Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Restaurantes > Vá pelo cheiro de um restaurante

Vá pelo cheiro de um restaurante

Categoria: Restaurantes
Comentários: 2
Vá pelo cheiro de um restaurante

Quando a barriga começa a “dar horas” é sinal de que o organismo entrou em deficit calórico e que é preciso repor as energias. Pode optar-se por uma sandes e uma bebida no local de trabalho, por levar a marmita de casa ou pelo “dois em um”: abandonar, por momentos, a cadeira que acolheu o traseiro toda a manhã, e deslocar-se ao restaurante mais próximo, numa perspectiva de espairecer ao mesmo tempo que se supre uma necessidade básica.

A menor disponibilidade financeira afecta toda a gente e não há negócio que não se ressinta. Todavia, muitos restaurantes optam por praticar preços mais acessíveis, elaborando, por exemplo, menus completos ou recorrendo ao sistema de buffet. Embora a margem de lucro per capita não seja tão elevada, asseguram uma maior constância e atingem alguma estabilidade, e, como diz a sabedoria popular «mais vale um pássaro na mão do que dois a voar» …

Por falar em aves, estas acabam por integrar grande número dos pedidos efectuados, não apenas por se tratar de uma carne branca e, portanto, mais saudável, pelo facto de serem bastante saborosas, por existirem mil e um pratos de galináceos, mas, acima de tudo, porque tornam a conta final substancialmente mais suave. E, verdade seja dita, os dentes também agradecem não ser sujeitos ao suplício de estar uma hora a mastigar o mesmo bife! Ainda que o restaurante só feche à meia-noite…

De facto, com o frango não existe esse problema. Sendo de aviário, até os ossos quase derretem com a cozedura. Não obstante, não é de todo conveniente pô-los muito à vista… Se determinado cliente pedir um frango à caçador, não aceitará que lhe sirvam um frango à raio-X… em que do bicho só se vêem os ossos!

Os jantares, românticos, de aniversário, de comemoração de alguma data especial, de motivações intimamente ligadas à preguiça ou outras igualmente válidas, levam aos restaurantes outro tipo de comilões. Estes vão com mais calma e buscam, por alguns instantes, o prazer da mesa, o desfrute do ócio, o saborear de uma rara tranquilidade, um convívio familiar não interrompido pelo chamamento de tachos, panelas e demais trens utilitários do lar.

Nestas ocasiões, e visto que os olhos são os primeiros a comer, talvez constitua uma mais-valia o responsável pela cozinha esmerar-se na decoração dos pratos. Esta estratégia pouco ou nada acrescenta ao trabalho e despesa na confecção, mas contribui grandemente para a valorização deste verdadeiro cartão de visita. São pequenos incentivos de uma publicidade mais caseira do que, muitas vezes, a comida…



Maria Bijóias

Título: Vá pelo cheiro de um restaurante

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

603 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • Yuri SilvaYuri

    16-09-2014 às 02:43:19

    Muito legal saber que o cheiro tem total influência sobre a escolha do restaurante. É fato que somos atraídos por isso!

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãoguida

    17-05-2009 às 19:24:41

    Sim o teu texto foi muito interressante e apelativo. Por vezes é tão agradavel ler com sentido de humor. Pararbens por transformares um topico , normalmente chato em algo alegre.

    Adoro restaurantes , adoro sentido de humor.

    Alegria e comida.

    ¬ Responder

Comentários - Vá pelo cheiro de um restaurante

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios