Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > E tu, és feliz?

E tu, és feliz?

Categoria: Outros
E tu, és feliz?

É tão fácil dizer que a felicidade não existe…

Sim, nem todos os dias correm da melhor maneira, é verdade!

Ou é o chefe que refila porque o trabalho não está em dia, ou é algum colega que não nos diz bom dia e nos tira logo a vontade de trabalhar, ou somos nós que simplesmente não estamos nos nossos melhores dias.

Há tanta coisa que nos inquieta!

Algumas simples, outras nem tanto, mas será que não nos queixamos muitas vezes sem motivo?

Será que as contas por pagar; o jantar que não nos apetece fazer; a roupa que não temos vontade de passar; o chato do marido que não se cala um minuto, ou que, pelo contrário, entra em casa mudo e deita-se calado; os miúdos que não sossegam; ou até mesmo a voltinha ao café da esquina a seguir ao jantar, são coisas assim tão chatas e infelizes?

Não desvalorizando a constante rotina do dia-a-dia e a sua capacidade de nos roubar alguns sorrisos, parece-me a mim que se pensarmos um pouco, conseguimos retirar daí
pequenos prazeres, que se nos faltassem, iriamos com certeza exclamar "eu era feliz"!

Acredito que andam por ai muitas almas perdidas que dariam o Mundo para ter alguém que os chateasse porque o jantar não está na mesa a horas, que iam até ao fim da vida para poder dar só mais um beijo a um filho que já não têm...

Acredito que a felicidade está mesmo nas pequenas coisas, mas que tomam uma dimensão imensa no exacto momento em que deixam de existir!

Quem dera a muita gente estar neste preciso momento a passar a roupa dum marido “surdo-mudo”, mas que lhe trazia flores quando menos ela esperava; ou a gritar com a amiga que lhe disse que estava “gordinha” (depois de a ter convencido a comprar umas calças 36 que não lhe passavam dos joelhos para cima); ou simplesmente a ralhar com um filho que teimava em não adormecer, e que agora não sabe se ele ainda acorda todos os dias numa cama que não a dele, ou se simplesmente...não acorda!

Sim, o meu chefe às vezes é chato, mas nem tanto que me aborreça por demais!

Passar a roupa não é o meu programa ideal de fim-de-semana, nem tão pouco cozinhar todos os dias, mas só o simples facto de me deitar todas as noites e ter a minha filha ao meu lado a descansar na cama que lhe pertence, vale por todas as coisas menos boas do dia-a-dia!

Isso é felicidade! E existe….na cama ao lado da minha!

Ali…mesmo ao meu lado...tão perto de mim!

E esta, é “só" uma das felizes realidades da minha rotina diária…
É fácil dizer que a felicidade não existe, porque é difícil acreditar que já somos felizes!...

Se alguém me perguntar porque é que sou feliz, responderei apenas “porque sim!”...Apenas a infelicidade precisa de justificação.


Ana Mendonça

Título: E tu, és feliz?

Autor: Ana Mendonça (todos os textos)

Visitas: 0

621 

Comentários - E tu, és feliz?

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios