquinas fotográficas.

Sendo que presentemente com o aparecimento do FullHD, já consegue comprar uma máquina com sensores digitais que lhe permitem, além de fazer fotografia, fazer vídeo em Alta-Definição, criando assim não só fotografias quase que perfeitas em quase todas as condições de luz bem como vídeo com uma qualidade até agora impossível no mercado do vídeo amador.

Tirar fotografias já é acessível a todos e como já não existe o limite que era imposto pelos rolos, “dispara-se” por tudo e por nada. Ter uma máquina fotográfica não é mais um luxo, até já existem máquinas disponíveis para as crianças. Muitas vezes uma fotografia vale mais que mil palavras e afinal marca um momento para mais tarde recordar.

Pesquisar mais textos:

Bruno Jorge

Título:A história da fotografia

Autor:Bruno Jorge(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    05-05-2014 às 03:48:18

    Como é bom viver o hoje e saber da história da fotografia. Isso nos dá a ideia de como tudo evoluiu e como o mundo está melhor a cada dia produzindo fotos mais bonitas e com qualidade!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios