Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > "O Fado" - Pintura de José Malhoa

"O Fado" - Pintura de José Malhoa

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Arte
Visitas: 204
Comentários: 2
"O Fado" - Pintura de José Malhoa

“ O Fado” de José Malhoa é uma obra muito intensa a nível temático tendo sido por isso motivo de análise ao longo de toda a sua vida, é uma das obras mais conhecidas no estrangeiro. Esta obra mostrou algo de novo na pintura do artista (conjuntamente com a obra “Os bêbados”). Nela é possível denotar a sua vontade de representar o que de mais popular podia haver na Lisboa mais encoberta.

Almada Negreiros definiu a obra de Malhoa “Ele tem que dizer a pintar o que não sabem dizer aqueles que ele pinta! Já não é só de pintura que se trata, concerteza é mais do que isso! […] desde as tábuas do político de S. Vicente na Sé de Lisboa, que este povo admirável nunca mais teve quem lhe tirasse o retrato”.

A obra “ O Fado” do pintor José Malhoa é considerada como «Obra-prima de Malhoa». É um ícone do naturalismo da Pintura Portuguesa. É um quadro feito a óleo sobre tela, com 1525mm por 1855mm datado de 1910.

Teve a sua primeira apresentação pública em 1910 na Exposição Internacional de Arte do Centenário da República da Argentina, em Buenos Aires com o título Bajo el Encanto na qual obteve uma medalha de ouro. Só em Janeiro do ano de 1912, num evento realizado por Augusto Gama, seu amigo e discípulo a obra fez parte duma exposição denominada “José Malhoa” e foi exposta em Portugal, na cidade do Porto.

Sous le Charme foi o título da obra no Salão de Paris para onde seguiu após a exposição do Porto e após este esteve patente em Liverpool com o título The Native Song. No ano de 1915 esta obra viajou até S. Francisco, e esteve exposta na Panamá – Pacific International Exposition. Esta obra só esteve exposta no ano de 1917 em Lisboa na 14ª exposição da Sociedade Nacional de Belas Artes, após a qual foi adquirida pela Câmara Municipal de Lisboa, e foi colocada no salão nobre dos Paços do Concelho (na época Sala de Sessões) onde esteve até passar para a exposição permanente do Museu da Cidade.

Á data de hoje a obra encontra-se no Museu do Fado na mesma cidade, tendo sido cedida temporariamente pelo Museu da cidade para fazer parte da exposição integrante do museu do Fado. O Museu do fado oferece ao público um tributo ao fado e aos seus divulgadores. Neste mesmo local é possível ver uma das obras testemunho do universo do fado e da influencia de José Malhoa, O mais Português dos quadros a óleo, de João Vieira, 2005. Muitas foram as obras inspiradas por este quadro e muitas vezes este foi representado por diversos artistas nos mais variados materiais e técnicas de expressão plástica.

A obra «os Bêbados» de 1907 parece mostrar uma sociedade rural que vem corresponder ao individualismo na transgressão moral e urbana do «Fado» de 1910.

«O Fado» é uma homenagem boémia e marginal da sociedade Lisboeta de inícios do século XX pouco representada na altura. Existem duas versões de “O Fado” uma pintada em 1909 e outra em 1910, as duas puderam ser vistas lado a lado numa exposição comemorativa de cem anos na Sociedade Nacional de Belas-Artes em Lisboa. O proprietário da obra datada de 1909 é o empresário Vasco Pereira Coutinho. Esta é uma obra que sintetiza socioculturalmente um povo de uma época.

Nesta obra o artista procurou modelos reais, e um ambiente popular adquirido através da Mouraria, bairro mal “falado” de Lisboa. As suas personagens foram encontradas por lá mesmo, Amâncio, (que conheceu através do fotografo Júlio Novais) arruaceiro e tocador de guitarra e a sua amante Adelaide da Facada (que deve o seu nome à cicatriz que tinha no lado esquerdo da face e era considerada por muitos de fama duvidosa). A acção aqui representada tem como cenário o interior de uma habitação numa zona da Lisboa popular, aquilo que se julga a casa da própria Adelaide (Malhôa realizou alguns estudos para este quadro das personagens integrantes no mesmo).

Existe uma relação entre o título da obra “O Fado” e aquilo que se encontra representado na obra. O fado encontra-se representado de uma maneira característica, as suas personagens, a envolvência do ambiente, a melancolia foi uma inspiração para o quadro. Na obra de Malhoa figurou uma classe baixa da sociedade pouco representada. É uma obra cheia de referências tipicamente portuguesas.

Foi um quadro que viajou por alguns países e agora se encontra na cidade que se representa nele, Lisboa. O seu sentido documental de imagens retratava aquilo que era uma parte da sociedade. Foi uma obra que viveu uma “vida” intensa, tendo viajado por muitos países e tendo sido vista e interpretada por muitas pessoas de características muito diferentes e que ficaram a conhecer algo que de tão português existe o fado e a obra de José Malhoa.


Sónia Henriques

Título: "O Fado" - Pintura de José Malhoa

Autor: Sónia Henriques (todos os textos)

Visitas: 204

776 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • SophiaSophia

    17-06-2014 às 02:57:32

    O fado que ultrapassa a música, agora em forma de pintura e isso é genial! Muito linda a história.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãorita

    28-01-2013 às 19:53:27

    que amor de texto sobre o FADO, gostei e aprendi que afinal Fado nao é só musica "triste" da "saudade" ou do destino , mas um maravilhoso quadro de nome FADO

    ¬ Responder

Comentários - "O Fado" - Pintura de José Malhoa

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Estratégia do arco-íris

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Serviços
Estratégia do arco-íris\"Rua
Pessoas comuns estão a descobrir novas estratégias que supostamente fazem dinheiro rápido. Mas, a verdade da questão é que, isso é quase impossível. Ao longo de sua jornada de negociação, vai experimentar algumas vitórias e derrotas. Então, vejamos uma das estratégias que irá produzir mais vitórias do que derrotas: a estratégia do arco-íris. Esta é uma estratégia muito poderosa que qualquer um pode utilizar, especialmente novatos lá fora. Se é novo no comércio de opções binárias e gostaria de ganhar dinheiro online, esta é a estratégia ideal para si.

A estratégia do arco-íris envolve um período de 6, 14 e 26 períodos, períodos de média móvel exponencial. Estes permitem filtrar os movimentos menores no mercado e dar-lhe uma visão clara da tendência.

O mercado está numa tendência alta quando o período de 6 EMA está no topo dos 14 períodos EMA e dos 26 períodos EMA. A tendência baixa ocorre quando as EMA cruzam-se. Agora, os 26 períodos EMA devem estar no topo da EMA de 14 períodos. Em tendências altas, os comerciantes devem concentrar-se principalmente em opções de compra.

Uma opção de compra pode ser acionada quando o preço para baixo remonta à EMA 14 e começa a mover-se para cima. Uma opção de venda pode ser acionada quando o preço refaz para cima, e os períodos EMA 14 começam a mover-se para baixo.

As vantagens desta estratégia é que muitos dos sinais são precisos e não requerem muita análise para fazer um bom negócio. Com a gestão de risco adequada, pode fazer desta a sua principal estratégia. Mas, antes de tomar essa decisão, saiba que existem algumas desvantagens. O preço às vezes pode ir além dos 14 períodos de EMA. Alguns comerciantes podem não saber como reagir a isso.

Além disso, mesmo se os mercados são tendências, ainda existe a possibilidade de dar sinais falsos, mas com a gestão de riscos aplicadas, esses sinais falsos não causam muito dano. Combinar esta estratégia com coisas como Fibonacci, linhas de tendência ou médias móveis podem ajudar a reduzir as chances de perdas.

Em geral, a estratégia do arco-íris é um grande indicador. Ele faz maravilhas nos mercados de tendências e é muito fácil de usar para os comerciantes de todos os níveis. No fim de contas, é apenas uma questão de fazer uma boa gestão de risco. É uma ótima estratégia para iniciantes começarem a usar e obterem vitórias, experiência e bastante dinheiro.

Pesquisar mais textos:

Jerónimo Diogo Magalhães

Título:Estratégia do arco-íris

Autor:Jerónimo Diogo Magalhães(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios