Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Será que deve emigrar

Será que deve emigrar

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Será que deve emigrar

Esta é uma questão que para muitas pessoas volta e meia vem à mente, não só de muitos portugueses, bem como de outros povos um pouco por toda a Europa. Tendo em conta o estado da situação socioeconómica mundial, as pessoas começam a ver-se cada vez mais obrigadas a apertar o cinto e obrigadas a não conseguir ter a qualidade de vida que até então tinham como garantida.

A única solução que encontram é emigrar para outros países em busca de melhores oportunidades, que parecem já não existir no seu país. A realidade é que provavelmente até têm razão, e em comparação com o seu país que parece estar a seguir um caminho que oferece poucas esperanças para um futuro melhor, existem outros (países) no mundo onde se poderá encontrar a solução financeira que se procura.

Mas há que tomar este passo consciente de alguns pontos fulcrais e indispensáveis

A primeira coisa a ter em atenção é antes de mais saber para o que vai. Querendo dizer, certifique-se que a proposta de trabalho que tenha recebido é realmente de confiança e que o proprietário neste caso o seu futuro patrão lhe oferece realmente melhores condições do aquelas que tem presentemente, não queira passa r de cavalo para burro. Se possível, e em alguns países é necessário o visto de trabalho, para que lhe seja concedido a entrada ou até mesmo um visto apropriado. Portanto, o seu contrato de trabalho em alguns casos é até mesmo assinado antes.




A segunda e, se calhar a mais importante tem a ver com as questões legais e burocráticas de permanência num pais estrangeiro. Saiba como são as leis do país em relação aos imigrantes, quais as suas obrigações e direitos para que não venha a ter problemas legais futuros.

A legalização de estrangeiros em alguns países da europa sofreu algumas mudanças nestes últimos anos, portanto tenha atenção a isto. Se tiver a sorte de que o seu patrão possa ajuda-lo a tratar da documentação legal melhor ainda, visto que este geralmente é um processo que necessita que você seja acompanhado aos respectivos organismos por alguém que já esteja por dentro de todos os requisitos daquele mesmo país.

O terceiro ponto e igualmente importante e essencial é a questão da habitação, esta deve ser tratada com a máxima urgência, de preferência antes de se deslocar par o pais em questão. Seja em casa de amigos, familiares ou até mesmo acomodações temporárias patrocinadas pela entidade empregadora. Mas de preferência escolha um país em que tenha pelo menos uma pessoa conhecida e que possa servir de seu pilar ao início.

Não veja apenas esta iniciativa como uma forma de melhor a sua condição financeira, pois dificilmente irá tirar prazer desta ‘aventura’, entenda e tente percepcionar esta mudança de vida como um nova experiência no seu crescimento pessoal e mental. Veja isto como uma óptima oportunidade para conhecer um pouco mais do mundo em que vivemos e de conhecer novas culturas.


Bruno Jorge

Título: Será que deve emigrar

Autor: Bruno Jorge (todos os textos)

Visitas: 0

645 

Comentários - Será que deve emigrar

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Pulp Fiction: 20 anos depois

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Arte
Pulp Fiction: 20 anos depois\"Rua
Faz hoje 20 anos que estreou um dos mais importantes ícones cinematográficos americanos.

Pulp Fiction é um marco do cinema, que atirou para a ribalta Quentin Tarantino e as suas ideias controversas (ainda poucos tinham visto o brilhante “Cães Danados”).

Repleto de referências ao cinema dos anos 70 e com uma escolha de casting excepcional, Pulp Fiction conquistou o público com um discurso incisivo (os monólogos bíblicos de Samuel L. Jackson são um exemplo disso), uma violência propositadamente mordaz e uma não linearidade na sucessão dos acontecimentos, tudo isto, associado a um ritmo alucinante.

As três narrativas principais entrelaçadas de dois assassinos, um pugilista e um casal, valeram-lhe a nomeação para sete Óscares da Academia, acabando por vencer na categoria de Melhor Argumento Original, ganhando também o Globo de Ouro para Melhor Argumento e a Palma D'Ouro do Festival de Cannes para Melhor Filme.

O elenco era composto por nomes como John Travolta, Samuel L. Jackson, Bruce Willis, Uma Thurman e (porque há um português em cada canto do mundo) Maria de Medeiros.

Para muitos a sua banda sonora continua a constar na lista das melhores de sempre, e na memória cinéfila, ficam eternamente, os passos de dança de Uma Thurman e Travolta.

As personagens pareciam ser feitas à medida de cada actor.
Para John Travolta, até então conhecido pelos musicais “Grease” e “Febre de Sábado à Noite”, dar vida a Vincent Vega foi como um renascer na sua carreira.

Uma Thurman começou por recusar o papel de Mia Wallace, mas Tarantino soube ser persuasivo e leu-lhe o guião ao telefone até ela o aceitar.

Começava ali uma parceria profissional (como é habitual de Tarantino) que voltaria ao topo do sucesso com “Kill Bill”, quase 10 anos depois.

Com um humor negro afiadíssimo, Tarantino provou em 1994 que veio para revolucionar o cinema independente americano e nasceu aí uma inspirada carreira de sucesso, que ainda hoje é politicamente incorrecta, contradizendo-se da restante indústria.

Pulp Fiction é uma obra genial. Uma obra crua e simultaneamente refrescante, que sobreviveu ao tempo e se tornou um clássico.
Pulp Fiction foi uma lição de cinema!

Curiosidade Cinéfila:
pulp fiction ou revista pulp são nomes dados a revistas feitas com papel de baixa qualidade a partir do início de 1900. Essas revistas geralmente eram dedicadas às histórias de fantasia e ficção científica e o termo “pulp fiction” foi usado para descrever histórias de qualidade menor ou absurdas.

Pesquisar mais textos:

Carla Correia

Título:Pulp Fiction: 20 anos depois

Autor:Carla Correia(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios