Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Mobiliário > Aparador anos 60

Aparador anos 60

Categoria: Mobiliário
Visitas: 36
Aparador anos 60

A escolha do mobiliário para a casa tem muito a ver com o gosto pessoal de cada um bem como o espaço que dispõe e condição económica. Deste modo a decoração da casa reflecte também a natureza da pessoa que aí habita. É normal transmitirem-se para a casa aquilo que se gosta desde as cores, tecidos, mobílias, livros etc.

Existe ao alcance de todos uma variedade de estilos desde o clássico ao mais moderno. Há quem goste de usar vários estilos dentro da mesma casa ou opte só por um. Há pessoas que gostam de seguir as modas actuais na decoração pondo a casa num estilo moderno desde a cozinha à sala. Outros porém optam pelo estilo clássico, mais subtil nas cores embora mais trabalhado.

Existem móveis clássicos para toda a casa desde que se queira ter toda no mesmo estilo. As mobílias dos anos sessenta são muito conhecidas e ficam sempre bem numa divisão, seja sala ou quarto. Pode escolher-se entre uma linha mais direita ou outra mais extravagante. Normalmente usa-se o mogno e a madeira para fabricar os móveis.

As cores utilizadas são dentro do castanho claro ou escuro enquanto as mobílias modernas usam mais cores claras como o branco, beije, vermelho e outras. Estas cores fortes ficam bem na cozinha e na sala mas convêm que sejam combinadas com os adornos e objectos de decoração. Os contrastes são bem aplicados neste tipo de mobiliário.

No clássico deve escolher-se uns tons mais neutros e claros para acentuar o classicismo deste tipo de mobiliário. São muito conhecidos os célebres aparadores dos anos sessenta que podem colocar-se por exemplo numa sala e têm uma boa funcionalidade. Como normalmente são muito espelhados dá para colocar uma jarra com flores ou objectos decorativos para completar o seu embelezamento. Dá para colocar louças especiais e peças de roupa nas gavetas que normalmente têm. Assim estão sempre á mão para usar numa refeição. Estes aparadores além de ficarem bonitos numa sala são muito práticos e quase indispensáveis.

Já nos tempos mais antigos se usavam como uma peça sempre funcional e bonita para usar em qualquer habitação seja rica ou pobre. Não é raro os aparadores passarem de pais para filhos como uma peça de estimação. Convêm estimá-la com carinho e preservá-la para durar mais tempo. Quem sabe não chegue também para os netos que sem dúvida o admirarão.


Teresa Maria Batista Gil

Título: Aparador anos 60

Autor: Teresa Maria Gil (todos os textos)

Visitas: 36

796 

Imagem por: elvissa

Comentários - Aparador anos 60

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Imagem por: elvissa

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios