Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Disse-me um Adivinho

Disse-me um Adivinho

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Literatura
Visitas: 8
Disse-me um Adivinho

Tiziano Terzani, um dos melhores jornalistas italianos da segunda metade do século xx, foi correspondente na Ásia da revista alemã Der Spiegel a partir de 1971. Fez coberturas in extremis da guerra do Vietname e permaneceu em Saigão durante mais de 30 anos. Certo dia, tendo ido com uma amiga a Hong Kong, já em finais da década de 70 do referido século, foi-lhe transmitida uma profecia por um adivinho de enorme prestígio naquelas paragens: em 1993, ou seja, dezasseis anos mais tarde, a sua vida correria sérios riscos de perigar caso ele decidisse andar de avião. Portanto, em situação alguma o deveria fazer.

Embora de índole racionalista, ficou grandemente impressionado com a exposição do guru acerca de diversas facetas da sua vida e, não obstante a grande limitação que representava para a sua atividade profissional o não se poder deslocar de avião, optou por dar algum crédito às palavras do homem, «não fosse o diabo tecê-las»…

No ano de 1993 calcorreou o Laos, a Birmânia, o Camboja, Singapura, a Tailândia, a Malásia, a China, a Mongólia, deliciando-se com as viagens por terra e mar, às vezes muitíssimo lentas. Mas foi precisamente esta lentidão que lhe permitiu perceber que o tempo não é só aquele que os relógios medem e que se perdem muitas coisas, porventura as mais importantes, nas viagens ultra rápidas que se fazem habitualmente. Com o intuito de afastar um prenúncio, o autor e protagonista abdica das aeronaves até ao ano chinês seguinte e acaba por redescobrir a força do misticismo oriental. É assim que este jornalista e escritor dá início a «Disse-me um Adivinho».

A morosidade das deslocações por vias menos “instantâneas” proporcionou a Tiziano Terzani a investigação do outro lado de uma sociedade tecnológica e consumista, tão deslumbrada com o porvir que parece nem se dar conta de se estar a autodestruir, ao admitir e adotar um modelo cultural ocidental, que, manifestamente, nunca foi o seu. Trata-se, na visão do autor, de uma caminhada alegre e pacífica para o próprio suicídio e ele alerta para esse facto. Até porque, por triste que seja, em jornalismo um facto não relatado (por textos ou fotografias) é um facto não ocorrido, independentemente do número de mortos e do grau de devastação constatados ou do sofrimento envolvido, não tendo, por isso espaço na redação da História universal.

Ter tempo para conversar com as pessoas, para as olhar nos olhos, para se divertir, para sentir, é o que define, afinal, um viajante. E Tiziano reinventou-se a viajar, cruzando-se com bruxos, xamãs, monges, feiticeiros, adivinhos, homens e mulheres de todos os extractos, uns vincadamente místicos, outros evidentes charlatães. «Disse-me um Adivinho», pela sua forma de caricaturar a espiritualidade vigente na Ásia, constitui uma magnífica maneira de viajar até lá sem sair do sítio onde se esteja a ler o livro. Esta obra de 440 páginas, publicada pela editora Tinta-da-China e traduzida para português por Margarida Periquito, dá-nos conta de como Tiziano Terzani regressou uma pessoa muito diferente daquela que partiu, até porque tomou consciência de que o sol nasce, há lua, …

Curiosamente, este andarilho do Oriente morreu em 2004, com 65 anos, vítima de cancro, sem que ninguém o previsse. O seu legado final intima, contudo, à reflexão: «O Fim é o Meu Começo»; Que grande viagem interior para deixar desta forma os episódios mais íntimos da sua vida narrados ao filho, poucos meses antes de morrer!


Maria Bijóias

Título: Disse-me um Adivinho

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 8

674 

Imagem por: Bohman

Comentários - Disse-me um Adivinho

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Como burlar a crise e fazer a viagem dos sonhos gastando pouco

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Viagens
Como burlar a crise e fazer a viagem dos sonhos gastando pouco\"Rua
Não é novidade para ninguém que o Brasil está passando por uma séria crise econômica e política. Atrelado a isso, a elevação do dólar nos últimos meses tem contribuído para a queda considerável no número de viagens internacionais. Para os amantes de viagens, também chamados travelholics, a crise não é um motivo para adiar aquela viagem tão esperada.
Nesse post você terá dicas de como superar esse momento e realizar seu sonho de uma forma mais econômica, sem precisar de guias turísticos, que encarecem ainda mais a viagem.

Dica 1) Planeje sua viagem com antecedência.
Provavelmente a maioria já ouviu falar disso, mas é a pura verdade. Programar a viagem é o primeiro passo para uma estadia tranquila e bem mais barata. Escolher o destino, a época do ano e com quem ir é o começo de tudo. As passagens aéreas costumam ter preços promocionais quando comprada com antecedência e você poderá escolher melhor onde passará as noites.

Dica 2) Pesquise os preços das passagens diariamente.
Se o destino já está definido, comece a buscar as passagens já. Os preços costumam variar diariamente, e sim, podem cair ou subir absurdamente de um dia para o outro. Eu super indico o Google Voos como busca de passagem. Ele apresenta os valores e os horários das mais variadas companhias aéreas e no final, te redireciona para o site da empresa sem te cobrar nenhuma taxa por isso. Além disso, ter em mente a opção de flexibilizar as datas pode te possibilitar um bom desconto no final. Você e o seu vizinho de assento podem estar indo pro mesmo destino, mas pagando valores completamente diferentes.

Dica 3) Use e abuse do Google Maps para escolher a região de hospedagem.
O Google Maps é uma opção de busca com mil e uma utilidades. Depois de escolhida a cidade, pesquise a localização dos principais pontos turísticos que são do seu interesse. Há várias ferramentas para busca de hotéis e pontos turísticos no site. Se você vai depender de transporte público ou ''viação pé'' para conhecer a cidade, uma boa dica para economizar tempo e dinheiro é ficar na região cultural da cidade. Você poderá pagar um pouco mais caro na estadia, mas economizará em outros quesitos.

Dica 4) Utilize os sites de busca de hotéis para fazer as reservas.
Depois de muito pesquisar, descobri que organizar a viagem por conta própria pode sair até pela metade do preço do que seria através de uma agência de viagem. Existem muitos sites de hotéis, mas é bom pesquisar sua credibilidade em fóruns e sites de reclamação. Minha sugestão é o Booking.com, há anos no mercado com milhões de clientes, ele é reconhecido pela sua transparência e grande assistência àqueles que precisaram resolver algum problema. Utilizando as datas de entrada e saída, e os filtros como valor máximo da diária e número de estrelas, você encontra o melhor hotel pro seu gosto e seu bolso.

Dica 5) Seguro Viagem
É imprescindível a contratação de um seguro viagem se você está indo para o exterior. Dependendo do país, uma diária no hospital pode sair mais cara que toda a viagem. Sem falar que em caso de extravio de bagagem e algum problema mais grave com um parente próximo no país de origem, além de outras questões, o seguro tem a cobertura específica. Não se deixe levar pelos pequenos preços. Procure aqueles conhecidos mundialmente e, de preferência, utilizado por algum conhecido. Quanto mais detalhado for, melhor.

Dica 6) Curta a pré-viagem pesquisando
O período antes da viagem é tão gostoso quanto ela, propriamente dita. Aproveite para pesquisar sobre os locais do seu interesse, restaurantes, lojas e principalmente transporte. Hoje, já existe taxímetro online em grandes metrópoles, onde você pode fazer um cálculo estimado da corrida de um lugar a outro. Como o nosso objetivo é a economia, são muitas as alternativas de transporte. Além do bom e velho ônibus, as vans compartilhadas do aeroporto para o hotel podem sair bem mais em conta que o táxi. Para quem for ficar poucos dias em uma grande cidade, os ônibus vermelhos de dois andares, conhecidos por Hop On Hop Off, dão uma geral na cidade, passando pelos principais pontos e possibilitando ao turista parar onde quiser, e esperar pelo próximo nos pontos indicados. Existem ticktes de 24, 48 e 72 horas ilimitado, a partir do momento do primeiro uso.

Pesquisar mais textos:

Letícia Spínola Flávio

Título:Como burlar a crise e fazer a viagem dos sonhos gastando pouco

Autor:Letícia Spínola Flávio(todos os textos)

Imagem por: Bohman

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Adriana SantosAdriana Santos

    10-11-2015 às 21:16:50

    Gostei das dicas! Valeu!
    Realmente, as pessoas que amam viajar encontram diversas formas, nem que seja um lugar próximo a sua cidade!

    Abraços!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios