Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Antes que seja tarde 5º capitulo

Antes que seja tarde 5º capitulo

Categoria: Literatura
Antes que seja tarde 5º capitulo

"Um pedaço de pão comido em paz é melhor do que um banquete comido com ansiedade."

Esopo

7 De Junho de 2005

O medo rompe o silêncio. Funde-se nos relâmpagos que rebentavam no céu debaixo do corpo e alma da chuva que descia pelos céus obscuros naquela tarde de verão mas que estava assombrada pela frieza da luz que fazia congelar os corações mais voláteis. Fecham-se os olhos, revivem-se os sonhos perfumados de ilusões, transpirando sentimentos pintados a preto e branco, por um instante um sonho diferente, uma vida cheia de magia que acompanha os desejos e que desvanece numa madrugada de nevoeiro que percorre cada batimento da máquina. Sente os dedos fundirem-se na chuva intensa, debaixo dos flashes dos relâmpagos, lágrimas de coragem sobre a dor que ninguém sabe. Sente-se perdido, mergulhado no pecado fingidor de uma lua solitária, demasiado amor para sobreviver num coração que jamais se renderá. Mas volta a brilhar o arco-íris, sente o calor do isqueiro que caminhava em direcção ao cigarro que esperava nos seus lábios, secos mas famintos do vício. Sente-se liberto, num mundo a parte da escuridão que assombrava a sua sombra, deixara de sentir medo, enfrentara cara a cara o medo mas este ganhava terreno a cada passo do ponteiro do relógio. Estava numa luta desigual, sem piedade, que lhe percorre a espinha, se derrama na suas veias e desacelera a máquina que teima em deixar de bater mais cedo ou mais tarde. Dá fulgor a um novo acender do cigarro fundido nos seus lábios, alimentando a boca de uma chuva incandescente que não que não lhe queima o corpo mas a mente.

Isabel aproxima-se dele devagar, pelo quarto onde a lua se teimava em deitar sensualmente nos lençóis roxos acalmando a tempestade e parar o tempo nem que fosse por um segundo. Os seus olhos rompiam com cada foco de luz vindo do céu, quebravam o passo sensual, beijando o coração de sensualidade voraz e se desfazendo com a espuma do sal do mar. Vivia uma ilusão como uma criança enamorada, coração apertado, uma luz que a guiavam a Afonso, volátil no tempo, desfeito pelos vícios e perdidos nas suas curvas eróticas onde qualquer homem perdia o controlo de si mesmo e se despistava em cada latido esfomeado que batia dentro dos peitos.

A mão dela pousa no ombro de Afonso, pousava na grande aventura que os dois construíram, rebentaram fronteiras e se saciavam em cada sonho doce e erótico em rumo ao desejo de um capricho que sufocava o amor que como um malmequer, cujas folhas brancas e finas desciam perfumando a ilusão de uma grande ilusão de sentimentos derramando-se num chão de areia junto ao mar. Afaga os braços em silêncio sobre o peito de Afonso. Os seus lábios mexiam-se sob o culminar da chama do cigarro. Isabel aperta com força o peito frágil de Afonso, entrelaçam-se as almas do ritmo da emoção, rebentam as correntes do real e os levam, no culminar e desapego de mais um cigarro, a mais uma ilusão erótica desgarrada pelos corpos, descarregada pela alma até ao fulminar do derrame dos desejos e paixões caprichosas no cume da montanha do prazer instantâneo.



2 De agosto de 2005

Os dias molhados pela chuva intensa e relampejante, desapareceram. A cor dos dias de verão voltara em força. O calor apertava e desfazia as nuvens eclipsadas O ar estava quente, escaldava a cada movimento, a cada brisa que não refrescava mas aquecia a mente a cada segundo que passava, movimentava cada flor que ia secando, amarela, que ia morrendo a cada brisa daquele Verão. O calor fazia os corpos procurarem dentro do calor humano, dentro de outro corpo a desejada frieza que os mantinha neste mundo.

-Isabel?! – Chama Afonso, pela manha. Procurara com o seu braço direito o corpo de Isabel mas sem sucesso. Não estava ao seu lado, o seu corpo belo, definido e provocante.

Levanta-se, ainda com preguiça mas com medo. A falta de Isabel ao seu lado sufocava-o, fazia-o sentir-se a morrer por dentro sem o brilho dos olhos azuis de Isabel que lhe faziam circular o sangue nas veias, alimentavam a máquina antes da derradeira paragem.

Isabel puxava para baixo a curta saia preta, apertava o botão da camisa, que se fazia demasiado provocador e passara com as mãos na tímida barriga…

Rafael estava com ela, apesar do seu estado ainda um pouco lastimável, pouco cuidado, com a roupa que se assemelhava mais a uma folha de papel dentro de uma mão cheia de raiva. Tinha a barba por fazer há inúmeros dias, já lhes perdera a conta. Sentiu-se cansado da espera, acaba por se sentar nas duras cadeiras pretas da sala de espera. Isabel andava ás voltas sob o som do eco dos seus sapatos na sala. Olha para o relógio da sala, preto e branco, debaixo das paredes pálidas e do chão sem cor.

O tempo parecia não passar, mas o mundo parecia ter parado quando Rafael se ergue e olha para o corredor que tinha ligação a sala de espera. As lágrimas escorreram-lhe pelos olhos, não contera e emoção, a decepção, o desgosto que sentia e com o qual tinha de lidar. Isabel olha para ele e apercebe-se do estado dele. Vira o seu olhar para o corredor, fica estática, ainda debaixo do som do último eco do último passo. Os seus olhos pareciam um vitral, vidrados na figura idosa que vinha na sua direcção, uma figura tremula, vestida de negro, sustentada pela bengala já gasta e do braço do enfermeiro. A cada passo que se aproximava das duas figuras estáticas, Rafael encontrava-se cada vez mais fraco, cada vez com menos forças para suportar a força e dureza da dor. Apesar de ser um ritual que fazia todos os domingos parecia que a cada domingo a carga de sentimento parecia afundar cada vez mais na mágoa, na fraqueza da força dos sentimentos que se expressavam cada vez mais por cada vez que o enfermeiro levava a sua mãe até ele para passar uma hora de uma viagem no tempo, muda, sem cor, apenas com presenças de corpo, sem alma que navegava nos setes mares da alma perdida.

Afonso acabara de sair do banho, debaixo da toalha verde, segue a cozinha onde vê um bilhete com o seu nome. Larga o bilhete que esvoaçava pela cozinha até cair no chão negro, perde a toalha pelo percurso, veste-se rápido e sai a correr ao seu encontro. Conduz entre as ruas, debaixo do trânsito caloroso Perde-se entre os cruzamentos entrelaçados, sem fim nem princípio infinitos na ansiedade de Afonso.

Isabel não aguentara muito tempo dentro da muralha que fizera sobre si mesma, sentia a muralha a desmoronar sob o bombardear dos seus sentimentos a flor da pele, sinceros, envolto na humildade da dor e da agonia sentada no seu trono coroada por ninguém, reinando a dor insuportável no seu reino através dos seus olhos olhando pelos seus olhos ainda vidrados para a paisagem de mãe e filho passeando no silencio dos caminhos do jardim perfumado de jasmim, dos passos lentos, mudos e sem desejo de sentimentos do costume de uma mãe que esquecera o mundo e vivia apenas num mundo impenetrável, num mundo apenas seu sem memorias ou recordações do respirar dos tempos dourados ou dos negros que a abandonaram num mundo de uma folha branca de papel virgem. Isabel despede-se com um beijo na cara emocionada de Rafael e na testa da velha senhora que sentira o calor do beijo mas depressa congelara e esquecera o gesto ternurento.
Afonso volta a casa, sem sinal nem rumo do calor do corpo de Isabel, perdera a emoção da ansiedade. Envolvera-se da raiva que sentia, dos ciúmes que flamejavam no seu coração, sem razão nem ser mas que, incendiavam cada gota de sangue que percorria ferverosamente o seu corpo. Sentia-se traído, a corroer por dentro como se uma chuva acida vinda da sua mente lhe ataca-se o coração e o volta-se a transformar na pedra de gelo que fora durante imensos anos.

O sangue congela, deixa a frieza apoderar-se de todo o seu corpo, que lhe apertara o peito com imensa força, insustentável de volta ao seu modo congelado, sem sentimentos ou emoções. Sente o peito comprimido contra as costelas, os pulmões vazios e sem ar, o oxigénio que teimava em entrar e que o envenenavam apenas e o fizeram fechar os olhos e cair inanimado no meio da sala.


Tiago Manso

Título: Antes que seja tarde 5º capitulo

Autor: Tiago Manso (todos os textos)

Visitas: 0

774 

Comentários - Antes que seja tarde 5º capitulo

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Ex-Machina e a máxima: cuidado ao mexer com os robôs.

Ler próximo texto...

Tema: DVD Filmes
Ex-Machina e a máxima: cuidado ao mexer com os robôs.\"Rua
Este texto irá falar sobre o filme Ex_Machina, nele podem e vão ocorrer Spoillers, então se ainda não viram o filme, vejam e voltem depois para lê-lo.

Impressões iniciais:

Ponto para o filme. Já que pela sinopse baixei a expectativa ao imaginar que era apenas mais um filme de robôs com complexo de Pinóquio, mas evidentemente que é muito mais que isso.

Desde as primeiras cenas é possível perceber que o filme tem algo de especial, pois não vemos uma cena de abertura com nenhuma perseguição, explosão ou ação sem propósito, típica em filmes hollywoodianos.
Mais um ponto, pois no geral o filme prende mais nos diálogos cerebrais do que na história em si, e isso é impressionante para o primeiro filme, como diretor, de Alex Garland (também roteirista do filme). O filme se mostrou eficiente em criar um ambiente de suspense, em um enredo, aparentemente sem vilões ou perigos, que prende o espectador.

Entrando um pouco no enredo, não é difícil imaginar que tem alguma coisa errada com Nathan Bateman (Oscar Isaac), que é o criador do android Ava (Alicia Vikander), pois ele vive isolado, está trabalhando num projeto de Inteligência Artificial secreto e quando o personagem orelha, Caleb Smith (Domhnall Gleeson), é introduzido no seu ambiente, o espectador fica esperando que em algum momento ele (Nathan) se mostrará como vilão. No entanto isso ocorre de uma forma bastante interessante no filme, logo chegaremos nela.

Falando um pouco da estética do filme, ponto para ele de novo, pois evita a grande cidade (comum nos filmes de FC) como foco e se concentra mais na casa de Nathan, que fica nas montanhas cercadas de florestas e bastante isolado. Logo de cara já é possível perceber que a estética foi pensada para ser lembrada, e não apenas um detalhe no filme. A pesar do ambiente ser isolado era preciso demonstras que os personagens estão em um mundo modernizado, por isso o cineasta opta por ousar na arquitetura da casa de Nathan.

A casa é nesses moldes novos onde a construção se mistura com o ambiente envolta. Usando artifícios como espelhos, muitas paredes de vidro, estruturas de madeira e rochas, dando a impressão de camuflagem para a mesma, coisa que os ambientalistas julgam favorável à natureza. Por dentro se pode ver de forma realista como podem ser as smart-house, não tenho certeza se o termo existe, mas cabe nesse exemplo. As paredes internas são cobertas com fibra ótica e trocam de cor, um efeito que além de estético ajuda a criar climas de suspense, pois há momentos onde ocorrem quedas de energia, então fica tudo vermelho e trancado.

O papel de Caleb á ajudar Nathan a testar a IA de AVA, mas com o desenrolar da história Nathan revela que o verdadeiro teste está em saber se Ava é capaz de “usar”, ou “se aproveitar” de Caleb, que se demonstra ser uma pessoa boa.

Caleb é o típico nerd introvertido, programador, sem amigos, sem família e sem namorada. Nathan também representa a evolução do nerd. O nerd nos dias de hoje. Por fora o cara é careca, barbudão com uns traços orientais (traços indianos, pois a Índia também fica no Oriente), bebê bastante e ao mesmo tempo malha e mantém uma dieta saudável pra compensar. E por dentro é um gênio da programação que criou, o google, o BlueBook, que é um sistema de busca muito eficiente.

Destaque para um diálogo sobre o BlueBook, onde Nathan fala para Caleb:
“Sabe, meus concorrentes estavam tão obcecados em sugar e ganhar dinheiro por meio de compras e mídia social. Achavam que ferramenta de pesquisa mapeava O QUE as pessoas pensavam. Mas na verdade eles eram um mapa de COMO as pessoas pensavam”.

Impulso. Resposta. Fluido. Imperfeição. Padronização. Caótico.

A questão filosófica vai além disso esbarrando no conceito de “vontade de potência”, de Nietzche, mas sobre isso não irei falar aqui, pois já há textos muito bons por aí.

Tem outra coisa que o filme me lembrou, que eu não sei se é referência ou se foi ocasional, mas o local onde Ava está presa e a forma como ela fica deitada num divã, e questiona se Caleb a observa por detrás das câmeras, lembra o filme “A pele que habito” de Almodóvar, um outro filme excelente que algum dia falarei por aqui.

Talvez seja uma versão “O endoesqueleto de metal e silicone que habito”, ou “O cérebro positrônico azul que habito”, mesmo assim não podia deixar de citar a cena por que é muito interessante.

Pesquisar mais textos:

Jhon Erik Voese

Título:Ex-Machina e a máxima: cuidado ao mexer com os robôs.

Autor:Jhon Erik Voese(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Suassuna 11-09-2015 às 02:03:47

    Gostei do texto, irei conferir o filme.

    ¬ Responder
  • Jhon Erik VoeseJhon Erik Voese

    15-09-2015 às 15:51:02

    Que bom, obrigado! Espero que goste do filme também!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios