Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > O Livreiro de Cabul

O Livreiro de Cabul

Categoria: Literatura
O Livreiro de Cabul

«O Livreiro de Cabul» narra a história de uma jornalista norueguesa, Asne Seierstad, correspondente de guerra no Afeganistão, responsável pela cobertura da ofensiva da Aliança do Norte contra os talibã. Precisamente em Cabul, esta profissional da informação conhece Sultan Khan, cujo verdadeiro nome é Shan Mahammad Rais, o mais notável livreiro do seu país, contando então com 30 anos no ramo da literatura. Seierstad viveu durante três meses em casa de Sultan Khan, onde pôde testemunhar de muito perto as condições em que vivem as famílias e mormente as mulheres afegãs.

Este livro, lançado em 2006, consubstancia o relato dessa convivência com o livreiro, a actual esposa (já que exilou a primeira no Afeganistão para desposar uma moça de 16 anos), cinco filhos e outros parentes, acomodados em apenas quatro divisões e partilhando pequenos prazeres, segredos, amores proibidos e desilusões colossais. Era obrigada a andar de burca e, se por um lado sentia a cabeça apertada e dificuldade em ver através da rede bordada, por outro tirou proveito do anonimato que a indumentária conferia, sendo-lhe possível deslocar-se em autocarros, mercados e outros espaços públicos de forma incógnita e assim entrosar-se no dia-a-dia do povo afegão, sentindo na pele o que significa ser mulher naquele mundo.

Khan havia sido interrogado e preso, mas resiste aos comunistas e aos talibã e tenta reconstruir a livraria derrubada por estes últimos, o que numa nação onde mais de metade da população é analfabeta pode considerar-se um contributo cultural ao país. Este homem aparentemente liberal é, no fundo, a imagem fiel do fundamentalista, tirano em casa, que age em nome de tradições que até os governantes já deixaram de impor. O objectivo da jornalista era mostrar uma faceta distinta da dos soldados, comandantes e vítimas directas da guerra, cujos depoimentos já tinha recolhido.

Ainda que não dominando o dialecto persa da família, alguns membros falavam inglês, o que permitiu a Asne Seierstad reunir relatos de infância, casamentos e reminiscências da guerra. Ainda assim, jamais ousou opinar em conflitos que presenciou, nem mesmo ao assistir à obrigatoriedade de o filho adolescente de Khan trabalhar 12 horas por dia, sendo-lhe vedado o acesso aos estudos.

A jornalista norueguesa, para além de dar conhecimento de um determinado número de situações através do seu livro, decidiu doar 200 mil dólares angariados com a respectiva venda para ajudar os afegãos, mediante a construção de uma escola para 600 meninas nos arredores de Cabul. O seu anfitrião daqueles três meses ainda ameaçou processá-la, mas depois resolveu optar por um contrato com um editor da Noruega que versava um livro com o título «Eu sou o Livreiro de Cabul». Humildade acima de tudo…


Maria Bijóias

Título: O Livreiro de Cabul

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

640 

Imagem por: AfghanistanMatters

Comentários - O Livreiro de Cabul

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Como fazer disfarces de Carnaval

Ler próximo texto...

Tema: Vestuário
Como fazer disfarces de Carnaval\"Rua
O ano começa e depressa chega uma data muito ansiada principalmente pelos mais jovens: o desejado Carnaval!

Esta é uma data que os pequenos adoram e deliram com as fantasias. O problema maior é a despesa que os disfarces representam e no ano seguinte já não usarão o mesmo disfarce ou, no caso dos mais pequenos, já não lhes serve.
O melhor nesta data é mesmo reciclar e aprender a fazer disfarces caseiros utilizando truques mais económicos e materiais reciclados para preparar as fantasias dos pequenitos!

Uma sugestão para os meninos é o traje de pirata que pode facilmente ser criado a partir de peças que tenha em casa. Procure uma camisa de tamanho grande e, de preferência, de cor branca com folhos. Se não tiver uma camisa com estas características facilmente encontrará um modelo destes no guarda-vestidos de alguma familiar, talvez da avó.

Precisará de um colete preto. Na falta do colete pode utilizar um casaco preto que esteja curto, rasgue as mangas pelas costuras dos ombros. As calças devem ser velhas e pretas para poderem ser cortadas na zona das pernas para envelhecer a peça. Coloque um lenço preto ou vermelho na cabeça do menino e, de seguida, com um elástico preto e um pouco de velcro tape um dos olhos.

Para as meninas não faltam ideias originais para fazer disfarces bonitos e especiais para este dia. Uma ideia original é a fantasia de Flinstone. É muito fácil e prática de fazer e fica um disfarce muito bonito. Comece por arranjar um pedaço de tecido branco. Coloque o tecido em volta do corpo como uma toalha de banho e depois amarre num dos braços fazendo uma alça. Depois corte as pontas em ziguezague mantendo um lado mais comprido que o outro. Amarre o cabelo da menina todo no cimo da cabeça, como se estivesse a fazer um rabo-de-cavalo mas alteie-o mais. Com o auxílio de um pente frise o cabelo, pegando nas pontas e passando o pente em sentido contrário até que fique todo despenteado. Numa loja de disfarces compre um osso de plástico e prenda na fita da criança.

Pegue nos materiais, puxe pela imaginação e ponha mãos ao trabalho!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Como fazer disfarces de Carnaval

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Imagem por: AfghanistanMatters

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    09-06-2014 às 04:01:21

    Não em carnaval, mas em bailes de fantasia, sempre usei o TNT. Eles são ótimos para trabalhar o corte, para costurar e deixa bem bonito!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios