Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > A Casa Quieta

A Casa Quieta

Categoria: Literatura
Visitas: 8
A Casa Quieta

«A Casa Quieta», um romance impressionante e intenso de Rodrigo Guedes de Carvalho, jornalista e escritor, editado pelas publicações Dom Quixote em 2005, narra uma história de silêncio e de solidão. Leva-nos, pelo desenrolar, nem sempre lógico ou linear, do enredo a reflectir acerca da importância das nossas relações e da real valia dos outros na nossa vida.

Marina e Salvador são os protagonistas deste conto. Casados, experimentaram a rotina, a traição, o vazio de uma casa sem filhos, uma solidão volta e meia partilhada e no fim, a morte dela. Apesar dos pecados que Salvador cometera, com os quais a quietude do remorso o martirizará incessantemente, ele adora a mulher, mas apenas tomará consciência da dimensão desse amor e da grandeza da sua companheira de existência na ocasião em que toma conhecimento que irá perdê-la. Como é que se imagina o futuro sem a pessoa amada? De que forma se vê o nosso “mais que tudo”, peça fundamental do nosso viver, morrer ao nosso lado? Como permitir essa partida? O que acontece quando a casa fica “quieta”?

O silêncio, a solidão e a infidelidade constituem os ingredientes principais de uma destinação que, afinal, já marcava tanto a família de Salvador quanto a de Mariana. Efectivamente, a História encarregou-se de os brindar com um déjà vu de inevitabilidades circunstanciais, motivadoras de ausência, de afastamento e mesmo de loucura.

Outros temas emergentes neste livro são a família, a confiança, o perdão, o cancro e a própria morte. O itinerário temporal de «A Casa Quieta» é algo sui generis: parte-se do presente para saltitar pelo passado, voltando posteriormente à actualidade. Não se trata de um romance propriamente fácil de ler, até porque em diversas passagens é necessário que o leitor, para se conseguir situar, “calce os sapatos” do autor, que é como quem diz, faça um esforço para se entrosar no encadeamento do seu pensamento, uma vez que esta é uma obra de índole eminentemente intelectual.

«A Casa Quieta» é uma produção literária que evoca a dificuldade de se apaziguar a perda, que a memória torna constante. Uma casa que permaneceu quieta ao longo de toda a trama, guarda agora a lembrança dos dias a dois. Afinal, as recordações nem sempre aportam conforto, sossego e calma…

Este livro de Rodrigo Guedes de Carvalho prima por consubstanciar um tipo de escrita muito exigente, não só pela invocação de situações e sentimentos aflitivos, como pela consumição que provoca na mente de quem o lê. Não perde, com isto, a qualidade de altamente entusiasmante e arrebatador.


Maria Bijóias

Título: A Casa Quieta

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 8

649 

Imagem por: RedGlow82

Comentários - A Casa Quieta

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Superstições Náuticas

Ler próximo texto...

Tema: Barcos
Superstições Náuticas\"Rua
Todos temos as nossas manias e superstições. Não que se trate de comportamentos compulsivos, mas a realidade é que mesmo para quem diz que não liga nenhuma a estas coisas, as superstições acompanham-nos.

Passar por baixo de uma escada, deixar a tesoura, uma porta de um armário ou uma gaveta aberta ou até deixar os sapatos em posição oposta ao correcto, são das superstições mais comuns. As Sextas-feiras 13 também criam alguma confusão a muita gente, mas muitos são os que já festejam e brincam com a data.

Somos assim mesmo, supersticiosos, uns mais do que outros, mas é uma essência que carregamos, mesmo que de forma inconsciente.

Existem no entanto profissões que carregam mitos mais assustadores do que outros, e por exemplos muitos actores não entram em palco sem mandar um “miminho” uns aos outros.

Caso de superstição de marinheiro é dos mais sérios e se julga que se trata só de casos vistos em filmes de piratas, desengane-se. Os marinheiros dos dias de hoje carregam superstições tão carregadas de emoção quanto os de outros tempos.

Umas mais caricatas do que outras, as superstições contam histórias e truques. Por exemplo, contra tempestades, muitos marinheiros colam uma moeda no mastro dos navios.

Tal como fazem os actores, desejar boa sorte a um marinheiro antes de embarcar, também não é boa ideia. Os miminhos dados antes de entrar em palco também servem para o efeito.

Dar um novo nome a um barco é uma péssima ideia para um marinheiro. Dizem que muitos há que não navegam em barcos rebaptizados.

Lembra-se que os piratas de outros tempos utilizavam brincos? Pois isto faz parte de uma superstição. Dizem que os brincos evitam que se afoguem.

Entrar com um pé direito na embarcação é sinal de bons ventos. Tal como acontece com muitos de nós, os marinheiros também não gostam de entrar de pé esquerdo.

Já desde remotos tempos se dia que assobiar traz tempestades. Ora aqui está um mote dos marinheiros, pelo que se assobiar numa embarcação, arrisca-se a ter chatices com o marinheiro.

Verdades ou mentiras, as superstições existem e se manter os seus próprios mitos acalma um marinheiro, então que assim seja. Venham as superstições náuticas que cá estamos para as ouvir.

Já agora uma curiosidade ainda maior. Dizem que se tocar a gola de um marinheiro passará a ter sorte. Será verdade ou foi um marinheiro que inventou?

Pesquisar mais textos:

Carla Horta

Título:Superstições Náuticas

Autor:Carla Horta(todos os textos)

Imagem por: RedGlow82

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    17-06-2014 às 06:39:27

    Não acredito em superstições de forma alguma.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios