Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Viagens: As Aventuras de Tintim

Viagens: As Aventuras de Tintim

Categoria: Literatura
Visitas: 2
Comentários: 1
Viagens: As Aventuras de Tintim

Tintim, o jovem e simpático repórter belga, «nasceu» em 1929, quando o seu autor, Hergé (pseudónimo de Georges Prosper Remi) decidiu iniciar a publicação de tiras de banda desenhada no suplemento infantil - Le Petit Vingtième - do jornal Le Vingitème Siècle. A partir deste momento, Tintim, bem como os seus «companheiros de papel» - Haddock, Castafiore, Girassol, entre outros – saltaram para as luzes da ribalta e passaram a fazer as delícias de milhões de leitores no mundo inteiro. E, de facto, a recomendação brincalhona de Hergé quanto à faixa etária que estaria mais apta a ler os álbuns encontrava-se correcta: «Dos sete aos setenta e sete anos»: Tintim reuniu fãs por todo o mundo, ao longo dos seus quase cinquenta anos de publicação (entre as décadas de trinta e setenta) e ainda o consegue fazer hoje em dia.

Não obstante todo o sucesso alcançado, Tintim e o seu criador, Hergé, foram asperamente criticados tendo por base acusações relacionadas com política e xenofobia. Assim, Hergé foi acusado no pós-guerra (1945) de ter colaborado com um jornal de índole nazi, o Le Soir, imputação refutada pelo autor, que se defendeu, afirmando que era apenas um vulgar colaborador, tal como «um canalizador ou um carpinteiro». Por outro lado, a forma como Hergé retratou o povo africano em alguns dos seus álbuns – atribuindo-lhes características infantis e pouco evoluídas – também foi motivo de acérrima reprovação por parte da crítica. O autor teve, inclusivamente, de refazer algumas das cenas do álbum Tintim na África.

De qualquer forma, Tintim cativou e fidelizou leitores em todo o mundo. O segredo? Talvez a simplicidade, a rectidão e a nobreza do seu carácter, aliados a enredos simplesmente deliciosos, com finais sempre imprevisíveis – muitas vezes interrompidos com um exasperante «To be continued…» - e, ainda, aos restantes personagens dos álbuns que, carregados de características ora cómicas, ora soturnas, ora desconcertantes, permitiam tecer um quadro simplesmente irresistível. Falamos, neste caso dos já acima citados Capitão Haddock – cujos pitorescos insultos são presença assegurada em praticamente todos os álbuns (“Com mil milhões de mil macacos”, “iconoclasta”, “troglodita” e “anacoluto”, por exemplo) –, Milu – o fidelíssimo e inseparável companheiro de quatro patas de Tintim –, Castafiore – que é motivo de gigantescas e hilariantes crises de irritação por parte de Haddock –, Dupont e Dupond – os «gémeos» (que na verdade nem são irmãos) policiais, trapalhões, ingénuos e incompetentes e Girassol, o simpático cientista «ligeiramente duro de ouvido» que, graças a esta particularidade se vê constantemente envolvido em grandes equívocos.

É, pois, desta forma que, ao longo de vinte e quatro álbuns (o último – Tintim e a Alph-Art – encontra-se inacabado) o leitor se delicia com banda desenhada de elevadíssima e indiscutível qualidade e de marcada intemporalidade: Tintim tem, efectivamente, lugar nos dias de hoje e, talvez também por esse motivo, continue a granjear tantos leitores (dos 7 aos 77, claro!).

Isabel Rodrigues

Título: Viagens: As Aventuras de Tintim

Autor: Isabel Rodrigues (todos os textos)

Visitas: 2

643 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoRenan Rubira Gomes

    05-05-2010 às 21:36:52

    Eu adoro ler As Aventuras de Tintim.São histórias,boas,divertidas e que nos fazem aprender muito.Tintim é muito legal e adoro as cenas de ação d seua álbuns.Os outros personagens também são magníficos.Amo de paixão suas aventuras.

    ¬ Responder

Comentários - Viagens: As Aventuras de Tintim

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um caminho para curar o transtorno alimentar

Ler próximo texto...

Tema: Saúde
Um caminho para curar o transtorno alimentar\"Rua
De acordo com um relatório divulgado em novembro de 2014 pelo Comitê Permanente sobre o Status da Mulher, entre 600 mil a um milhão de canadenses cumprem os critérios diagnósticos para um transtorno alimentar em um dado momento. Problemas de saúde mental com ramificações físicas graves, anorexia e bulimia são difíceis de tratar.

Os programas públicos de internação frequentemente não admitem pacientes até que estejam em condição de risco de vida, e muitos respondem mal à abordagem em grupo. As clínicas privadas costumam ter listas de espera épicas e custos altos: um quarto custa de US$ 305 a US$ 360 por dia.


Corinne lutou juntamente com seus pais contra a bulimia e anorexia por mais de cinco anos. Duffy e Terry, pais de Corinne, encontraram uma clínica na Virgínia. Hoje, aos 24 anos, ela é saudável e está cursando mestrado em Colorado. Ela e seus pais acreditam que a abordagem holística, o foco individualizado e a estrutura imersiva de seu tratamento foram fundamentais para sua recuperação.

Eles sabem que tinham acesso a recursos exclusivos. "Tivemos sorte", diz Duffy. "Podíamos pagar por tudo." Mas muitos não podem.
A luta desta família levou-os a refletir sobre o problema nos Estados Unidos. Em 2013, eles fundaram a Water Stone Clinic, um centro privado de transtornos alimentares em Toronto. Eles fazem yoga, terapia de arte e participam na preparação de refeições, construindo habilidades na vida real com uma equipe de apoio empática. Os programas funcionam nos dias da semana das 8h às 14h, e até agora, não tem lista de espera. Porém essa abordagem é onerosa: aproximadamente US$ 650 por dia.

A família criou a Fundação Water Stone - uma instituição de caridade que fornece ajuda a pacientes que não podem pagar o tratamento. Os candidatos são avaliados por dois comitês que tomam uma decisão baseada na necessidade clínica e financeira. David Choo Chong foi o primeiro a se beneficiar da fundação. Ele havia tentado muitos programas, mas nenhum foi bem sucedido. A fundação pagou metade do tratamento. Dois anos depois, Choo Chong, feliz e estável diz "Water Stone me ajudou a encontrar quem eu sou".

Pesquisar mais textos:

Roberta Darc

Título:Um caminho para curar o transtorno alimentar

Autor:Roberta Darc(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios