Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Desporto > Porque a bola da Copa do Mundo 2014 se chama Brazuca?

Porque a bola da Copa do Mundo 2014 se chama Brazuca?

Categoria: Desporto
Comentários: 4
Porque a bola da Copa do Mundo 2014 se chama Brazuca?

A FIFA anunciou o nome da bola da Copa do Mundo 2014 que passou por uma votação entre os brasileiros. Nada mais justo para quem vai sediar o maior evento de futebol de todos os tempos e do mundo inteiro. A escolha foi digna, com a cara mesmo do nosso rico Brasil e todos adoraram a escolha.

Tiveram entre os disputados nomes: Bossa Nova e Carnavalesca. Mas, observando bem esses nomes, o melhor, sem dúvida, ficou com o nome Brazuca. Até porque, esse nome tem tudo a ver com a festa brasileira, com o ritmo contagiante e alegre, com o clima animadíssimo em que os brasileiros são por natureza. O povo brasileiro são pessoas de muito calor humano e super divertidos e hospitaleiros com todo mundo.

Mas, porque Brazuca? Você deve estar perguntando-se. Se pudermos dividir a palavra seria “Braz”, iniciais do nome do país, algo que já fica bem fácil de lembrar em qualquer lugar e idioma do mundo e a “uca” que é uma palavra que soa perfeito aos ouvidos de quem ouve, então, brazuca, segundo a Fifa, é um nome que todo idioma poderá soletrar, falar, escrever sem nenhuma dificuldade. Pode ser falada facilmente nas mais diferentes línguas que existem no planeta.

O projeto da bola oficial é que ela inspire as pessoas de fora do país e, com certeza, atingiu essa meta. Ela é dita como: "inspirado por cores vibrantes, a paixão e a herança do Brasil". Seu nome é um termo usado pelos nativos do país, ou seja, "brasileiro" ou para descrever o modo de vida brasileiro. Algo bem curioso a destacar é que a bola foi revelada durante um evento espetacular 3D realizada no Parque Lage, no Rio de Janeiro (Brasil), mas que passou por um processo de teste bem rigoroso de dois anos e meio que envolveram mais de 600 pessoas dos melhores jogadores do mundo. Também, segundo a Adidas, ela é a bola mais experimentada, testada do mundo antes de seu lançamento oficial.

Ela possui as cores da bandeira do Brasil e essas cores vibrantes é que demonstram como o país é alegre, de bem com a vida, hospitaleiros, divertidos, animados e que adoram mesmo é jogar um bom futebol. E, você? Gostou da Brazuca?


Rua Direita

Título: Porque a bola da Copa do Mundo 2014 se chama Brazuca?

Autor: Rua Direita (todos os textos)

Visitas: 0

655 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 4 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãoisa

    21-04-2014 às 23:02:27

    Nossa , agora ja sei Porque a bola da Copa do Mundo 2014 se chama Brazuca

    ¬ Responder
  • SophiaSophia

    22-04-2014 às 19:21:48

    A Rua Direita agradece e volte mais vezes que teremos muito mais novidades!

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãofernadinho

    21-04-2014 às 23:00:30

    que historia linda , adorei...viva Brazuca

    ¬ Responder
  • SophiaSophia

    22-04-2014 às 19:22:30

    A Rua Direita agradece pelas palavras. Volte mais vezes!

    ¬ Responder

Comentários - Porque a bola da Copa do Mundo 2014 se chama Brazuca?

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios