Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Empresariais > Modalidades de consultas ao saldo do Fundo de Garantia

Modalidades de consultas ao saldo do Fundo de Garantia

Categoria: Empresariais
Visitas: 2
Comentários: 1
Modalidades de consultas ao saldo do Fundo de Garantia

O FGTS ou Fundo de Garantia por Tempo de Serviço foi instituído pelo Governo Federal no ano de 1966, instituí pela Lei nº 8.036, com a finalidade de gerar aos longos dos anos de trabalho uma renda que pode ser sacada pelo trabalhador na ativa, em situações pré-determinadas, tais como desemprego sem justa causa, aquisição de moradia, e, ainda, integralmente quando ocorre a aposentadoria.

Os fundos arrecadados são geridos pelo Estado, que além de subsidiar quando necessário ou por direito as situações acima, segundo a lei que lhes instituiu, cuidará de fazer investimentos em saneamento, infra-estrutura e construção de casa própria.

Anteriormente à instituição e vigência do Fundo de Garantia o trabalhador tinha como direito tão somente a estabilidade no emprego, adquirida após 10 anos de efetivo exercício, mais indenização de um salário igual ao percebido mensalmente, correspondente a cada ano trabalhado; ultrapassado o período de 10 anos, o valor indenizatório dobrava. Tal situação forçava muitas demissões pouco tempo antes de completo o decênio, o que, ao empregador evitava gastos elevados com indenizações. Havia ainda casos em que o trabalhador era simplesmente desligado da empresa, sem que esta provesse a indenização devida, restando àquele buscar o amparo no Poder Judiciário.

A fim de coibir, evitando e fazendo cessar esse tipo de ato por parte da empresa, o legislador da época entendeu por bem criar o Fundo de Garantia, que se constitui de valores à proporção de 8% do salário percebido pelo empregado (à exceção do menor aprendiz, cujo valor de depósito corresponde a 2% do valor do salário), que recebem reajustes estabelecidos por lei, que o empregador deposita ao longo da vigência de contrato de trabalho, na forma parcelada.

Com o advento da Constituição Federal de 1988, findou a estabilidade de 10 anos, vigorando, independentemente de opção, mas por obrigação legal o Fundo de Garantia para todos os empregados contratados pelo regime da Consolidação das Leis do Trabalho, permanecendo com aquela aqueles que àquele tempo já a tinham adquirido.

Atualmente a correção monetária do Fundo de garantia, de 3% ao ano, é semelhante à da poupança, inclusive quanto à contagem de atualização (no sistema de aniversário).

Importante ao trabalhador é conhecer e acompanhar, conferindo os depósitos que são lançados em sua conta FGTS na Caixa Econômica Federal, que lhe dispensará um cartão cidadão para que possa efetuar as consultas mensais diretamente nos terminais de agências deste banco, bem ainda diretamente no site www.fgts.gov.br onde terá à sua disposição para consulta os valores atualizados, bem ainda poderá cadastra-se no mailing ou ‘mala-direta’ pessoal do site, que gerará e encaminhará ao seu mail mensalmente o extrato correspondente ao saldo de sua conta, ou, se preferir, poderá optar por receber o saldo por meio de mensagem sms em seu celular, bastando que tenha para tanto a senha cidadã, a qual o trabalhador obterá mediante comparecimento a uma agência da Caixa Econômica Federal e cadastro do número.

Considerando a amplitude territorial do país, bem ainda o fato de a inserção digital não encampar todo o Brasil e não estar acessível a toda a população bastará ao trabalhador que mantenha seu endereço atualizado junto ao banco oficial, que lhe enviará bimestralmente extrato com todos os lançamentos feitos em sua conta.

Ao final, cumpre lembrar que cabe ao trabalhador fiscalizar o andamento de sua conta de fundo de garantia, a fim de evitar surpresas desagradáveis quando necessitar dos valores ali depositados.


Fernanda Fernandes

Título: Modalidades de consultas ao saldo do Fundo de Garantia

Autor: Fernanda (todos os textos)

Visitas: 2

713 

Imagem por: Photos8.com

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Yuri SilvaYuri

    08-07-2014 às 09:51:50

    Um ótimo serviço da Caixa Econômica Federal em proporcionar o acesso à consulta do saldo por meio da internet. É possível acompanhar todos os dias. Muito bom!

    ¬ Responder

Comentários - Modalidades de consultas ao saldo do Fundo de Garantia

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A arte de trabalhar a madeira

Ler próximo texto...

Tema: Serviços Construção
A arte de trabalhar a madeira\"Rua
A carpintaria constitui, digamos assim, a arte de trabalhar a madeira. É claro que, de acordo com o produto final, se percebe bem que uns carpinteiros são mais artistas do que outros…

Às vezes nem se trata tanto dos pormenores, mas mesmo de desvirtuar o que era a ideia inicial e constava da encomenda. Mal comparado, quase se assemelha à situação daquela aspirante a costureira que pretendia fazer uma camisola para o marido e, no fim, saíram umas calças!

Na construção civil, a madeira é utilizada para diversos fins, temporários ou definitivos. Na forma vitalícia (esperam os clientes!) incluem-se estruturas de cobertura, esquadrias (portas e janelas), forros, pisos e edifícios pré-fabricados.

Quase todos os tipos de madeira podem ser empregues na fabricação de móveis, mas alguns são preferidos pela sua beleza, durabilidade e utilidade. É conveniente conhecer as características básicas de todas as madeiras, como a solidez, a textura e a côr.

Ser capaz de identificar o género de madeira usado na mobília lá de casa pode ajudar a determinar o seu real valor. Imagine-se a possibilidade de uma cómoda velha, que estava prestes a engrossar o entulho para a recolha de lixo, ter sido feita com o que hoje se considera uma madeira rara.

É praticamente equivalente a um bilhete premiado do Euromilhões, dado que se possui uma autêntica relíquia! Nestes casos, a carpintaria entra na área do restauro e da recuperação. Afinal, nem tudo o que é velho se deita fora…

Por outro lado, as madeiras com textura mais fraca são frequentemente manchadas para ganhar personalidade. Aqui há que remover completamente o acabamento para se confirmar a verdadeira natureza da madeira.

É assim também com muita gente: tirando a capa, mostram-se autenticamente. Mas destes, nem um artificie com “bicho-carpinteiro” consegue fazer nada…!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:A arte de trabalhar a madeira

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Imagem por: Photos8.com

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    23-09-2014 às 13:23:35

    Uma excelente técnica que penso ser muito bonito e sofisticado. A arte de trabalhar madeira está sempre em desenvolvimento e crescimento.

    ¬ Responder
  • Rua DireitaRua Direita

    01-06-2014 às 05:18:46

    É ótimo o trabalho com a madeira. Pode-se perceber grandes obras que se faz com ela. Realmente, é uma verdadeira arte!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios