Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > TV HIFI > A moda que sai da TV para o palco da vida

A moda que sai da TV para o palco da vida

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: TV HIFI
Visitas: 2
Comentários: 1
A moda que sai da TV para o palco da vida

Muita gente admira e inveja as fatiotas dos seus ídolos de novelas, séries e programas televisivos sem fazer, contudo, a mais pequena ideia da máquina comercial que se instala por detrás dessas produções, relativamente a tais roupas. E não só! Acessórios, adereços como sofás, quadros e candeeiros, e até mobílias, também integram a cobiça e o negócio. Os telespectadores convertem-se, deste modo, numa espécie de telecompradores, não porque decidam recorrer às televendas, mas porque efetivam a aquisição de estilos e até de cenários que os foram acompanhando durante algum tempo.

Por dez euros, os adolescentes podem adquirir camisolas parecidas com as dos seus atores preferidos ou t-shirts como as que os elementos das bandas juvenis da berra usam nos concertos. Tudo se processa da seguinte forma: os figurinistas criam ou propõem um estilo, que os atores transformam numa moda, a que os segmentos-alvo aderem, aproveitando, então, as empresas que detêm o guarda-roupa o ensejo para fazer mercancia. É uma forma de a empresa produtora tentar reaver algum do investimento em figurinos (que não é coisa de pouca monta, nomeadamente no inverno, em que as coleções são maiores e a roupa mais cara).

Não há dúvida que o acordo é proveitoso para ambas as partes. As marcas, à partida, recuperam várias vezes mais o que investem em retorno de publicidade. Com efeito, o impacto visual em televisão é muito superior ao dos desfiles. Por outro lado, está provado que a atitude e os bons figurinos são garantia de sucesso das obras televisivas.

Embora o figurinista dê azo à sua imaginação para fazer moda, não pode jamais descurar a criação de propostas de acordo com o perfil da personagem, seguindo, naturalmente, as novas tendências de moda. Esta responsabilidade cresce com o sucesso das produções em causa. Neste âmbito, há pormenores suscetíveis de marcar a diferença.

Os psicólogos, por seu turno, mostram preocupação com a perda da individualidade. Efetivamente, a inclinação para imitar quem tem sucesso é natural, mas a imitação acaba por ser redutora e não permitir a expansão da criatividade, podendo até anular os próprios gostos. Porque é que as pessoas se conformam de maneira incontestada com os padrões que uns poucos definem para a moda social? Trata-se de uma formatação aceite que, no caso da infância e da adolescência, se pode revelar castradora do desenvolvimento pessoal. De facto, a juventude é mais permeável a estes modelos, que lhes são mais impostos do que propostos, num altura em que a individualidade devia ser trabalhada em ordem à descoberta da própria identidade e do equilíbrio.


Maria Bijóias

Título: A moda que sai da TV para o palco da vida

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 2

602 

Imagem por: LGEPR

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    04-06-2014 às 06:30:25

    É interessante como essa coisa de modinha da TV acaba sendo real na vidas de milhares de pessoas.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - A moda que sai da TV para o palco da vida

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A história da fotografia

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Fotografia
A história da fotografia\"Rua
A história e princípios básicos da fotografia e da câmara fotográfica remontam à Grécia Antiga, quando Aristóteles verificou que os raios de luz solar e com o uso de substâncias químicas, ao atravessarem um pequeno orifício, projetavam na parede de um quarto escuro a imagem do exterior. Este método recebeu o nome de câmara escura.

A primeira fotografia reconhecida foi uma imagem produzida em 1826 por Niepce. Esta fotografia foi feita com uma câmara e assente numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo, tendo estado exposta à luz solar por oito horas, esta encontra-se ainda hoje preservada.

Niepce e Louis –Jacques Mandé Daguerre inciaram em 1829 as suas pesquisas, sendo que dez anos depois foi oficializado o processo fotográfico o nome de daguerreótipo. Este processo consistia na utilização de duas placas, uma dourada e outra prateada, que uma vez expostas a vapores de iodo, formando uma pelicula de iodeto de prata sobre a mesma, ai era a luz que entrava na camara escura e o calor gerado pela luz que gravava a imagem/fotografia na placa, sendo usado vapor de mercúrio para fazer a revelação da imagem. Foi graças á investigação realizada por Friedrich Voigtlander e John F. Goddard em 1840, que os tempos de exposição e revelação foram encurtados.




Podemos dizer que o grande passo (não descurando muitas outras mentes brilhantes) foi dado por Richard Leach Maddox, que em 1871 fabricou as primeiras placas secas com gelatina, substituindo o colódio. Três anos depois, as emulsões começaram a ser lavadas com água corrente para eliminar resíduos.

A fotografia digital


Com o boom das novas tecnologias e com a capacidade de converter quase tudo que era analógico em digital, sendo a fotografia uma dessas mesmas áreas, podemos ver no início dos anos 90, um rápido crescimento de um novo mercado, a fotografia digital. Esta é o ideal para as mais diversas áreas do nosso dia a dia, seja a nível profissional ou pessoal.

As máquinas tornaram-se mais pequenas, mais leves e mais práticas, ideais para quem não teve formação na área e que não tem tempo para realizar a revelação de um rolo fotográfico, sem necessidade de impressão. Os melhores momentos da nossa vida podem agora ser partilhados rapidamente com os nossos amigos e familiares rapidamente usando a internet e sites sociais como o Facebook e o Twitter .

A primeira câmara digital começou a ser comercializada em 1990, pela Kodak. Num instante dominou o mercado e hoje tornou-se produto de consumo, substituindo quase por completo as tradicionais máquinas fotográficas.

Sendo que presentemente com o aparecimento do FullHD, já consegue comprar uma máquina com sensores digitais que lhe permitem, além de fazer fotografia, fazer vídeo em Alta-Definição, criando assim não só fotografias quase que perfeitas em quase todas as condições de luz bem como vídeo com uma qualidade até agora impossível no mercado do vídeo amador.

Tirar fotografias já é acessível a todos e como já não existe o limite que era imposto pelos rolos, “dispara-se” por tudo e por nada. Ter uma máquina fotográfica não é mais um luxo, até já existem máquinas disponíveis para as crianças. Muitas vezes uma fotografia vale mais que mil palavras e afinal marca um momento para mais tarde recordar.

Pesquisar mais textos:

Bruno Jorge

Título:A história da fotografia

Autor:Bruno Jorge(todos os textos)

Imagem por: LGEPR

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    05-05-2014 às 03:48:18

    Como é bom viver o hoje e saber da história da fotografia. Isso nos dá a ideia de como tudo evoluiu e como o mundo está melhor a cada dia produzindo fotos mais bonitas e com qualidade!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios