Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Antiguidades > As Galerias Romanas da Rua da Prata

As Galerias Romanas da Rua da Prata

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Antiguidades
Visitas: 4
Comentários: 12
As Galerias Romanas da Rua da Prata

-Conheces as galerias Romanas da Rua da Prata? Aquelas que só são visitáveis numa altura do ano? Vão estar abertas este fim de semana e quero ver se as visito.- Tinha dito o Toupeira.
-Sim conheço. Mas não gosto muito de estar debaixo do chão. Tenho fobia!
-Então, tu não andas de Metropolitano?
-Ando.- Respondi.-Mas não gosto. Só ando de Metro por necessidade. E tu não tens medo?
-Deves saber que a alcunha dos Arqueólogos é: "Toupeiras", por isso andar debaixo do chão não é estranho para mim.- Disse-me o Toupeira sorrindo.

O Toupeira é um Arqueólogo, meu conhecido, que adora escavações. Por isso é que lhe chamam assim. Adora estar encafuado nos buracos desde que encontre por lá alguma preciosidade antiga. Antiguidades é com ele. Por isso fez-me o convite acima. A mim dá-me arrepios ver essas coisas de outros tempos, em buracos tão fundos.Eu também gosto de antiguidades, mas dispenso ter de as ver debaixo do chão.




As Galerias Romanas foram descobertas durante a reconstrução da Cidade de Lisboa após o Terramoto de 1755. Situam-se no subsolo da Cidade e a sua entrada fica na Rua da Prata. A Rua da Prata, anteriormente chamada de “Rua bela da Rainha” situa-se entre a Praça do Comércio e o Rossio. A entrada das Galerias faz-se através de uma abertura no chão dessa mesma rua, mais precisamente no meio da estrada como podem ver na fotografia e onde podem constatar também no vídeo.

Foi em 1959, precisamente no ano em que começaram as obras de saneamento básico, que encontraram as famosas Galerias Romanas. Como consequência foi dada a ordem de exploração e de de pesquisa das ruínas aos Arqueólogos daquela época, nomeadamente ao senhor José Valentim de Freitas que liderou as escavações. Começou assim a ser permitido diversas visitas, apenas para Arqueólogos e Jornalistas cuja única finalidade era a de investigação.

Mais tarde, em 1909, as ruínas Romanas foram totalmente abertas ao público, com a única função de cisterna para abastecer a população local.

Atualmente estas Galerias abrem uma vez por ano para serem visitadas quer por Investigadores, Arqueólogos, Jornalistas como também por turistas e Portugueses interessados na História dos nossos antepassados. História essa que também é nossa.
Devido aos tubos que suportam o esgoto, não é possível visitar todas as galerias. Mas naquelas onde se pode entrar existe uma rede de vários compartimentos de diferentes alturas, tais como: áreas que podem perfeitamente ter sido utilizadas como armazém, arcos de pedra almofadada (uma técnica típica do Império Romano) e galerias de nascentes também chamadas de Olhos de Água.

Esta estranha construção data da primeira metade do século I , depois de Cristo. Segundo os peritos as Galerias foram erguidas sobre uma espessa argamassa Romana colocada sobre a areia.

Na época Romana, estas Galerias serviam como auxílio às actividades Portuárias e Comerciais. Há até quem lhes chame de: “Criptopórticos”, ou seja, construções em forma de abóbada construídas em terrenos instáveis e irregulares de forma a criar uma plataforma de suporte a outros edifícios públicos.

Como curiosidade, talvez não saibam, mas o Aqueduto das Águas Livres está relacionado com essa escavação Romana. Como assim? Eu passo a explicar: O Aqueduto das Águas livres foi construído no reinado de dom João V, no século XVIII, com a finalidade de abastecer a Cidade de Lisboa. Este, teve a sua origem na Freguesia de Caneças, chamada pelos antigos de “Aldeia da Roupa Branca”, e estende-se até ao largo do Rato. O aqueduto foi construído com várias ramificações ou galerias que se estendem por toda a Cidade de Lisboa. Uma dessas ramificações vai dar à galeria dos Olhos de Água da Rua da Prata.

Apenas uma vez por ano as galerias da Rua da Prata abrem ao público. Por quê? Precisamente porque estão inundadas com água o resto do ano. Este facto é benéfico, pois, as águas do tejo preservam as galerias e sustentam a nossa cidade.

Este ano, as Galerias Romanas estão abertas ao público nos dias 28, 29 e 30 de Setembro. Gosta de História? Gosta de Arqueologia? Gosta de Antiguidades? Então de que está á espera para lá ir? Garanto-lhe que vale a pena explora-las!


Jovita Capitão

Título: As Galerias Romanas da Rua da Prata

Autor: Jovita Capitão (todos os textos)

Visitas: 4

794 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 12 )    recentes

  • SophiaSophia

    22-04-2014 às 15:13:25

    Não conhecia as galerias romanas, a Rua Direita achou bem interessante seu texto. É bom que dá para se programar, já que têm datas específicas.

    ¬ Responder
  • Jovita CapitãoJovita Capitão

    30-04-2014 às 23:55:57

    Obrigada!

    Cumprimentos,
    Jovita Capitão.

    ¬ Responder
  • Francisco Madeira

    02-10-2012 às 14:05:18

    belo texto,parecia que estava a ver o local ao vivo,parabéns.

    ¬ Responder
  • Jovita CapitãoJovita Capitão

    02-10-2012 às 14:55:36

    Obrigada pelo comentário Francisco Madeira.

    Cumprimentos,
    Jovita Capitão.

    ¬ Responder
  • Ana Banha

    01-10-2012 às 16:13:50

    Adorei!!! Muita sorte Jovita... ;-)

    ¬ Responder
  • Jovita CapitãoJovita Capitão

    01-10-2012 às 17:03:29

    Olá Ana Banha. Muito obrigada pela apreciação.

    cumprimentos,
    Jovita Capitão.

    ¬ Responder
  • Ana Gonçalves

    01-10-2012 às 15:18:34

    Adorei ler um pouco da nossa historia, a minha filha de 10 anos vai adorar de certeza, pois adora tudo sobre historia.

    ¬ Responder
  • Jovita CapitãoJovita Capitão

    01-10-2012 às 15:59:53

    Obrigada pelo seu comentário Ana Gonçalves!

    Os meus cumprimentos,
    Jovita Capitão.

    ¬ Responder
  • Leonor Abreu

    01-10-2012 às 15:12:44


    Está excelente para dar a ler aos meus filhos de 13 e 14 anos. História e cultura geral escritas duma forma muito clara e nada maçadora ;)

    Gostei muito do texto e revi-me nessa fobia :)

    ¬ Responder
  • Jovita CapitãoJovita Capitão

    01-10-2012 às 15:21:05

    Obrigada pelo comentário sincero Leonor Abreu!

    Os meus cumprimentos,
    Jovita Capitão.

    ¬ Responder
  • ELMA NERY

    29-09-2012 às 16:17:29

    Belíssimo texto!!!!

    ¬ Responder
  • Jovita CapitãoJovita Capitão

    01-10-2012 às 01:01:34

    Muito obrigada pela apreciação, cara amiga Elma Nery!

    Os meus Cumprimentos,
    Jovita Capitão.

    ¬ Responder

Comentários - As Galerias Romanas da Rua da Prata

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os 10 melhores queijos holandeses

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Alimentação
Os 10 melhores queijos holandeses\"Rua
Os holandeses são conhecidos como “cabeças de queijo”. A partir daí, podemos notar e concluir que não são apenas amantes de queijo, mas também grandes produtores.
O queijo está presente na Holanda há milhares de anos, desde os tempos de Júlio César, que ficou encantado com os queijos que encontrou no local. Desde então, os queijos holandeses dividem espaço com as flores como símbolo da cultura da Holanda, gerando a maior parte do combustível econômico do país.

Os holandeses fabricam 650 milhões de quilos de queijo por ano, exportando dois terços desse volume para outros países. São os maiores exportadores de queijo do mundo.
Além disso, cada cidadão da Holanda come por ano, em média, 15 quilos de queijo.

Conheça os 10 melhores tipos de queijos holandeses:

1- Queijo Gouda
O queijo recebe o nome da cidade onde é produzido e é responsável por dois terços de toda a produção de queijos da Holanda. É o mais famoso e copiado no mundo.
Trata-se de um queijo macio e cremoso, em formato circular, com os famosos furinhos no meio. Pode-se encontrar variações no tempero, como especiarias e ervas finas. Possui um nível elevado de gordura de 48%, mas que garante o sabor único, úmido e macio do queijo. É considerado um dos melhores queijos do mundo.

2- Queijo Edam
É facilmente reconhecido por possuir no seu interior a coloração amarelo claro e camadas vermelhas ou alaranjadas nas partes mais externas. Possui um sabor picante e é mais seco se comparado com o tipo Gouda. Por esses motivos, possui menos gordura, 40%.

3- Queijo Leiden
Possui menor teor de gordura em comparação com os anteriores por se tratar de leite coado na fabricação do queijo. É mais firme e robusto, com consistência mais rígida. Pode conter especiarias em seu interior. Possui maturação mais prolongada e é prensado, o que o torna mais firme. Além de conter pimenta cominho na preparação da sua massa, dando um sabor mais do que especial ao queijo.

4- Queijo Maasdammer
Queijo com sabor de nozes fabricado na cidade de Maasdam. Também possui os famosos buracos no seu interior e um sabor peculiar e distinto. Possui estrutura firme, consistente, devido a sua cura precoce, de aproximadamente quatro semanas.

5- Queijo Cablanca
Esse queijo de cabra é classificado de duas maneiras: um tipo é fresco e mole, mais suave e cremoso; o outro é semiduro e curado, semelhante ao aspecto dos queijos gouda.
Os primeiros possuem sabor agradável e leve, por serem mais frescos. Enquanto os segundos possuem sabor mais forte e cítrico.

6- Queijo Boerenkaas

Queijo feito essencialmente de forma artesanal, o que o torna um queijo único e exclusivo, além de mais caro que os demais. Pelo menos metade do leite utilizado na fabricação desse queijo deve ser originário de vacas que são criadas na própria fazenda produtora. Além disso, o restante do leite utilizado não pode ser proveniente de mais do que duas fazendas diferentes e próximas ao local original de produção do queijo.

7- Queijo Defumado
Esse tipo de queijo é um pouco diferente dos demais. É fabricado e praticamente finalizado, após isso, é derretido e novamente prensado em formato de embutidos. É geralmente vendido por fatia, em formato de linguiça.

8- Queijo de cravo da Frísia
É um queijo preparado de leite desnatado na região da Frísia.
Além do cominho, leva na fabricação da sua massa pitadas de cravo. Isso garante a esse queijo um sabor forte, seco e rústico. Sua consistência é firme.



9- Queijo Parrano
É um queijo de vaca que possui um sabor que combina com doces aromas.
É um queijo feito nos moldes dos queijos italianos, parecido com a textura do parmesão. Por isso mesmo, é bastante usado na gastronomia italiana.

10 – Queijo Graskaas

Esse queijo é especial pois é feito a partir do primeiro leite produzido pelas vacas após retornarem da pastagem, depois de passarem o inverno trancadas nos celeiros.

Pesquisar mais textos:

Filipe Mixa

Título:Os 10 melhores queijos holandeses

Autor:Filipe Mixa(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios