Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Poemas do Kaká Machadinho

Poemas do Kaká Machadinho

Categoria: Literatura
Visitas: 2
Comentários: 2
Poemas do Kaká Machadinho

Escuridão

Escuridão que invade
meu coração,
meu recinto de paixões,
meu canto de delírio e
pensamentos calorosos
de um amor sem fim
[...]
De uma paixão eterna
e do tamanho da imensidão
do céu,
que às vezes é o amanhecer
das flores do meu jardim que
com seu amor é zelado,
cuidado e
preservado por uma paixão
calorosa que ao invés de
se deixar envenenar,
se deixar ser sugado pela
força maior de uma ilusão
que várias vezes me invade
e me escraviza.

172) O Deslumbrante

O deslumbrante olhar do
seu tão belo coração,
a singela face de seu
rosto que era como a
de uma boneca de tão
perfeita que transparecia
ser no espelho de minha
tão humilde e
carente alma
[...]
O seu coração tão belo
me contemplava pela
beleza que pelos meus olhos
era visíveis,
a sua alma que de tão pura,
inocente e
carismática que demonstrava
ser
[...]
Isso, a cada vez que meu coração
ficava frente a frente,
era hipnotizado,
até que
[...]
a flor que transparecia ser
se revelou,
tirando de mim o sorriso
de meu coração,
o sol que transparecia em
minha alma tão solene
se esquivou sobre as nuvens
que eu apaixonado e
hipnotizado,
fantasiava.

173) A Flor

A flor que amanhece
em meu tão solene coração,
com meus tão solene
sentimentos e
emoções,
que ao ser prosperada
com o amanhã de
um sol radiante,
o radiante sol que é
o amanhecer do sol,
de um céu sem nuvens,
trevas e
escuridão
[...]
A flor de tão perfeita
se deixa acordar e
abrir com o amanhã de
um sol irradiante.

174) O Amanhã

O amanhã que virá,
que acontecerá após
essa noite horripilante,
horrível e
ainda mais,
sem meu anjo e
sem a razão do meu viver
[...]
O amanhã que virá com
o nascer do sol,
com o som do galo,
com o som das buzinas
de carros,
caminhões e
ônibus
[...]
Com o nascer do sol
quero poder te amar
mais como a si mesmo,
quero poder sentir a
pureza de seu coração
ao completar o meu que de
tão despedaçado está,
envenenado por uma ilusão
que corrói e
lhe destrói.

175) Destrói-Me

Destrói-me o teu rancor,
o teu olhar de amargura,
o teu sorriso que eras para
ser tão belo,
singelo quanto tua alma e
o teu olhar de inveja
[...]
Destrói a tua face
com semblante de ódio,
destrói-me por inteiro saber
que seu amor eras apenas
uma fumaça de uma ilusão
que impregna em minha
alma que doente fica com
a tua falsa paixão foi proliferada e
um amor que não foi nada mais
que uma fantasia.

176) Nas Páginas

Nas páginas da vida
escrevo nos mínimos
detalhes o sentimento
que sentíamos um pelo
outro,
uma página em que descrevo
amor que reside em meu coração
que pela metade está desde o
dia em que um meteoro invadiu
meu coração que envenenado
por uma ilusão que me faz
envelhecer e
que faz as cores do arco-íris
de um céu que limpo estava ficar
em preto-branco.
Nas páginas da vida
eu te concedo um espaço
para que com sua tão esplêndida
emoção que explodia em seu coração
fazendo o jardim que me embelezava
ser manchado por uma triste
história de uma falsa e
fantasiosa paixão,
que na verdade é uma ilusão
[...]
Nas páginas da vida te descrevo
e quero lhe conceder um espaço
desta mesma página,
para que você me reconstrua
e me refaça.

177) Não Vá

Não me deixes aqui sozinho
nesse martírio de escuridão
que assombra minha tão
inocente alma que
necessita de um amor
que só você pode dar,
de um calor que só com
você consigo ter,
de um fogo que só você
sabe fazer pegar,
de um incêndio que só
você apaga por ser minha
grande e
bela heroína
[...]
O nosso amor faz gerar apenas
a fumaça de um fogo que arde
sem se ver por conta de uma
paixão que sem fim resistirá
há todas as infinitas pressões
feitas pela fúria de uma ilusão e
que desacata a minha autoridade.

178) A Verdade

A verdade que está
escrito em seu olhar,
e não aquele em que você
tenta expressar para
esconder o que realmente
sente,
o que realmente fala mais
alto aí dentro de seu coração
que antes de tudo isso era
tão puro e
inocente,
com o ímpeto de tirar de
sua tão bela alma e coração
a minha admiração
[...]
O nosso amor era ar que
respiro todo minuto e
segundos da hora em que
tenho de vida em apenas um dia,
meu coração é uma bomba relógio
que sem a metade que falta dispara
o relógio e pela contagem
regressiva do relógio conto os
minutos,
os segundos,
as horas e
os dias sem você em meu coração
tão doente pela falta do resquício
de fogo causado pela nossa louca,
mas nobre paixão que consome a
minha alma por inteiro.

179) Para Ela

Para ela concedo
minha alma,
meu coração,
o fogo da minha paixão,
a fumaça de um amor
incondicional sem se
deixar levar por uma
ilusão que por dentro
corrói-me
[...]
Para ela concedo as estrelas
do meu céu,
concedo o prazer de estender
à sua visita um tapete
vermelho em nosso reino,
em um castelo em que nada
de mal ou falso
estrague o castelo que com
o fogo do nosso amor construímos
[...]
Para ela deixo as
estrelas do meu céu azul
entre nuvens brancas
com meu céu meio rosadas,
tão bela quanto o pôr do sol que
com teu semblante
de Princesa,
com cara de boneca e
por isso que para ela
conservo minha solene
alma e de meu tão pobre coração.

180) A Porta

A porta de minha casa
eu abro para que a rainha
mais bela possa entrar,
a porta de meu quarto
eu abro para a sua
entrada,
a porta de meu coração
para você eu abro,
de minha alma eu abro para
que você purifique minha
solene e tão
caridosa paixão que tão
me consome,
que tão me abomina,
que tão me irradia a beleza
de sua alma que é meu
tesouro que tanto tempo
estava perdido no além
de uma escuridão profunda
[...]
Essa purificação,
esse encontro entre duas almas
e dois coração que tanto se completam
[...]
A porta de meu céu,
de nosso castelo construindo
com o fogo de um amor
que tão ardente me consome,
que tão ardente me queima em
um fogo que arde mas não se vê
apenas se sente.

181) Vai Passar

Vai passar sua dor
de amor com
aproximação de meu calor
de um fogo que me
incendeia,
que me sufoca com
a fumaça de uma ilusão
fantasiada até mesmo
pelo meu tão carente
coração,
que fraco deixou-se
inalar uma fumaça
poderia levar há uma
precoce morte de minha alma.

Kaká Machadinho é o meu pseudônimo.


Kaique Barros

Título: Poemas do Kaká Machadinho

Autor: Kaique Barros (todos os textos)

Visitas: 2

604 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • Kaique BarrosKaique Barros

    06-03-2016 às 22:04:21

    Que bom! Obrigado por apreciar a minha vida resumida em poucas palavras em versos.

    ¬ Responder
  • Adriana SantosAdriana dos Santos da Silva

    08-05-2014 às 05:57:35

    Parabéns por todos os poemas, adorei!

    ¬ Responder

Comentários - Poemas do Kaká Machadinho

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A história da fotografia

Ler próximo texto...

Tema: Fotografia
A história da fotografia\"Rua
A história e princípios básicos da fotografia e da câmara fotográfica remontam à Grécia Antiga, quando Aristóteles verificou que os raios de luz solar e com o uso de substâncias químicas, ao atravessarem um pequeno orifício, projetavam na parede de um quarto escuro a imagem do exterior. Este método recebeu o nome de câmara escura.

A primeira fotografia reconhecida foi uma imagem produzida em 1826 por Niepce. Esta fotografia foi feita com uma câmara e assente numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo, tendo estado exposta à luz solar por oito horas, esta encontra-se ainda hoje preservada.

Niepce e Louis –Jacques Mandé Daguerre inciaram em 1829 as suas pesquisas, sendo que dez anos depois foi oficializado o processo fotográfico o nome de daguerreótipo. Este processo consistia na utilização de duas placas, uma dourada e outra prateada, que uma vez expostas a vapores de iodo, formando uma pelicula de iodeto de prata sobre a mesma, ai era a luz que entrava na camara escura e o calor gerado pela luz que gravava a imagem/fotografia na placa, sendo usado vapor de mercúrio para fazer a revelação da imagem. Foi graças á investigação realizada por Friedrich Voigtlander e John F. Goddard em 1840, que os tempos de exposição e revelação foram encurtados.




Podemos dizer que o grande passo (não descurando muitas outras mentes brilhantes) foi dado por Richard Leach Maddox, que em 1871 fabricou as primeiras placas secas com gelatina, substituindo o colódio. Três anos depois, as emulsões começaram a ser lavadas com água corrente para eliminar resíduos.

A fotografia digital


Com o boom das novas tecnologias e com a capacidade de converter quase tudo que era analógico em digital, sendo a fotografia uma dessas mesmas áreas, podemos ver no início dos anos 90, um rápido crescimento de um novo mercado, a fotografia digital. Esta é o ideal para as mais diversas áreas do nosso dia a dia, seja a nível profissional ou pessoal.

As máquinas tornaram-se mais pequenas, mais leves e mais práticas, ideais para quem não teve formação na área e que não tem tempo para realizar a revelação de um rolo fotográfico, sem necessidade de impressão. Os melhores momentos da nossa vida podem agora ser partilhados rapidamente com os nossos amigos e familiares rapidamente usando a internet e sites sociais como o Facebook e o Twitter .

A primeira câmara digital começou a ser comercializada em 1990, pela Kodak. Num instante dominou o mercado e hoje tornou-se produto de consumo, substituindo quase por completo as tradicionais máquinas fotográficas.

Sendo que presentemente com o aparecimento do FullHD, já consegue comprar uma máquina com sensores digitais que lhe permitem, além de fazer fotografia, fazer vídeo em Alta-Definição, criando assim não só fotografias quase que perfeitas em quase todas as condições de luz bem como vídeo com uma qualidade até agora impossível no mercado do vídeo amador.

Tirar fotografias já é acessível a todos e como já não existe o limite que era imposto pelos rolos, “dispara-se” por tudo e por nada. Ter uma máquina fotográfica não é mais um luxo, até já existem máquinas disponíveis para as crianças. Muitas vezes uma fotografia vale mais que mil palavras e afinal marca um momento para mais tarde recordar.

Pesquisar mais textos:

Bruno Jorge

Título:A história da fotografia

Autor:Bruno Jorge(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    05-05-2014 às 03:48:18

    Como é bom viver o hoje e saber da história da fotografia. Isso nos dá a ideia de como tudo evoluiu e como o mundo está melhor a cada dia produzindo fotos mais bonitas e com qualidade!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios