Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Como Foi O Barroco Em Portugal?

Como Foi O Barroco Em Portugal?

Categoria: Literatura
Visitas: 2
Como Foi O Barroco Em Portugal?

Em termos didáticos, o Barroco português vai de 1580 a 1756. O ano de 1580 é significativo em dois aspectos: assinala a morte de Camões, o maior nome do Classicismo português, e marca o fim da autonomia política de Portugal, pois, com a morte de D. Sebastião, em 1578, o rei Filipe II, da Espanha, ganha o direito de subir ao trono português.

Portugal passa a fazer parte do reino espanhol. Com a transferência do centro político para Madrid, Portugal perde também seu foco cultural. Em todo o século XVII, a influência espanhola será marcante na cultura portuguesa.

Em 1640, Portugal consegue libertar-se do domínio espanhol, e D. João IV, da dinastia de Bragança, é coroado rei. Porém, até 1668 o reino português ainda teria de sustentar muitas lutas, não só contra os espanhóis, para defender seu território, como também contra os holandeses, para recuperar as colônias da África Ocidental e parte do Brasil.

A fundação da Arcádia Lusitana, em 1756, marca simbolicamente o fim do Barroco e o início do Arcadismo. Nessa altura, Portugal já vivia as transformações sociais e culturais provocadas pela ação vigorosa do marquês de Pombal, ministro do rei D. José I, que subiu ao poder em 1750.

O padre Antônio Vieira é o principal autor do Barroco em Portugal. Como ele passou a maior parte de sua vida no Brasil, ele é considerado também um grande precursor do Barroco no Brasil.

Ele escreveu muitos sermões, dentre os quais se destacam: Sermão da Sexagésima, em que discorre sobre a arte de pregar; Sermão de Santo Antônio aos peixes, em que trata da escravidão do indígena; Sermão do mandato, em que fala do amor místico de Cristo; Sermão pelo bom sucesso das armas de Portugal contra as de Holanda, que proferiu por ocasião do cerco dos holandeses à cidade da Bahia.

Ainda há poesias religiosas?

Embora a época do Barroco tenha passado, a produção de poesias religiosas não parou. Mesmo poetas contemporâneos têm escrito sobre os dilemas do ser humano quanto à existência ou não de Deus, quanto ao destino do homem depois da morte etc.

Mudou o modo de ver a questão, mas o problema em si não foi resolvido e ainda angustia muitos poetas.


Adriana Santos

Título: Como Foi O Barroco Em Portugal?

Autor: Adriana Santos (todos os textos)

Visitas: 2

0 

Comentários - Como Foi O Barroco Em Portugal?

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A arte de trabalhar a madeira

Ler próximo texto...

Tema: Serviços Construção
A arte de trabalhar a madeira\"Rua
A carpintaria constitui, digamos assim, a arte de trabalhar a madeira. É claro que, de acordo com o produto final, se percebe bem que uns carpinteiros são mais artistas do que outros…

Às vezes nem se trata tanto dos pormenores, mas mesmo de desvirtuar o que era a ideia inicial e constava da encomenda. Mal comparado, quase se assemelha à situação daquela aspirante a costureira que pretendia fazer uma camisola para o marido e, no fim, saíram umas calças!

Na construção civil, a madeira é utilizada para diversos fins, temporários ou definitivos. Na forma vitalícia (esperam os clientes!) incluem-se estruturas de cobertura, esquadrias (portas e janelas), forros, pisos e edifícios pré-fabricados.

Quase todos os tipos de madeira podem ser empregues na fabricação de móveis, mas alguns são preferidos pela sua beleza, durabilidade e utilidade. É conveniente conhecer as características básicas de todas as madeiras, como a solidez, a textura e a côr.

Ser capaz de identificar o género de madeira usado na mobília lá de casa pode ajudar a determinar o seu real valor. Imagine-se a possibilidade de uma cómoda velha, que estava prestes a engrossar o entulho para a recolha de lixo, ter sido feita com o que hoje se considera uma madeira rara.

É praticamente equivalente a um bilhete premiado do Euromilhões, dado que se possui uma autêntica relíquia! Nestes casos, a carpintaria entra na área do restauro e da recuperação. Afinal, nem tudo o que é velho se deita fora…

Por outro lado, as madeiras com textura mais fraca são frequentemente manchadas para ganhar personalidade. Aqui há que remover completamente o acabamento para se confirmar a verdadeira natureza da madeira.

É assim também com muita gente: tirando a capa, mostram-se autenticamente. Mas destes, nem um artificie com “bicho-carpinteiro” consegue fazer nada…!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:A arte de trabalhar a madeira

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    23-09-2014 às 13:23:35

    Uma excelente técnica que penso ser muito bonito e sofisticado. A arte de trabalhar madeira está sempre em desenvolvimento e crescimento.

    ¬ Responder
  • Rua DireitaRua Direita

    01-06-2014 às 05:18:46

    É ótimo o trabalho com a madeira. Pode-se perceber grandes obras que se faz com ela. Realmente, é uma verdadeira arte!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios