Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Imóveis Venda > O valor de uma terra

O valor de uma terra

Categoria: Imóveis Venda
O valor de uma terra

Ser-se detentor de uma terra constitui uma riqueza inestimável. Quer sejam comprados ou alugados, os terrenos dão azo ao cultivo de alimentos, a passeios, ao contacto com o campo, à formação da fantástica lama que levamos agarrada ao rasto dos sapatos ou botas para dentro de casa, à edificação de sonhos e, porque não, à sua sepultura, como é o caso dos cemitérios.

Enquanto seres terrestres (embora alguns persistam na ilusão de que são autênticos “anjinhos…), o estar responsável por um pedaço de chão é algo que mexe com a natureza intrínseca de cada um.

Trata-se do chamamento das origens, ao qual nem os “ratos de cidade” ficam indiferentes. Para estes sim, na maioria das vezes, dava muito jeito ter uma asinhas…

Engarrafamentos à parte, os terrenos albergam ainda, em variadíssimos locais, coelhos e outras espécies desvairadamente perseguidas por caçadores, uns credenciados e outros fortuitos.

A propósito de caçada, os terrenos foram, num passado ainda recente, palco de verdadeiras “caças ao tesouro”, na busca do dinheiro que as pessoas de mais idade costumavam esconder no quintal.

Hoje em dia, temos formas bastante mais higiénicas e sedutoras de enterrar, literalmente, o capital, como em certas contas poupança e outras aplicações propostas como imensamente rentáveis por instituições bancárias. Graças a estes mesmos Bancos, há muita gente enterrada de dívidas até ao pescoço, com tendência a subir.

O que também vai subindo é o preço dos terrenos, pelo que arrendar pode apresentar-se como uma alternativa mais vantajosa.

Para o meio ambiente, e para a própria harmonia da paisagem, importa que se reduzam os baldios, que em nada aproveitam a ninguém. Seja como for, e enterrando ou desenterrando coisas, o que realmente interessa é ter sempre «os pés bem assentes na terra» …


Rua Direita

Título: O valor de uma terra

Autor: Rua Direita (todos os textos)

Visitas: 0

601 

Imagem por: MarvinSiefke

Comentários - O valor de uma terra

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Pulp Fiction: 20 anos depois

Ler próximo texto...

Tema: Arte
Pulp Fiction: 20 anos depois\"Rua
Faz hoje 20 anos que estreou um dos mais importantes ícones cinematográficos americanos.

Pulp Fiction é um marco do cinema, que atirou para a ribalta Quentin Tarantino e as suas ideias controversas (ainda poucos tinham visto o brilhante “Cães Danados”).

Repleto de referências ao cinema dos anos 70 e com uma escolha de casting excepcional, Pulp Fiction conquistou o público com um discurso incisivo (os monólogos bíblicos de Samuel L. Jackson são um exemplo disso), uma violência propositadamente mordaz e uma não linearidade na sucessão dos acontecimentos, tudo isto, associado a um ritmo alucinante.

As três narrativas principais entrelaçadas de dois assassinos, um pugilista e um casal, valeram-lhe a nomeação para sete Óscares da Academia, acabando por vencer na categoria de Melhor Argumento Original, ganhando também o Globo de Ouro para Melhor Argumento e a Palma D'Ouro do Festival de Cannes para Melhor Filme.

O elenco era composto por nomes como John Travolta, Samuel L. Jackson, Bruce Willis, Uma Thurman e (porque há um português em cada canto do mundo) Maria de Medeiros.

Para muitos a sua banda sonora continua a constar na lista das melhores de sempre, e na memória cinéfila, ficam eternamente, os passos de dança de Uma Thurman e Travolta.

As personagens pareciam ser feitas à medida de cada actor.
Para John Travolta, até então conhecido pelos musicais “Grease” e “Febre de Sábado à Noite”, dar vida a Vincent Vega foi como um renascer na sua carreira.

Uma Thurman começou por recusar o papel de Mia Wallace, mas Tarantino soube ser persuasivo e leu-lhe o guião ao telefone até ela o aceitar.

Começava ali uma parceria profissional (como é habitual de Tarantino) que voltaria ao topo do sucesso com “Kill Bill”, quase 10 anos depois.

Com um humor negro afiadíssimo, Tarantino provou em 1994 que veio para revolucionar o cinema independente americano e nasceu aí uma inspirada carreira de sucesso, que ainda hoje é politicamente incorrecta, contradizendo-se da restante indústria.

Pulp Fiction é uma obra genial. Uma obra crua e simultaneamente refrescante, que sobreviveu ao tempo e se tornou um clássico.
Pulp Fiction foi uma lição de cinema!

Curiosidade Cinéfila:
pulp fiction ou revista pulp são nomes dados a revistas feitas com papel de baixa qualidade a partir do início de 1900. Essas revistas geralmente eram dedicadas às histórias de fantasia e ficção científica e o termo “pulp fiction” foi usado para descrever histórias de qualidade menor ou absurdas.

Pesquisar mais textos:

Carla Correia

Título:Pulp Fiction: 20 anos depois

Autor:Carla Correia(todos os textos)

Imagem por: MarvinSiefke

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios