Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Por que sentimos medo?

Por que sentimos medo?

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 6
Por que sentimos medo?

O medo. Essa força que nos paralisa. Que nos deixa uma angústia no peito e um aperto no coração. O medo. Aqulele sentimento por vezes absurdo que não nos deixa andar para a frente. Mas afinal o que é exatamente o medo? O medo é um sentimento agregado ao desconhecido. Tudo aquilo que não entendemos ou desconhecemos pode desencadiar em nós um sentimento de querer fugir ou de ficar parado sem conseguir reagir.

Mas, por que sentimos medo? O medo é uma reação normal em todos os seres vivos. É uma maneira de nos defendermos de tudo o que não conseguimos entender. Por exemplo, quando somos crianças temos medo que coisas tais como: monstros, bichos, bruxas, etc. Quando crescemos os nossos medos podem ganhar outras formas tais como: ladrões, criminosos, aminais ferozes, pessoas com segundas intenções. E também acontece ter medos quase irracionais como por exemplo: medo de andar de avião, medo de falar em público, medo de não ser correspondido, medo de amar, o medo da mudança, o medo de tomar decisões erradas, o medo de morrer. Até os animais sentem medo. Quando sentem que os predadores os querem comer, eles fogem. Na lei da sobrevivência é normal sentir medo quando algo ou alguém é mais forte do que nós.

Como podemos combater o medo? Não é uma luta fácil mas também não é impossível de se concretizar. A primeira coisa a fazer é avaliar o medo que sentimos. Assim, podemos perguntar-nos: Será que o que sinto é real? Quem, além de mim também tem este medo? Como conseguiram essas pessoas combater este medo? Ao fazer essa avaliação racional vai ver que o medo que sente tem tendência a diminuir, ou até mesmo a desaparecer. Outra forma de ver o medo desvanescer é procurar ajuda de livros sobre o assunto. Em ultima instância deve consultar o seu médico, porque o medo que sente pode estar associado a perturbações nervosas ou a qualquer outro problema de saúde. Quando experimentamos o medo, e este se traduz numa coisa pior chamada pânico, tendemos a ter consequencias tanto emocionais como físicas.

Algumas dessas consequências são: dificuldade em adormecer, palpitações, doenças nervosas e até mesmo corremos o risco de vir a sofrer um ataque cardíaco.
Assim, a próxima vez que sentir medo, pense duas vezes pois este sentimento assustador pode prejudicar gravemente a sua saúde, pode estar a privá-lo de enfrentar a vida com coragem, e pode, da mesma forma, impedi-lo de ser feliz.

Jovita Capitão

Título: Por que sentimos medo?

Autor: Jovita Capitão (todos os textos)

Visitas: 6

654 

Comentários - Por que sentimos medo?

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios