Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Trabalhando com artigos eróticos

Trabalhando com artigos eróticos

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 2
Trabalhando com artigos eróticos

Trabalhar no segmento da indústria do prazer, aos poucos está deixando de ser um tabu. Apesar de ainda haver preconceitos, aos poucos as pessoas estão percebendo que o fato de comercializar produtos eróticos, como no caso dos Sexshoping, não significa que se trate de algo leviano, ao contrário; muitos artigos são comprados para brincadeiras de despedida de solteiro.

Na verdade, o que deixa muita gente nervosa ao falar em produtos eróticos, é o medo de admitir o lidar com sua própria sexualidade, ou seja; adquirir produtos que possam despertar o prazer com seu próprio toque, não é algo convencional para muitos. O que precisa se levar em conta é que artigos eróticos não são destinados apenas para o auto prazer, mas também para dividir com o parceiro (a), de modo que dê um pouco mais de graça e diversão no sexo. Tudo depende do gosto e das preferências do casal. É claro que a maioria das pessoas interessadas no assunto e que compram os artigos, são as que conseguem lidar bem com sua sexualidade. Evidente que quem não compra pode também estar muito bem, tudo depende do pondo de vista.

Muito preconceito e ideias equivocadas sobre o sexo permeou as mentes do quanto era certo ou errado sentir prazer, que se criou uma barreira que impedia em aceitar o sexo para além da procriação. Por essa razão, devemos entender a resistência de alguns quando se fala sobre produtos ligados ao sexo.

O fato é, apesar de toda liberdade sexual que foi conquistada, principalmente pelas mulheres que durante muito tempo foram oprimidas, só em pensar na palavra masturbação, era um absurdo, tanto que poucas mulheres conheciam sua intimidade.

É comum entre as pessoas que trabalham com a indústria do prazer, omitir para os mais próximos seu segmento profissional temendo represálias, mas não devem se afligir, não tem nada de leviano e muito menos com prostituição. Ao contrário, algumas pessoas até passam a sentir mais segurança na relação por fazer brincadeiras que antes nem sequer conversavam como, por exemplo, brincar com dados. Para explicar melhor, são dados como os já conhecidos, só que no lugar dos números, são posições sexuais. Comercializar produtos e artigos eróticos é um trabalho como os outros e não há motivos para se envergonhar, o importante e necessário é ser o mais discreto e natural possível, para que os interessados não se sintam desconfortáveis e tenham a certeza de que não haverá exposição de seus gostos.


Sílvia Baptista

Título: Trabalhando com artigos eróticos

Autor: Sílvia Baptista (todos os textos)

Visitas: 2

682 

Comentários - Trabalhando com artigos eróticos

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Informática
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?\"Rua
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Bom, Não é de hoje que tecnologia vem surpreendendo a todos nós com grandes revoluções e os custos que diminuem cada vez mais.
Hoje em dia é comum ver crianças com smarthphones com tecnologia que a 10 anos atrás nem o celular mais moderno e caro do mercado tinha.
Com isso surgiram sugiram vários profetas da tecnologia e visionários, tentando prever qual será o próximo passo.

E os filmes retratam bem esse tema e usam essa formula que atrai a curiosidade das pessoas.
Exemplos:

Minority report - A nova lei de 2002 (Imagem)

Transcendence de 2014

Em Transcendence um tema mais conspiratório, onde um ser humano transcende a uma consciência artificial e assim se torna imortal e com infinita capacidade de aprendizagem.
Vale a pena ver tanto um quanto o outro filme. Algumas tecnologias de Minority Report, como utilizar computadores com as mãos (caso do kinect do Xbox 360 e One) e carros dirigidos automaticamente, já parecem bem mais próximo do que as tecnologias vistas em Transcendence, pois o foco principal do mesmo ainda é um tema que a humanidade engatinha, que é o cérebro humano, a máquina mais complexa conhecida até o momento.

Eu particularmente, acredito que em alguns anos teremos realmente, carros pilotados automaticamente, devido ao investimento de gigantes como o Google e o Baidu nessa tecnologia.

Também acho que o inicio da colonização de Marte, vai trazer grandes conquistas para humanidade, porém grandes desafios, desafios esses que vão nos obrigar a evoluir rapidamente nossa tecnologia e nossa forma de encarar a exploração espacial, não como um gasto, mas sim como um investimento necessário a toda humanidade e a perpetuação da sua existência.

A única salvação verdadeira para humanidade e para o planeta terra, é que seja possível o ser humano habitar outros planetas, seja localizando planetas parecidos com a terra ou mudando planetas sem condições para a vida em planetas habitáveis e isso só será possível com gente morando nesses planetas, como será o caso do Marte. O ser humano com a sua engenhosidade, aprendeu a mudar o ambiente a sua volta e assim deixou de ser nômade e da mesma forma teremos que aprender a mudar os mundos, sistemas, galáxias e o universo a nossa volta.

Espero que tenham gostado do meu primeiro texto.
Obrigado à todos!
Até a Próxima!


Pesquisar mais textos:

Érico da Silva Kaercher

Título:Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Autor:Érico da Kaercher(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios