Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Stress e decisões: uma combinação perigosa

Stress e decisões: uma combinação perigosa

Categoria: Saúde
Comentários: 3
Stress e decisões: uma combinação perigosa

A idade contemporânea caracteriza-se pelo movimento feérico e alucinante das relações humanas, seja ao nível laboral, físico ou memo emocional. A rapidez é uma constante, presente no nosso quotidiano e é exigida de forma esmagadora nos mais diversos tipos de situações, das quais se espera que resulte uma decisão, tomada sob grande stress, obviamente. A questão é simples: será isto saudável / esperável / desejável?

Antes de apresentarmos uma resposta taxativa, devemos primeiro analisar os dois conceitos: stress e decisão. O primeiro, o stress caracteriza-se por ser uma resposta do nosso organismo a um estímulo exterior/interior desagradável e indesejado. Esta reacção orgânica constitui uma característica ancestral do corpo humano, uma vez que, outrora, enquanto animais irracionais, necessitávamos de respostas e de reflexos rápidos que nos protegessem dos predadores, por exemplo. Esta herança continua a fazer pleno sentido, uma vez que os actuais «predadores» assumiram apenas outras formas: a dor, a tristeza, a solidão, a pressão no trabalho, más condições de trabalho, más relações no seio da família, a pressão da responsabilidade – contas por pagar, dinheiro insuficiente – uma reunião, um casamento, um divórcio, enfim, a lista é imensa e ainda mais se o indivíduo habita num ambiente citadino.

Todavia, há que ressalvar que as situações enumeradas provocam geralmente quadros de stress crónico, extremamente nocivo para a saúde mental e física do paciente. Existe, no entanto, o stress ocasional que, este sim, funciona como uma resposta natural do corpo e, como tal, acaba mesmo por revelar efeitos benéficos para o ser humano, uma vez que o protege e estimula a enfrentar ou a fugir do problema, se for esse o caso.

Foquemos agora o outro conceito, a decisão ou a tomada de decisão: decisão, etimologicamente, provém do latim de – que significa parar, interromper – e caedere – que significa cortar. Portanto, decisão ou decidir significa, literalmente, parar de cortar ou, se quisermos, deixar fluir, logo, escolher, seleccionar, optar, designar, deliberar, assentar. E todos estes termos apontam para um leque de alternativas, de caminhos, que, ante a eleição de um deles como o melhor, se prevê um período de alguma reflexão e frieza de análise.

É, pois, insensato tentar-se coadunar os dois conceitos, se bem que nos dias que correm, essa seja a regra e não a excepção. No mundo laboral predominam as decisões tomadas em ambientes de grande stress, o que, segundo um estudo liderado pelo professor Nuno Sousa, docente na Universidade do Minho é improdutivo, pois a pessoa stressada tem tendência a decidir-se pela hipótese mais habitual e não pela mais favorável.

Espera-se que o mundo do trabalho mude, para bem do ser humano, sem «stresses»…


Isabel Rodrigues

Título: Stress e decisões: uma combinação perigosa

Autor: Isabel Rodrigues (todos os textos)

Visitas: 0

687 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 3 )    recentes

  • Rafaela CoronelRafaela

    25-07-2014 às 04:08:25

    É verdade! Quando mais estamos estressados é quando tomamos as piores decisões de nossas vidas. É uma combinação perigosa, que pode transformar-se em algo muito ruim no dia a dia. Que possamos evitar- sempre!

    ¬ Responder
  • RaoniRaoni

    27-05-2012 às 23:22:41

    Sr(a)(s) responsável(is) por este site,

    http://www.wix.com/raocaba/oqueevida#!

    Este é o endereço do site que estou criando,
    e o meu nome é Raoni,
    Obrigado novamente pela atenção
    Raoni

    ¬ Responder
  • RaoniRaoni

    27-05-2012 às 23:13:46

    Sr(a)(s) responsável(is) por este site,

    Gostei muito desta imagem ilustrativa e gostaria de saber se eu poderia utiliza-la no meu site? De ante mão, aviso que é um seite de divulgação científica, porém, ainda esta em fase de construção, e muito provavelmente, sempre estará. Seria ótimo ter esta imagem, pois ilustra bem o homem contemporâneo. De ante mão, agradeço pela atenção

    ¬ Responder

Comentários - Stress e decisões: uma combinação perigosa

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Como cuidar de Plantas de interior

Ler próximo texto...

Tema: Bricolage Jardim
Como cuidar de Plantas de interior\"Rua
Cada planta tem um comportamento diferente, vou colocar aqui alguns cuidados que servem para a maioria delas.

LUZ:

Os principais erros no cultivo de plantas de interior é a falta de luz.
Se elas estiverem em locais onde não há luz suficiente, isso pode ser corrigido com a instalação de luz artificial, existe no mercado lâmpada que imitam a luz natural.


TEMPERATURA:

Mudanças bruscas de temperatura retardam e até paralisa o crescimento da planta, bem como causa a queda de folhas.


UMIDADE:

A maioria das plantas necessita de uma umidade atmosférica adequada.
Normalmente notamos que a planta não está com a umidade correta quando acontece ficarem amarelas e a queda de folhas.


IRRIGAÇÃO:

Conselhos básicos:
Uma planta em fase de crescimento vai precisar de mais água que uma que está em fase de dormência, ou já atingiu o seu tamanho adulto.
Durante a floração a planta precisa de mais água que em sua fase de crescimento
Em ambientes internos mais quentes é evidente que a planta vai precisar de mais águas que em ambientes mais frios.
Para saber qual é o momento exato de molhar, enfie o dedo no substrato, se sentir ele seco, chegou a hora

FERTILIZANTE:

Para que a planta tenha um desenvolvimento harmonioso convém usar periodicamente de fertilizantes que podem ser líquido ou sólidos.
No mercado existe a venda fertilizante com fórmulas específicas para cada planta.
Após a utilização do fertilizante regue a planta.

LIMPEZA:

Faça regularmente a limpeza de folhas secas e caule, pois elas são bastante positivas não só esteticamente como para a saúde das plantas.
Se estiver acumulada muita poeira sobre as folhas, espane, e depois passe um pano húmido
Atenção: Existe algumas espécies, que tem as folhas aveludadas, tipo a Violeta Africana, Begônia Rex, etc. que não deve ser colocada água é só usar uma escovinha bem macia.

TROCA DE VASO:

De uma maneira geral após 1 ou 2 anos as plantas de interior devem ser colocadas em vasos de tamanho maior.
Isso deve ser feito porque as raízes passam a ocupar um grande espaço e também porque o substrato vai perdendo sua composição inicial.
A época mais adequada varia de planta para planta, algumas devem ser feitas na primavera e outras quando estão na fase de repouso.
Aproveite para obterem mudas, separando brotos e dividindo touceiras.

Pesquisar mais textos:

Miguel Pereira

Título:Como cuidar de Plantas de interior

Autor:Miguel Pereira(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Briana AlvesBriana

    13-10-2014 às 04:09:31

    Muito bom! É tão gratificante cuidar de plantas. A gente vê o quanto elas florescem quando são bem-cuidadas. Amei as dicas!

    ¬ Responder
  • Rua DireitaRua Direita

    18-04-2014 às 22:36:55

    Fantástico seu texto, a Rua Direita agradece!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios