Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Empresariais > Aprenda a lidar com o desemprego

Aprenda a lidar com o desemprego

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Empresariais
Visitas: 2
Comentários: 2
Aprenda a lidar com o desemprego

Em tempos de crise ou não, por vezes nos deparamos com a triste realidade do desemprego. São muitos os fatores que levam a ele, mas a única postura do trabalhador em relação a essa situação é não se deixar abater a buscar outras alternativas de sobrevivência. No mundo atual a criatividade tem gerado muitos outros tipos de empregos alternativos para garantir a renda no final do mês.

Algumas pessoas, empreendedoras por natureza, conseguem transformar momentos desesperados como este de não se obter emprego em grandes oportunidades de negócios. São inúmeros os casos de pessoas que sobreviverem as suas crises pessoais e familiares, ocasionadas pela falta de trabalho, canalizando suas ideias para grandes negócios. Fizeram das dificuldades as molas propulsoras do sucesso de seus pequenos empreendimentos.

As oportunidades raramente batem a nossa porta, nós é que devemos atraí-las com nosso potencial e desejo de vencer. Todos temos habilidades, algumas até desconhecidas, mas que quando a necessidade impera, elas aparecem e nos ajudam a superar os obstáculos. É necessário buscar em nós mesmos as potencialidades para dar a volta por cima e vencer. Se existe algo que eu sempre gostei de fazer, mas nunca tive oportunidade, quem sabe não investir nisso no momento em que não há outra alternativa? Dificilmente, o empreendimento dará errado, porque já começou certo. Começou com vontade e entusiasmo. Ninguém está dizendo que é fácil ou que será muito fácil partir do nada e virar empreendedor, fazendo aquilo que sempre sonhou. Essa é uma realidade de contos de fadas. No mundo real, para se alcançar os objetivos é preciso muito trabalho e dedicação, especialmente nos casos em que a própria pessoa busca outras alternativas de emprego.

Há vários casos de pessoas que usaram seus gostos pessoais para obter recursos extras. Os exemplos são muitos. Se a pessoa gosta de fazer bons pratos na cozinha e é bastante elogiada por isto, já está aí um potencial de mercado. Ela já tem o dom, já sabe fazer, resta tentar investir nisso como carreira profissional. Há muitos casos em que as pessoas iniciaram dedicando-se a gastronomia, vendendo a princípio para os amigos, depois para os amigos dos amigos e assim por diante, ampliando as redes de contato e vendas. Adquirindo clientes fixos e, em muitos casos, até conseguiram, com perseverança, abrirem seus próprios negócios no ramo alimentício. Por que não?

Para quem tem habilidade, criatividade e paciência, um ótimo recurso é se dedicar ao artesanato. Os trabalhos manuais, apesar de toda a industrialização, não perderam espaço no gosto popular. Os artesãos continuam criando e muitos vivem somente da sua arte. É bem possível seguir esse caminho, aprendendo as técnicas e inovando. Essa é a grande vantagem de quem trabalha com arte, é possível estar sempre produzindo peças únicas, desenvolvendo a utilização de materiais novos. Dependendo do trabalho, o custo é baixo e o produto valorizado, contribuindo para uma renda mensal bastante significativa. Há também a oportunidade de se participar de feiras de artesanato e ampliar os contatos. Em muitos casos, dessas feiras surgiram contratos até internacionais. Se o produto é bom, bonito e diferente, com certeza ele será valorizado e apreciado, conquistando o mercado.

São inúmeras as possibilidades, para os já graduados, existe a oportunidade de trabalhar com aulas particulares, dentro da sua área, auxiliando pessoas com dificuldades na aprendizagem ou que não estão apresentando um bom rendimento escolar ou acadêmico. Para aqueles que dominam a informática, ministrar aulas privadas de manuseio do computador ou formar grupos de estudos é uma ótima oportunidade de emprego informal.

O grande diferencial para se vencer as crises é buscar a inovação. Procurar fazer algo diferente, conquistar o seu espaço, acreditar no seu potencial. Quem acredita em si mesmo, segue adiante e vence. Por mais obstáculos que aparecem, o reconhecimento chega para aqueles que vão em busca das oportunidades. Num momento de falta de emprego formal o que resta é buscar em si mesmo alternativas para driblar a crise e não apenas sobreviver, mas viver bem. Basta prestar atenção no mercado, nas suas potencialidades e usar isso em benefício próprio.


Rosana Fernandes

Título: Aprenda a lidar com o desemprego

Autor: Rosana Fernandes (todos os textos)

Visitas: 2

763 

Imagem por: KellyB.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoToni

    22-01-2015 às 23:28:34

    É muito difícil não ter uma renda mensal, eu já estive desempregado outras vezes, mas, dessa vez, tem sido barra suportar.
    Eu li seu artigo. Espero conseguir suportar. Valeu!

    ¬ Responder
  • Rafaela CoronelRafaela

    10-07-2014 às 23:31:30

    Uma fase bem importante para criar novas maneiras de mudar o pensamento, estudar, correr atrás dos sonhos e ver como é possível melhorar no campo profissional.

    ¬ Responder

Comentários - Aprenda a lidar com o desemprego

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Pulp Fiction: 20 anos depois

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Arte
Pulp Fiction: 20 anos depois\"Rua
Faz hoje 20 anos que estreou um dos mais importantes ícones cinematográficos americanos.

Pulp Fiction é um marco do cinema, que atirou para a ribalta Quentin Tarantino e as suas ideias controversas (ainda poucos tinham visto o brilhante “Cães Danados”).

Repleto de referências ao cinema dos anos 70 e com uma escolha de casting excepcional, Pulp Fiction conquistou o público com um discurso incisivo (os monólogos bíblicos de Samuel L. Jackson são um exemplo disso), uma violência propositadamente mordaz e uma não linearidade na sucessão dos acontecimentos, tudo isto, associado a um ritmo alucinante.

As três narrativas principais entrelaçadas de dois assassinos, um pugilista e um casal, valeram-lhe a nomeação para sete Óscares da Academia, acabando por vencer na categoria de Melhor Argumento Original, ganhando também o Globo de Ouro para Melhor Argumento e a Palma D'Ouro do Festival de Cannes para Melhor Filme.

O elenco era composto por nomes como John Travolta, Samuel L. Jackson, Bruce Willis, Uma Thurman e (porque há um português em cada canto do mundo) Maria de Medeiros.

Para muitos a sua banda sonora continua a constar na lista das melhores de sempre, e na memória cinéfila, ficam eternamente, os passos de dança de Uma Thurman e Travolta.

As personagens pareciam ser feitas à medida de cada actor.
Para John Travolta, até então conhecido pelos musicais “Grease” e “Febre de Sábado à Noite”, dar vida a Vincent Vega foi como um renascer na sua carreira.

Uma Thurman começou por recusar o papel de Mia Wallace, mas Tarantino soube ser persuasivo e leu-lhe o guião ao telefone até ela o aceitar.

Começava ali uma parceria profissional (como é habitual de Tarantino) que voltaria ao topo do sucesso com “Kill Bill”, quase 10 anos depois.

Com um humor negro afiadíssimo, Tarantino provou em 1994 que veio para revolucionar o cinema independente americano e nasceu aí uma inspirada carreira de sucesso, que ainda hoje é politicamente incorrecta, contradizendo-se da restante indústria.

Pulp Fiction é uma obra genial. Uma obra crua e simultaneamente refrescante, que sobreviveu ao tempo e se tornou um clássico.
Pulp Fiction foi uma lição de cinema!

Curiosidade Cinéfila:
pulp fiction ou revista pulp são nomes dados a revistas feitas com papel de baixa qualidade a partir do início de 1900. Essas revistas geralmente eram dedicadas às histórias de fantasia e ficção científica e o termo “pulp fiction” foi usado para descrever histórias de qualidade menor ou absurdas.

Pesquisar mais textos:

Carla Correia

Título:Pulp Fiction: 20 anos depois

Autor:Carla Correia(todos os textos)

Imagem por: KellyB.

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios