Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Influência da mente/memória no menu e na dieta

Influência da mente/memória no menu e na dieta

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Saúde
Influência da mente/memória no menu e na dieta

Ninguém contraporá que o ato de se alimentar é uma necessidade básica para a preservação da vida. Mas, na verdade, é muito mais do que isso. Comer traduz, de igual modo, um processo emocional. Quem é que não recorre a um chocolate num momento de maior stress ou angústia? E porque é que inúmeras pessoas torcem o nariz às couves de Bruxelas? O paladar não será a razão principal; talvez se pudessem adiantar os almoços insípidos na escola ou os jantares em casa da avó…

Se pensássemos bem na gordura e nos químicos que um hambúrguer contém e no mal que nos fazem, essa fatia de carne picada e generosamente temperada perderia a atração emocional. A comida boa, saudável, é aquela que a Natureza nos proporciona: frutos, ovos, legumes, sementes, …Já os famosos croissants, os queques, as gomas e toda essa panóplia de “compensadores afetivos” são alimentos processados, e, portanto, não naturais, que não podem ser ingeridos no seu estado puro.

Todavia, os bolos e os doces em geral são associados a felicidade e a momentos prazeirosos. Na idade adulta, tendemos a estabelecer relação entre esses alimentos e uma inigualável sensação de conforto. De facto, a mente é altamente resistente a qualquer tipo de dor e tudo faz para a afastar… A nossa memória gustativa não é crítica relativamente à gastronomia; é somente uma memória. Não repugnaria a ninguém ver um indivíduo criado num ambiente de restrição ao sal, por exemplo, recusar comida ligeiramente mais temperada. Aquilo que se costuma apelidar de hábitos alimentares tem tudo a ver com isto: cada vez que comemos uma coisa estamos a criar uma memória gustativa, e quanto mais comermos dela, maior a memória que guardamos.

A psicoterapia pode ajudar a desmistificar e a debelar algumas crenças que fomos amontoando, tanto no que refere ao prazer como ao desconforto supostamente encerrados em certos alimentos. Comunicar com a nossa mente e “falar” com a comida são atitudes que favorecem um auto-conhecimento capaz de treinar de forma diferente o paladar, tornando-nos pessoas mais equilibradas. Asseverar a um pacote de bolachas de chocolate: «Não vais comigo, porque os teus efeitos nas ancas retiram-me a silhueta que o meu bikini preferido exige e o perigo de diabetes aumenta» é meio caminho andado para que essas bolachas percam a força de sedução. Afinal, uma doença ou um aumento de peso não são recompensas… Existem muitas outras formas de conforto que não envolvem comida! Os hábitos alteram-se com facilidade.

Maria Bijóias

Título: Influência da mente/memória no menu e na dieta

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

652 

Comentários - Influência da mente/memória no menu e na dieta

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O que é uma Open House?

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Imóveis Venda
O que é uma Open House?\"Rua
Este é um tema que vem pôr muito a lindo o trabalho de alguns mediadores imobiliários e do seu trabalho.

Quando temos um imóvel para vender, muitos são os métodos a utilizar e os meios que nos levam até eles para termos o nosso objetivo cumprido – A venda da Casa.
Quando entregamos o nosso imóvel para que uma mediadora o comercialize, alguns aspetos têm de ser tidos em conta, como a legalidade da empresa e quem será a pessoa responsável pela divulgação da sua casa, mas a ansia de vermos o negócio concretizado é tanta, que muitas vezes nos escapa a forma como fazem a referida divulgação e publicidade do imóvel.

Entre anúncios na internet e as conhecidas folhas nas montras dos estabelecimentos autorizados, muitas mediadoras optam por fazer uma ação que está agora muito em voga que é uma Open House. Mas afinal, o que é isto de nome estrangeiro que tanto se vê pelas ruas e em folhetos de anúncio?

Ora bem, a designação em Português é muito simples – Casa Aberta. E na realidade, uma Open House é isso mesmo. Abrir uma Casa para que todos a possam ver. NO entanto, requerem-se alguns aspetos que as mediadoras normalmente preveem, mas que é fundamental que o proprietário do imóvel também tenha consciência e conhecimento.

Por norma as imobiliárias só fazem este tipo de intervenção e ação em imóveis que têm como exclusivo, isto é, quando é uma só determinada mediadora, a autorizada a poder comercializar o imóvel.

Em segundo lugar, este tipo de ação de destaque requer à mediadora custos com tempo, recursos humanos e financeiros.
A mediadora começa por marcar um dia próprio que por norma é datado para um feriado ou fim de semana. Faz então publicidade local através de folhetos e flyres anunciando a Open House, o dia e a hora, tal como o local. Muito provavelmente serão tiradas fotografias ao seu imóvel.

Através de redes sociais também poderão ser divulgadas as ações.
No dia da Open House, o local será indicado com publicidade da sua casa e da imobiliária e começarão a aparecer visitas ao imóvel.

Sugiro que não tenha mobiliário e muito menos valores em casa. O ideal será o imóvel estar desocupado de todos e quaisquer bens, por uma questão de segurança, mas também porque as áreas parecerão maiores e isso com toda a certeza ajuda à venda.

A imobiliária será responsável pela limpeza e trato do imóvel, pelo que se ocorrerem danos, serão eles os responsáveis.
Neste tipo de ações, é normal que a concorrência das imobiliárias apareça e faça parcerias que para si só trará vantagens.

Uma Open House pode não ser uma ação de destaque em Portugal, mas por exemplo nos Estados Unidos, é o normal e mais agradável. Os clientes não se sentem pressionados como numa visita normal e os negócios concretizam-se com muito mais rapidez e naturalidade.

Pesquisar mais textos:

Carla Horta

Título:O que é uma Open House?

Autor:Carla Horta(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios