Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Fotografia > Fotografia - um registo do passado

Fotografia - um registo do passado

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Fotografia
Comentários: 3
Fotografia - um registo do passado

Uma fotografia está mais perto do tempo ou do espaço? “Do espaço” é a resposta da maioria. E se é verdade que a fotografia é o registo (graphé=grafia=escrita) do visível (photós=foto=luz), também é certo que essa imagem corpórea existiu antes, durante e depois do clique, enquanto que o segundo temporal registado não se repete, nem em parecenças ou similitudes.

Mais do que a matéria, é o tempo que fica registado, numa espécie de cronografia fotovoltaica. Aquela respiração e aquele bater do coração no momento do disparo da máquina fotográfica. É esse pedaço de vida (do que está aquém e além da objetiva) que fica pendurado na moldura “para mais tarde recordar”.

É em função do tempo que passou e daquele que virá, que a fotografia prolonga emoções e distende momentos, alargando a amplitude de observação de paisagens vivas, que de outra forma passariam ao lado da nossa atenção, sem terem a oportunidade de tocar as vivências dos observadores.

À semelhança da escrita, que permite a viagem do pensamento para outros locais, culturas e intelectos, a fotografia é o veículo de locomoção do que os olhos veem e do que a alma sente. Transporta imagens e respetivas sensações (genuínas ou provocadas) ao longo de séculos, retratanto a história das gerações humanas e das transformações mundanas, e revela aos olhos que estão para vir/ver, as várias faces da Humanidade e do Universo.

A amplitude da gravação depende do tipo de câmara fotográfica utilizada e do ambiente em que se insere. Uma imagem fixada no ar ou dentro de água, imóvel ou com a intervenção de movimento ou de velocidade, física ou infra-material (como o raio-x), com luz natural, articial ou infravermelho, com captação de cor ou à base de pretos/brancos/cinzas são alguns dos exemplos das variações possíveis a registar.

Com a evolução da tecnologia, pode dizer-se que o mundo nos cabe na palma da mão, já que o telemóvel de hoje, por exemplo, nos permite gravar os instantes que entendemos serem dignos de registo num pedaço de eternidade póstuma, seja como uma fotografia independente ou (em articulação com as suas pares sucedâneas) com movimento.

De notar que Aristóteles foi o primeiro a delinear o princípio da câmara escura, no séc. IV a.C. e, após várias descobertas, a primeira fotografia surge, com recurso ao magnésio, em 1858, pela mão do físico Nadar.


Carla Santos

Título: Fotografia - um registo do passado

Autor: Carla Santos (todos os textos)

Visitas: 0

693 

Imagem por: Shkumbin

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 3 )    recentes

  • SophiaSophia

    04-05-2014 às 18:10:17

    Realmente, a fotografia registra um pedaço, um pequeno momento de nosso passado. Tão bom é reviver esses momentos. Que belo texto, a Rua Direita agradece!

    ¬ Responder
  • Carla SantosCarla Santos

    28-01-2011 às 12:29:17

    Cara leitora, sim é bem possível. Tal como a escultura de formas pode ser feita sobre diversos materiais (madeira, mármore, granito, etc), também a fixação da luz/sombras/formas (que está na base da fotografia) pode ser feita sobre vários compostos (que determinam a qualidade da imagem e sua durabilidade temporal, bem como os custos afectos à reprodução da mesma), dos quais destaquei o magnésio - utilizado com sucesso em 1858 -, mas já antes disso se conheciam fotografias, nomeadamente com base no lítio. Para mais informações pode consultar a Lexicoteca Portuguesa do Círculo de Leitores, onde encontrará uma cronologia histórica da fotografia. Lamento o atraso na resposta mas só agora vi o seu comentário. Grata pelo seu interesse, espero tê-la esclarecido de modo inequívoco. Votos de sucesso, Carla Santos

    ¬ Responder
  • Robelyo Alvesaurora santos

    05-07-2010 às 13:23:01

    Carla, será possivel uma foto de portimão de 1830/40?agradeço a resposta , a foto está publicada nos -costumes e tradições de portimão. agradeçoa sua ajuda. obrigada , aurora sntos

    ¬ Responder

Comentários - Fotografia - um registo do passado

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A arte de trabalhar a madeira

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Serviços Construção
A arte de trabalhar a madeira\"Rua
A carpintaria constitui, digamos assim, a arte de trabalhar a madeira. É claro que, de acordo com o produto final, se percebe bem que uns carpinteiros são mais artistas do que outros…

Às vezes nem se trata tanto dos pormenores, mas mesmo de desvirtuar o que era a ideia inicial e constava da encomenda. Mal comparado, quase se assemelha à situação daquela aspirante a costureira que pretendia fazer uma camisola para o marido e, no fim, saíram umas calças!

Na construção civil, a madeira é utilizada para diversos fins, temporários ou definitivos. Na forma vitalícia (esperam os clientes!) incluem-se estruturas de cobertura, esquadrias (portas e janelas), forros, pisos e edifícios pré-fabricados.

Quase todos os tipos de madeira podem ser empregues na fabricação de móveis, mas alguns são preferidos pela sua beleza, durabilidade e utilidade. É conveniente conhecer as características básicas de todas as madeiras, como a solidez, a textura e a côr.

Ser capaz de identificar o género de madeira usado na mobília lá de casa pode ajudar a determinar o seu real valor. Imagine-se a possibilidade de uma cómoda velha, que estava prestes a engrossar o entulho para a recolha de lixo, ter sido feita com o que hoje se considera uma madeira rara.

É praticamente equivalente a um bilhete premiado do Euromilhões, dado que se possui uma autêntica relíquia! Nestes casos, a carpintaria entra na área do restauro e da recuperação. Afinal, nem tudo o que é velho se deita fora…

Por outro lado, as madeiras com textura mais fraca são frequentemente manchadas para ganhar personalidade. Aqui há que remover completamente o acabamento para se confirmar a verdadeira natureza da madeira.

É assim também com muita gente: tirando a capa, mostram-se autenticamente. Mas destes, nem um artificie com “bicho-carpinteiro” consegue fazer nada…!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:A arte de trabalhar a madeira

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Imagem por: Shkumbin

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    23-09-2014 às 13:23:35

    Uma excelente técnica que penso ser muito bonito e sofisticado. A arte de trabalhar madeira está sempre em desenvolvimento e crescimento.

    ¬ Responder
  • Rua DireitaRua Direita

    01-06-2014 às 05:18:46

    É ótimo o trabalho com a madeira. Pode-se perceber grandes obras que se faz com ela. Realmente, é uma verdadeira arte!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios