Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Europa medieval e atual

Europa medieval e atual

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 4
Comentários: 4
Europa medieval e atual

A sociedade europeia apresenta hoje algumas diferenças em relação à anterior.
Mas apesar da evolução que conheceu até aos nossos dias, há coisas que mantêm ainda sem grande progresso.

O aspeto mais importante prende-se com o papel da religião na sociedade.

Atualmente na maior parte das sociedades, a religião é apenas seguida por uma parte da população nas suas normas e valores, e dentro do cristianismo existem várias tendências.
Para além deste, existem outras religiões, praticadas por diferentes zonas do mundo, como a ìndia e países islâmicos.

Na idade Média não havia o conceito de pertencer à economia europeia, mas sim de pertencer à cristandade, ou seja, ser cristão e obediente às regras emitidas a partir do Papa d, de Roma.

A cultura sempre foi influenciada pela igreja, pois quase todos os conhecimentos decorriam do imperativo religioso, e, com a firme ideia de que o ser humano e o mundo eram reflexo da vontade de Deus.

Esta é uma época em que havia muito analfabetismo, aliás, esmagador, e só o clero, dominava as técnicas da escrita e da leitura, bem como o conhecimento da Bíblia e de outras obras.

Só ele conhecia a língua latina, na qual todas as obras eram escritas.
O homem era muitto limitado, supersticioso e com fraquíssimos conheciments científicos.Este quadro, limitava muito a visão do homem e a relação do mundo que o rodeava.

Atualmente a forma de riqueza da Europa está baseada na produção industrial, os serviços e tecnologias mais avançadas, e a riqueza avalia-se pelo dinheiro.
Pelo oposto, na Idade Média, a agricultura e pecuária eram a base económica da sociedade.
Os eios de transporte eram rudimentares tal como as técnicas agrícolas e as estradas eram práticamente inexistentes.

Havia ainda o medo, gerado pelos ataques dos piratas, no caso das viagens marítimas ou dos salteadores que se deslocavam por terra.
A maioria das pessoas não saía do local onde nacia, e aí vivia e morria sem se afastar mais do que alguns quilómetros, em relação ao seu local de origem.
Os locais que outros visitava eram os religiosos, como Santiago de Compostela, Jerusalém e a terra Santa.

Atualmente já há autoestradas, automóveis, comboios, barcos e aviões, que permite que as pessoas se desloquem para outros países.

Na Idade Média viviam em grupos sociais e a mobilidade social era muito reduzida.
O único meio para se melhorar de vida era a entrada de jovens humildes para o clero, que permitia melhorar de estatuto.

Hoje a educação dos jovens permite-lhes entrar na escola e universidades, de acordo com as respetivas capacidades.

Deste modo, tudo isto tem a ver com o domínio de uns em relação aos outros, na qual uns nasciam para governar e dominar e outros para obedecer.
Estas regras de domínio e poder eram estabelecidas por eles próprios, e, que supostamente refletiam a vontade divina.

O mais incrível é que nem sequer se podiam escolher os governantes, como hoje.
Hoje a Europa orgulha-se de ser democrática porque os cidadãos os podem escolher, mas, apesar disso, o domínio, poder e submissão continuam, quase como na idade Média. O pior é que ninguém se dá conta, deste fato, que apenas muda de nome, embora continue o medo, o domínio, o poder e a religião adaptada ao mesmo.


Teresa Maria Batista Gil

Título: Europa medieval e atual

Autor: Teresa Maria Gil (todos os textos)

Visitas: 4

786 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 4 )    recentes

  • Luene ZarcoLuene

    31-07-2014 às 05:59:06

    São dois cenários bem diferentes mesmo. A Europa medieval tinha mais crenças, foram os primeiros a conhecerem o evangelho e hoje, ela está tão distante e mais centrada na riqueza e coisas materiais. Um dos problemas disso foi o erro dos pais não repassarem a fé para os filhos, assim, as gerações tiveram consequências muito ruins. Pode-se ver na Europa atual com toda a sua dificuldade e crise.

    ¬ Responder
  • maria eduarda

    21-02-2013 às 06:34:05

    Aqui nao quer falar muito sobre a europa medieval e a europa atual eu nao gostei muito nao mais vale qualquer coisa para ganhar uma nota

    ¬ Responder
  • pedro

    17-02-2013 às 20:21:14

    amei ponha outros

    ¬ Responder
  • pedro

    17-02-2013 às 20:20:27

    booossstaaa

    ¬ Responder

Comentários - Europa medieval e atual

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios