Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Estrutura de um texto expositivo - aprenda!

Estrutura de um texto expositivo - aprenda!

Categoria: Outros
Visitas: 116
Estrutura de um texto expositivo - aprenda!

Um texto expositivo comum, contendo cerca de 5 parágrafos (introdução, desenvolvimento – 3 - e conclusão), implica que dedique algum tempo à sua preparação. Existe um estrutura, mais ou menos rígida, que sendo respeitada, garantirá já algum sucesso ao texto que escrever. É claro que conteúdo, sintaxe, semântica, ortografia e outros contribuirão finalmente para um texto coeso (estrutura) e coerente (significado).

Assim, deverá, em primeira instância, iniciar a preparação do texto. Para tal, deverá selecionar um tema apelativo, pelo qual se interesse verdadeiramente e que pense que pode vir a interessar o seu público. Deverá, depois, tomar nota de ideias relacionadas com esse mesmo tema. Poderá, por exemplo, numa folha de papel, escrever uma lista das ideias principais que poderá vir a desenvolver dentro do tema sobre o qual deseja escrever. Depois de concluída, poderá agrupá-las por macro-ideias, que depois ocuparão os parágrafos do desenvolvimento do texto. Antes ainda de iniciar a redação do texto, leia um pouco sobre o tema a expor, seja em livros, sites de internet, documentários, filmes, audiogramas, etc. Já sabe, quanto mais conhecimento acumular, também mais facilmente conseguirá escrever.

Numa segunda fase, escreva o título e a introdução. O título deve ser claro, contextualizante e apelativo; ou seja, deve ter a ver com o tema e, em simultâneo, deve convidar o leitor para o texto. Relativamente à introdução, esta deve conter um resumo daquilo que se propõe escrever e defender. Se vai escrever sobre animais em risco de extinção, então essa informação tem de figurar na introdução. Poderá aqui imprimir um cunho pessoal, de forma a que o leitor entenda qual a sua posição em relação ao tema que se propõe tratar.

Em terceiro lugar, avançamos para o desenvolvimento. Aqui, poderá fazer uso das tais macro-ideias acima referidas e dispô-las por parágrafo (se tiver três, então um desenvolvimento com três parágrafos é perfeitamente aceitável). Cada parágrafo deverá ser iniciado com uma frase apelativa e esclarecedora relativamente à ideia que pretende apresentar. Aqui, pode e deve apresentar pontos de vista diferentes, que avivem a troca de impressões com o leitor. Obviamente que o leitor acabará por pressentir a sua perspetiva, a partir da forma como escreve.

Por fim, mas não menos importante, a conclusão do texto. Nesta fase, poderá iniciar o derradeiro parágrafo com expressões como: finalmente, concluindo, para concluir, por fim, em jeito de remate, para finalizar, entre outras. Pode reforçar as ideias principais, revê-las e convidar o leitor à reflexão ou à pesquisa mais aprofundada do tema, deixando questões em aberto, por exemplo. Pode também concluir assertivamente relativamente ao tópico que enunciou.
Pegue, pois, na caneta e dedique-se à magia da escrita!


Isabel Rodrigues

Título: Estrutura de um texto expositivo - aprenda!

Autor: Isabel Rodrigues (todos os textos)

Visitas: 116

0 

Comentários - Estrutura de um texto expositivo - aprenda!

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios