Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > O 'stress' do professor do século XXI

O 'stress' do professor do século XXI

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
O

É cada vez mais uma realidade que nos entra pelos olhos diariamente. Os filhos estão a assumir um protagonismo que os pais, deliberada e descuidadamente lhes dão. Este comportamento culpa os pais por negligência e, automaticamente, vitima-os. A falta de acompanhamento, de orientação e de educação, estão, gradualmente, a virar os rumos de uma sociedade cada vez mais anti-família, egoísta e sem valores. Não é possível que os pais se demitam do seu dever. É mau demais ceder a chantagens emocionais, a caprichos, a vontades e a “birras”, deixando as crianças e adolescentes sem uma orientação capaz e sem uma educação que lhes mostre os seus direitos, deveres e limites. Onde está o respeito, onde estão as boas maneiras, onde está o olhar atento e orientador?

Os casos de insubordinação doméstica acumulam-se. A desobediência, a falta de respeito, o facilitismo e a má educação atingem padrões assustadores. O problema já não é apenas um receio, é real: em casa, na rua, na escola… E já se reflete em comportamentos gravosos de que somos testemunhas todos os dias. Perante o problema criado, os pais não sabem o que fazer, atribuindo a culpa a tudo o que lhes é alheio.

A orientação, a educação e a disciplina são conceitos basilares para a formação de um jovem que precisa conhecer-se como ser social. A ausência desta estrutura faz com que eles cresçam sem saber qual o seu papel. A solução não estará, com toda a certeza, na castração dos poderes dos educadores, tanto dos pais como dos demais agentes. Os pais devem estar na linha da frente e exigir para os seus filhos a melhor educação e formação. Mas, por outro lado, não podem esquecer que a base começa em casa. É lá que está o primeiro exemplo. Assim, a contribuição cívica realiza-se, observando o passado e assumindo o presente com olhar atento para a preparação do melhor futuro.

E esta realidade faz com que seja por demais ingrata a profissão do professor. Ainda que seja difícil definir com rigor o termo stress, facilmente neste contexto encontramos uma possível definição. Se não, repare-se O professor atual é educador, orientador, disciplinador, amigo e companheiro, cujo contributo para o desenvolvimento do aluno acompanha o papel de pai, mãe e família, de modo a melhor zelar pela segurança física e psicológica. Isto sem referir que a exigência suplanta este aspeto, pois tem de estar atualizado face às mudanças sociais que condicionam as suas estratégias no dia a dia na escola. Não é por acaso que sejam estes profissionais aqueles que mais recorrem a ajuda psiquiátrica e/ou psicológica. Provavelmente o leitor já conseguiu definir o termo stress apenas com estas linhas descritivas.

De uma forma quase unânime, o público docente considera a sua profissão stressante. As razões surgem em catadupa, a começar pela própria desvalorização da classe docente, o baixo valor salarial, a falta de comunicação com os pais (que cada vez mais desautorizam o docente), as más condições de trabalho, o número elevado de alunos por turma e a falta de interesse e de educação que estes revelam no interior da sala de aula.

Assim, sendo, o que motivará um docente a continuar a sua demanda? O seu espírito de missão? Será fácil responder, sendo um profissional do ramo educacional, ainda que pareça um paradoxo tendo em conta o que foi dito nas linhas anteriores. O gosto pela profissão, o entusiasmo face à realidade e a vontade de partilhar e conviver com o conhecimento, o gosto pela formação do ser e pela disciplina que se leciona, são motivos que ajudam a combater psicologicamente o stress contagiante, que tantas vezes põe em causa a vida familiar e a saúde do profissional.

É ainda possível estabelecer outros pontos de equilíbrio que ajudam a impedir e/ou aliviar o stress: a boa relação com os alunos, ou seja, um sucesso efetivo do processo ensino/aprendizagem e a adoção de uma atitude e estratégias em situações difíceis: serenidade, paciência, valorização do erro e correção pela pedagogia e o diálogo com os alunos, atentando às suas dúvidas, carências e comportamentos desviantes.

Em jeito de conclusão e de desafio para outras reflexões, é de salientar que a própria experiência de saber lidar com o stress pode ser explicada e sujeita à ponderação pelos próprios alunos, colocando o problema do professor ‘em cima da mesa’ para que seja o próprio aluno a tentar ajudar a resolvê-lo.


Ruben Duarte

Título: O 'stress' do professor do século XXI

Autor: Ruben Duarte (todos os textos)

Visitas: 0

612 

Comentários - O 'stress' do professor do século XXI

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios