Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Antes que seja tarde 5º capitulo

Antes que seja tarde 5º capitulo

Categoria: Literatura
Antes que seja tarde 5º capitulo

"Um pedaço de pão comido em paz é melhor do que um banquete comido com ansiedade."

Esopo

7 De Junho de 2005

O medo rompe o silêncio. Funde-se nos relâmpagos que rebentavam no céu debaixo do corpo e alma da chuva que descia pelos céus obscuros naquela tarde de verão mas que estava assombrada pela frieza da luz que fazia congelar os corações mais voláteis. Fecham-se os olhos, revivem-se os sonhos perfumados de ilusões, transpirando sentimentos pintados a preto e branco, por um instante um sonho diferente, uma vida cheia de magia que acompanha os desejos e que desvanece numa madrugada de nevoeiro que percorre cada batimento da máquina. Sente os dedos fundirem-se na chuva intensa, debaixo dos flashes dos relâmpagos, lágrimas de coragem sobre a dor que ninguém sabe. Sente-se perdido, mergulhado no pecado fingidor de uma lua solitária, demasiado amor para sobreviver num coração que jamais se renderá. Mas volta a brilhar o arco-íris, sente o calor do isqueiro que caminhava em direcção ao cigarro que esperava nos seus lábios, secos mas famintos do vício. Sente-se liberto, num mundo a parte da escuridão que assombrava a sua sombra, deixara de sentir medo, enfrentara cara a cara o medo mas este ganhava terreno a cada passo do ponteiro do relógio. Estava numa luta desigual, sem piedade, que lhe percorre a espinha, se derrama na suas veias e desacelera a máquina que teima em deixar de bater mais cedo ou mais tarde. Dá fulgor a um novo acender do cigarro fundido nos seus lábios, alimentando a boca de uma chuva incandescente que não que não lhe queima o corpo mas a mente.

Isabel aproxima-se dele devagar, pelo quarto onde a lua se teimava em deitar sensualmente nos lençóis roxos acalmando a tempestade e parar o tempo nem que fosse por um segundo. Os seus olhos rompiam com cada foco de luz vindo do céu, quebravam o passo sensual, beijando o coração de sensualidade voraz e se desfazendo com a espuma do sal do mar. Vivia uma ilusão como uma criança enamorada, coração apertado, uma luz que a guiavam a Afonso, volátil no tempo, desfeito pelos vícios e perdidos nas suas curvas eróticas onde qualquer homem perdia o controlo de si mesmo e se despistava em cada latido esfomeado que batia dentro dos peitos.

A mão dela pousa no ombro de Afonso, pousava na grande aventura que os dois construíram, rebentaram fronteiras e se saciavam em cada sonho doce e erótico em rumo ao desejo de um capricho que sufocava o amor que como um malmequer, cujas folhas brancas e finas desciam perfumando a ilusão de uma grande ilusão de sentimentos derramando-se num chão de areia junto ao mar. Afaga os braços em silêncio sobre o peito de Afonso. Os seus lábios mexiam-se sob o culminar da chama do cigarro. Isabel aperta com força o peito frágil de Afonso, entrelaçam-se as almas do ritmo da emoção, rebentam as correntes do real e os levam, no culminar e desapego de mais um cigarro, a mais uma ilusão erótica desgarrada pelos corpos, descarregada pela alma até ao fulminar do derrame dos desejos e paixões caprichosas no cume da montanha do prazer instantâneo.



2 De agosto de 2005

Os dias molhados pela chuva intensa e relampejante, desapareceram. A cor dos dias de verão voltara em força. O calor apertava e desfazia as nuvens eclipsadas O ar estava quente, escaldava a cada movimento, a cada brisa que não refrescava mas aquecia a mente a cada segundo que passava, movimentava cada flor que ia secando, amarela, que ia morrendo a cada brisa daquele Verão. O calor fazia os corpos procurarem dentro do calor humano, dentro de outro corpo a desejada frieza que os mantinha neste mundo.

-Isabel?! – Chama Afonso, pela manha. Procurara com o seu braço direito o corpo de Isabel mas sem sucesso. Não estava ao seu lado, o seu corpo belo, definido e provocante.

Levanta-se, ainda com preguiça mas com medo. A falta de Isabel ao seu lado sufocava-o, fazia-o sentir-se a morrer por dentro sem o brilho dos olhos azuis de Isabel que lhe faziam circular o sangue nas veias, alimentavam a máquina antes da derradeira paragem.

Isabel puxava para baixo a curta saia preta, apertava o botão da camisa, que se fazia demasiado provocador e passara com as mãos na tímida barriga…

Rafael estava com ela, apesar do seu estado ainda um pouco lastimável, pouco cuidado, com a roupa que se assemelhava mais a uma folha de papel dentro de uma mão cheia de raiva. Tinha a barba por fazer há inúmeros dias, já lhes perdera a conta. Sentiu-se cansado da espera, acaba por se sentar nas duras cadeiras pretas da sala de espera. Isabel andava ás voltas sob o som do eco dos seus sapatos na sala. Olha para o relógio da sala, preto e branco, debaixo das paredes pálidas e do chão sem cor.

O tempo parecia não passar, mas o mundo parecia ter parado quando Rafael se ergue e olha para o corredor que tinha ligação a sala de espera. As lágrimas escorreram-lhe pelos olhos, não contera e emoção, a decepção, o desgosto que sentia e com o qual tinha de lidar. Isabel olha para ele e apercebe-se do estado dele. Vira o seu olhar para o corredor, fica estática, ainda debaixo do som do último eco do último passo. Os seus olhos pareciam um vitral, vidrados na figura idosa que vinha na sua direcção, uma figura tremula, vestida de negro, sustentada pela bengala já gasta e do braço do enfermeiro. A cada passo que se aproximava das duas figuras estáticas, Rafael encontrava-se cada vez mais fraco, cada vez com menos forças para suportar a força e dureza da dor. Apesar de ser um ritual que fazia todos os domingos parecia que a cada domingo a carga de sentimento parecia afundar cada vez mais na mágoa, na fraqueza da força dos sentimentos que se expressavam cada vez mais por cada vez que o enfermeiro levava a sua mãe até ele para passar uma hora de uma viagem no tempo, muda, sem cor, apenas com presenças de corpo, sem alma que navegava nos setes mares da alma perdida.

Afonso acabara de sair do banho, debaixo da toalha verde, segue a cozinha onde vê um bilhete com o seu nome. Larga o bilhete que esvoaçava pela cozinha até cair no chão negro, perde a toalha pelo percurso, veste-se rápido e sai a correr ao seu encontro. Conduz entre as ruas, debaixo do trânsito caloroso Perde-se entre os cruzamentos entrelaçados, sem fim nem princípio infinitos na ansiedade de Afonso.

Isabel não aguentara muito tempo dentro da muralha que fizera sobre si mesma, sentia a muralha a desmoronar sob o bombardear dos seus sentimentos a flor da pele, sinceros, envolto na humildade da dor e da agonia sentada no seu trono coroada por ninguém, reinando a dor insuportável no seu reino através dos seus olhos olhando pelos seus olhos ainda vidrados para a paisagem de mãe e filho passeando no silencio dos caminhos do jardim perfumado de jasmim, dos passos lentos, mudos e sem desejo de sentimentos do costume de uma mãe que esquecera o mundo e vivia apenas num mundo impenetrável, num mundo apenas seu sem memorias ou recordações do respirar dos tempos dourados ou dos negros que a abandonaram num mundo de uma folha branca de papel virgem. Isabel despede-se com um beijo na cara emocionada de Rafael e na testa da velha senhora que sentira o calor do beijo mas depressa congelara e esquecera o gesto ternurento.
Afonso volta a casa, sem sinal nem rumo do calor do corpo de Isabel, perdera a emoção da ansiedade. Envolvera-se da raiva que sentia, dos ciúmes que flamejavam no seu coração, sem razão nem ser mas que, incendiavam cada gota de sangue que percorria ferverosamente o seu corpo. Sentia-se traído, a corroer por dentro como se uma chuva acida vinda da sua mente lhe ataca-se o coração e o volta-se a transformar na pedra de gelo que fora durante imensos anos.

O sangue congela, deixa a frieza apoderar-se de todo o seu corpo, que lhe apertara o peito com imensa força, insustentável de volta ao seu modo congelado, sem sentimentos ou emoções. Sente o peito comprimido contra as costelas, os pulmões vazios e sem ar, o oxigénio que teimava em entrar e que o envenenavam apenas e o fizeram fechar os olhos e cair inanimado no meio da sala.


Tiago Manso

Título: Antes que seja tarde 5º capitulo

Autor: Tiago Manso (todos os textos)

Visitas: 0

774 

Comentários - Antes que seja tarde 5º capitulo

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Secretária em vidro

Ler próximo texto...

Tema: Mobiliário
Secretária em vidro\"Rua
A maior parte das casas tem um escritório para fazer os trabalhos relativos Á profissão ou outros. È uma divisão extremamente necessária para as pessoas se recolherem a trabalhar. Por isso o escritório deve ser um local com conforto e agradável. O ambiente torna-se extremamente importante para o recolhimento necessário e a concentração que certos trabalhos exigem. Se não se tiver no local de trabalho tem de construir-se em casa.

Em todas as profissões é útil ter uma secretária para colocar um computador portátil. Livros e outros acessórios. É uma peça de mobiliário que não se dispensa de forma nenhuma. Desde sempre que foi indispensável na escola, no escritório, na empresa. A sua funcionalidade é como a do computador que praticamente não se dispensa. Para onde se vá leva-se o computador portátil a servir de complemento.

No que diz respeito à secretária ela exige um bom material e design bonito. E de facto há secretárias muito belas desde o seu modelo ao material e design. Por exemplo uma secretária em vidro fica muito bem num escritório amplo de uma vivenda ou numa empresa particular bem decorada. Pode colocar-se também num pequeno escritório de um apartamento ou numa sala especial e decorada a gosto. Há quem prefira ter uma secretária num espaço pequeno especificamente para trabalho. Deste modo concentra-se mais nele e não pensa no que tem para fazer em casa. Ou seja, dá mais prioridade ao que eventualmente tenha que fazer numa secretária. Para além de ajudar a decorar e embelezar o espaço onde se coloca dá um certo ar de charme e gramou num ambiente. Se este for decorado com objectos bonitos de decoração e uma estante para livros dá um ar mais intelectual ao ambiente. Deste modo mais propício para o recolhimento.

Não é por acaso que muita gente prefere o seu escritório para passar as horas que dispõe no seu quotidiano ou fins – de - semana. É um local propício a pensar mais nos projectos, no trabalho e nos encargos da vida. Deste modo cada divisão da casa tem uma funcionalidade diferente e um ar distinto dos restantes.

Não quer dizer que uma secretária em vidro não fique adaptada noutro local que não seja para o trabalho de estudantes ou outros, ela pode ainda adaptar-se para embelezar ou harmonizar espaços que estejam por preencher numa casa maior ou outro local. Sem dúvida que a secretária em vidro não vai deixar mal nenhum espaço onde se coloque.

Pesquisar mais textos:

Teresa Maria Batista Gil

Título:Secretária em vidro

Autor:Teresa Maria Gil(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    20-04-2014 às 15:52:38

    Fantástico texto! A Rua Direita agradece!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios