Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > O Deus das Moscas

O Deus das Moscas

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Literatura
Visitas: 12
O Deus das Moscas

Em 1954 William Golding escreveu o que mais tarde se tornaria um clássico. O Deus/Senhor das Moscas é a tradução direta do hebraico de Belzebu, mas obviamente o demônio que o livro trás não e o cristão.

Filho de um professor e uma sufragista, Golding nasceu no Reino Unido em 1911, formou-se em Ciências Naturais e serviu à Marinha. Esta forma de contato com o mundo construiu a sue modo peculiar de ver o mundo, explicitando a crueldade e o primitivismo da humanidade e das engrenagens que movimentam a sociedade. Graduou-se também em literatura inglesa e se tornou novelista, poeta e escritor. Mais tarde recebeu várias honrarias por suas obras, entre elas o Prêmio Nobel da Literatura(1983) e o título de cavaleiro do Império Britânico(1993).

Na obra de nome original Lord Of The Flies, Golding apresenta ao leitor um avião que transportava crianças britânicas. Este avião acaba caindo em uma ilha deserta, e dentre os sobreviventes há apenas crianças. A proposta, logo, é a seguinte: como estas crianças irão se organizar para sobreviver? Qual é a verdadeira essência do ser humano? O que acontece quando não há limites e regras?

Estes pontos de vista são desenvolvidos no estilo William Golding. Rebatendo a teoria do bom selvagem de Jean Jacques Rousseau, conforme as crianças vão perdendo seu senso de civilidade, cresce a selvageria e a desordem, reinando a crueldade e o prazer instintivo egoísta.

Em um lado há Ralph, o líder escolhido pelo grupo. Preza pela democracia e tenta dominar seus instintos. Em outro, há o Jack, que se entrega rapidamente à sua nova condição, corroendo toda a moral e educação previamente estabelecida. Como voz da razão e consciência há Porquinho, garoto de porte físico exuberante e portador de óculos que podem fazer fogo, o elo entre a vida na selva e sociedade.

As demais crianças são o instrumento que mostra como a nossa natureza é facilmente corrompida. Ao longo da trama, os elementos metafóricos aparecem na forma de ferramentas ou rituais, deixando claro que a falta de limites desencadeia a ascensão do que há de pior no ser humano.

Traduzido para 35 línguas, O Deus das Moscas é um clássico universal por tratar de uma ferida social ainda aberta. O homem é um animal. Um animal cruel, que ousa ser seu próprio inimigo.


Wallace Randal

Título: O Deus das Moscas

Autor: Wallace Randal (todos os textos)

Visitas: 12

631 

Comentários - O Deus das Moscas

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios