Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > VIDA QUOTIDIANA

VIDA QUOTIDIANA

Categoria: Outros
Comentários: 2
VIDA QUOTIDIANA

Gostaria de apresentar aos leitores uma sequencia de artigos que serão publicados sobre a vida quotidiana dos brasileiros.

Uma seleção de artigos que tem por finalidade apresentar e partilhar com diversos leitores a vida quotidiana no Brasil.

A principio nós iremos atentar a esta primeira publicação que é na verdade um resumo de todos os demais artigos a serem publicados.

Falar de quotidiano precisamos primeiro saber o que seria isso.
Quotidiano é aquilo que se faz todos os dias, ou seja, aquilo que é rotina de todos os dias, por exemplo, trabalhar seria quotidiano, frequentar uma escola e aí por diante.

Então nestes artigos vamos partilhar o quotidiano da vida brasileira, e por mais que seja difícil descrever o quotidiano de todo o Brasil iremos partilhar diversas situações quotidianas.

Realidades distintas por todo território brasileiro de vidas quotidiana podemos encontrar e seja quais forem elas, podemos definir que em sua maioria fazem com que nós brasileiros cresçamos a cada dia diante de situações difíceis.

A vida no Brasil para muitos brasileiros é a realidade de sofrimento e luta diária em busca de um Brasil melhor, um país de realidades distintas de governo que ainda não atende as realidades do povo brasileiro.

A vida de cada brasileiro tem suas próprias realidades, e enfrenta-las é desafio diário para muitos. Desigualdade social é a realidade do Brasil que vivemos atualmente o crescimento do Brasil tem sido percebido mais ainda é muito pouco diante do que ainda precisa mudar para que cada brasileiro possa ter uma vida digna e justa.
O quotidiano para o brasileiro é uma realidade muitas vezes de sofrimento e luta, tentando diariamente buscar uma vida melhor.

Os artigos que proponho publicar não são somente para partilhar as dificuldades brasileiras mais com a finalidade de partilhar que apesar do quotidiano brasileiro ser difícil existi solução.

Sempre teremos uma vida quotidiana, mais podemos mudar a realidade ao qual enfrentamos hoje e passar a desfrutar uma realidade do quotidiano ao qual possamos nos orgulhar.

Realidades como baixos salários, transporte coletivo, falta de saneamento básico são alguns dos próximos artigos que serão publicados e detalharei cada um a realidade do Brasil. Conhecer nosso quotidiano é conhecer nosso dia-a-dia, conhecer aquilo que estamos acostumados a viver todos os dias.
Partilhar esta realidade com todos os leitores é o mesmo que partilhar a rotina de vida que o Brasil enfrenta.

Podemos viver realidades as quais todos brasileiros conhecem, mais superar as realidade do quotidiano ao qual enfrentamos é um desafio coletinho no qual cada brasileiro tem seu papel e sua responsabilidade, mesmo que ao olhar de muitos seja impossível ao olhos de uma nação tão imensa quanto o nosso Brasil o impossível pode ser alcançado.


Rodrigo Junio Ferreira

Título: VIDA QUOTIDIANA

Autor: Rodrigo Junio Ferreira (todos os textos)

Visitas: 0

778 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • Briana AlvesBriana

    18-08-2014 às 06:09:43

    Os brasileiros lutam muito pelo que querem, mas o sistema não ajuda muito para ter um crescimento contínuo. Geralmente, quem mais sofre mesmo são os pobres, os menos favorecidos. Há sérios problemas no Brasil em questões que já deveriam ter sido vencidos, mas tudo é lento nesse país.

    ¬ Responder
  • Frank Oddermayer

    19-06-2013 às 07:28:55

    O pior inimigo do povo brasileiro é a demagogia sem sentido, como é o caso da disseminação nas escolas e faculdades do preconceito ideológico que impede a implantação do Ensino Universitário Público Pago. A maioria dos países desenvolvidos adotou este modelo, muito melhor.

    A gratuidade indiscriminada favorece os que podem pagar, que utilizam boas escolas de base para que seus filhos estudem de graça nas universidades públicas, onde os professores ganham várias vezes mais que os do ensino fundamental e médio.

    Os pobres estudam em escolas de base públicas, em boa parte ruins, e trabalham para pagar o ensino superior em faculdade particular de segunda linha, limitando-os no mercado competitivo.

    Quem pode, que pague e contribua para que outro estude; quem não pode, que receba bolsa reembolsável e pague quando puder. Nos países que adotaram este modelo, as desigualdades sociais diminuiram muito, pelo simples fato de que os recursos para investimentos para a multiplicação das vagas são muito maiores.

    Nos EUA, todo ano formam-se 18 milhões de alunos de curso superior, ante pouco mais de 1,5 milhão de alunos no Brasil. Isso porque temos de contar com as faculdades privadas que geram mais vagas que o Estado. Só que elas se proliferaram às custas de quem sofre muito para pagar. Até a China já adotou o modelo anglo-americano, em 1998.

    Porém, enquanto no Brasil tivermos ensino universitário público com a gratuidade indiscriminada, corporativismo; com baixos salários no ensino de base, sem valorizar o mérito de alunos e professores, seremos eternamente um País do Futuro.

    RESUMO
    1) A gratuidade não tornou mais eqüitativa a educação superior, que se manteve como privilégio das camadas médias e altas da população;
    2) o aporte adicional de recursos para a Universidade com a cobrança de mensalidades permite melhorar a qualidade dos serviços acadêmicos que, de outra forma, custariam pouco ou nada, mas também teriam reduzido valor para seus adquirentes;

    3) o financiamento da instituição por parte do indivíduo criará uma situação de competição entre as Universidades, que repercutirá favoravelmente sobre a qualidade;

    4) o aporte adicional de recursos oriundos de quem pode pagar gera um aporte adicional proporcional de vagas gratuitas para quem não pode arcar com esses encargos;

    5) para os defensores do argumento do mérito, o contra-argumento é que só cabe quando o diploma estiver de posse dos formandos. O que os candidatos precisam é de igualdade de oportunidades;

    6) não é possível financiar os estudos dos pobres com dinheiro dos ricos através dos subsídios de escolas particulares.

    7) Se o ensino superior gratuito absorve quase a metade de todos os recursos públicos da nação que são direcionados para a matéria educacional, favorecendo apenas quem poderia contribuir financeiramente, como esperar bom-senso dos homens públicos da nação que possuem o poder de resolver as gravíssimas questões sociais que nos assola?

    8) Se não há um maior alargamento na quantidade de professores universitários para universalizar e melhorar a qualidade dos ensinos básico e médio, como resolver o grave problema da educação no Brasil e, por tabela, as diferenças regionais?

    ¬ Responder

Comentários - VIDA QUOTIDIANA

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Ex-Machina e a máxima: cuidado ao mexer com os robôs.

Ler próximo texto...

Tema: DVD Filmes
Ex-Machina e a máxima: cuidado ao mexer com os robôs.\"Rua
Este texto irá falar sobre o filme Ex_Machina, nele podem e vão ocorrer Spoillers, então se ainda não viram o filme, vejam e voltem depois para lê-lo.

Impressões iniciais:

Ponto para o filme. Já que pela sinopse baixei a expectativa ao imaginar que era apenas mais um filme de robôs com complexo de Pinóquio, mas evidentemente que é muito mais que isso.

Desde as primeiras cenas é possível perceber que o filme tem algo de especial, pois não vemos uma cena de abertura com nenhuma perseguição, explosão ou ação sem propósito, típica em filmes hollywoodianos.
Mais um ponto, pois no geral o filme prende mais nos diálogos cerebrais do que na história em si, e isso é impressionante para o primeiro filme, como diretor, de Alex Garland (também roteirista do filme). O filme se mostrou eficiente em criar um ambiente de suspense, em um enredo, aparentemente sem vilões ou perigos, que prende o espectador.

Entrando um pouco no enredo, não é difícil imaginar que tem alguma coisa errada com Nathan Bateman (Oscar Isaac), que é o criador do android Ava (Alicia Vikander), pois ele vive isolado, está trabalhando num projeto de Inteligência Artificial secreto e quando o personagem orelha, Caleb Smith (Domhnall Gleeson), é introduzido no seu ambiente, o espectador fica esperando que em algum momento ele (Nathan) se mostrará como vilão. No entanto isso ocorre de uma forma bastante interessante no filme, logo chegaremos nela.

Falando um pouco da estética do filme, ponto para ele de novo, pois evita a grande cidade (comum nos filmes de FC) como foco e se concentra mais na casa de Nathan, que fica nas montanhas cercadas de florestas e bastante isolado. Logo de cara já é possível perceber que a estética foi pensada para ser lembrada, e não apenas um detalhe no filme. A pesar do ambiente ser isolado era preciso demonstras que os personagens estão em um mundo modernizado, por isso o cineasta opta por ousar na arquitetura da casa de Nathan.

A casa é nesses moldes novos onde a construção se mistura com o ambiente envolta. Usando artifícios como espelhos, muitas paredes de vidro, estruturas de madeira e rochas, dando a impressão de camuflagem para a mesma, coisa que os ambientalistas julgam favorável à natureza. Por dentro se pode ver de forma realista como podem ser as smart-house, não tenho certeza se o termo existe, mas cabe nesse exemplo. As paredes internas são cobertas com fibra ótica e trocam de cor, um efeito que além de estético ajuda a criar climas de suspense, pois há momentos onde ocorrem quedas de energia, então fica tudo vermelho e trancado.

O papel de Caleb á ajudar Nathan a testar a IA de AVA, mas com o desenrolar da história Nathan revela que o verdadeiro teste está em saber se Ava é capaz de “usar”, ou “se aproveitar” de Caleb, que se demonstra ser uma pessoa boa.

Caleb é o típico nerd introvertido, programador, sem amigos, sem família e sem namorada. Nathan também representa a evolução do nerd. O nerd nos dias de hoje. Por fora o cara é careca, barbudão com uns traços orientais (traços indianos, pois a Índia também fica no Oriente), bebê bastante e ao mesmo tempo malha e mantém uma dieta saudável pra compensar. E por dentro é um gênio da programação que criou, o google, o BlueBook, que é um sistema de busca muito eficiente.

Destaque para um diálogo sobre o BlueBook, onde Nathan fala para Caleb:
“Sabe, meus concorrentes estavam tão obcecados em sugar e ganhar dinheiro por meio de compras e mídia social. Achavam que ferramenta de pesquisa mapeava O QUE as pessoas pensavam. Mas na verdade eles eram um mapa de COMO as pessoas pensavam”.

Impulso. Resposta. Fluido. Imperfeição. Padronização. Caótico.

A questão filosófica vai além disso esbarrando no conceito de “vontade de potência”, de Nietzche, mas sobre isso não irei falar aqui, pois já há textos muito bons por aí.

Tem outra coisa que o filme me lembrou, que eu não sei se é referência ou se foi ocasional, mas o local onde Ava está presa e a forma como ela fica deitada num divã, e questiona se Caleb a observa por detrás das câmeras, lembra o filme “A pele que habito” de Almodóvar, um outro filme excelente que algum dia falarei por aqui.

Talvez seja uma versão “O endoesqueleto de metal e silicone que habito”, ou “O cérebro positrônico azul que habito”, mesmo assim não podia deixar de citar a cena por que é muito interessante.

Pesquisar mais textos:

Jhon Erik Voese

Título:Ex-Machina e a máxima: cuidado ao mexer com os robôs.

Autor:Jhon Erik Voese(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Suassuna 11-09-2015 às 02:03:47

    Gostei do texto, irei conferir o filme.

    ¬ Responder
  • Jhon Erik VoeseJhon Erik Voese

    15-09-2015 às 15:51:02

    Que bom, obrigado! Espero que goste do filme também!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios