Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Utilidades Domésticas > O reino da colher de pau...

O reino da colher de pau...

Visitas: 26
Comentários: 2
O reino da colher de pau...

Quando se fala em utilidades domésticas, pensa-se em “coisitas”, porventura pormenores de su menos importância, a que não se dá o devido valor. Mas faça-se a experiência de passar um dia em casa sem vassoura, pá do lixo, tábua de engomar, escova para as unhas ou os sapatos, esfregona, panos e esponjas, talheres, pratos, guardanapos, e tudo o que faz parte de um normal dia-a-dia. Só retirando todas essas utilidades da nossa rotina é que conseguiremos constatar, com rigor e isenção, a falta que nos fazem e redimensionar a sua relevância nos hábitos instalados.

Nos séculos XVIII e XIX, as actividades que mais depreciavam quem as executava diziam respeito às limpezas, ao vazar do lixo, à ida à fonte para buscar água e a outras similares. Por isso, nas famílias ricas eram levadas a cabo por escravos e nas mais pobres estavam reservadas às mulheres. No Brasil, inclusive, as trabalhadoras dedicadas a tais tarefas eram denominadas de “tigres”, por causa dos riscos de sujidade ou de água que as suas roupas exibiam.

Não há dúvida que as invenções tecnológicas vieram trazer mudanças sociais consideráveis. Hoje praticamente não há casas sem algum tipo de electrodoméstico, a vassoura foi substituída ou aperfeiçoada (deve ter sido por manifestação pública do sindicato das bruxas, reivindicando vassouras mais confortáveis, económicas e ecológicas…), e houve uma verdadeira revolução doméstica a vários níveis. Não obstante, continuam a verificar-se diferenças mensuráveis. A mulher prossegue a sua estreita e inseparável relação com o fogão e com todos os utensílios ligados à culinária. O uso esporádico da colher de pau para fins não previstos é sintoma desta saturação. Portanto, se ela decidir converter este apetrecho, destinado a mexer a panela, no prolongamento da sua mão para aplicar um correctivo no traseiro de alguém não se pode levar a mal…Efectivamente, a temível colher de pau tem o condão de pôr muita gente na linha!

Se antigamente eram determinadas funções nojentas que estabeleciam a rotulação menos abonatória de quem as realizava, na actualidade, em que os próprios empregados têm acesso às tecnologias, o que revela o status é a condição do subalterno. Se ser pobre e ter de limpar era duplamente mau, hoje a desconformidade é consubstanciada pelos estudos de que se é portador, pela riqueza possuída, pela classe social de origem. Veja-se o caso de emigrantes com cursos superiores a trabalhar a dias em casas de pessoas que, não raras vezes, detêm um nível de formação bastante inferior ao seu. São reinos distintos, é o que é!

Maria Bijóias

Título: O reino da colher de pau...

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 26

764 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • SophiaSophia

    05-06-2014 às 18:46:01

    Adoro cozinhar com as colheres de pau! São ótimas para manusear e macias no seu uso.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoDuarte

    31-03-2009 às 09:35:22

    Que desgraça de colheres de paú. Bolas amigos da ruadireita, não têm uma foto mais decente para que faça justo ao excelente texto que acabei de ler?

    ¬ Responder

Comentários - O reino da colher de pau...

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A história da fotografia

Ler próximo texto...

Tema: Fotografia
A história da fotografia\"Rua
A história e princípios básicos da fotografia e da câmara fotográfica remontam à Grécia Antiga, quando Aristóteles verificou que os raios de luz solar e com o uso de substâncias químicas, ao atravessarem um pequeno orifício, projetavam na parede de um quarto escuro a imagem do exterior. Este método recebeu o nome de câmara escura.

A primeira fotografia reconhecida foi uma imagem produzida em 1826 por Niepce. Esta fotografia foi feita com uma câmara e assente numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo, tendo estado exposta à luz solar por oito horas, esta encontra-se ainda hoje preservada.

Niepce e Louis –Jacques Mandé Daguerre inciaram em 1829 as suas pesquisas, sendo que dez anos depois foi oficializado o processo fotográfico o nome de daguerreótipo. Este processo consistia na utilização de duas placas, uma dourada e outra prateada, que uma vez expostas a vapores de iodo, formando uma pelicula de iodeto de prata sobre a mesma, ai era a luz que entrava na camara escura e o calor gerado pela luz que gravava a imagem/fotografia na placa, sendo usado vapor de mercúrio para fazer a revelação da imagem. Foi graças á investigação realizada por Friedrich Voigtlander e John F. Goddard em 1840, que os tempos de exposição e revelação foram encurtados.




Podemos dizer que o grande passo (não descurando muitas outras mentes brilhantes) foi dado por Richard Leach Maddox, que em 1871 fabricou as primeiras placas secas com gelatina, substituindo o colódio. Três anos depois, as emulsões começaram a ser lavadas com água corrente para eliminar resíduos.

A fotografia digital


Com o boom das novas tecnologias e com a capacidade de converter quase tudo que era analógico em digital, sendo a fotografia uma dessas mesmas áreas, podemos ver no início dos anos 90, um rápido crescimento de um novo mercado, a fotografia digital. Esta é o ideal para as mais diversas áreas do nosso dia a dia, seja a nível profissional ou pessoal.

As máquinas tornaram-se mais pequenas, mais leves e mais práticas, ideais para quem não teve formação na área e que não tem tempo para realizar a revelação de um rolo fotográfico, sem necessidade de impressão. Os melhores momentos da nossa vida podem agora ser partilhados rapidamente com os nossos amigos e familiares rapidamente usando a internet e sites sociais como o Facebook e o Twitter .

A primeira câmara digital começou a ser comercializada em 1990, pela Kodak. Num instante dominou o mercado e hoje tornou-se produto de consumo, substituindo quase por completo as tradicionais máquinas fotográficas.

Sendo que presentemente com o aparecimento do FullHD, já consegue comprar uma máquina com sensores digitais que lhe permitem, além de fazer fotografia, fazer vídeo em Alta-Definição, criando assim não só fotografias quase que perfeitas em quase todas as condições de luz bem como vídeo com uma qualidade até agora impossível no mercado do vídeo amador.

Tirar fotografias já é acessível a todos e como já não existe o limite que era imposto pelos rolos, “dispara-se” por tudo e por nada. Ter uma máquina fotográfica não é mais um luxo, até já existem máquinas disponíveis para as crianças. Muitas vezes uma fotografia vale mais que mil palavras e afinal marca um momento para mais tarde recordar.

Pesquisar mais textos:

Bruno Jorge

Título:A história da fotografia

Autor:Bruno Jorge(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    05-05-2014 às 03:48:18

    Como é bom viver o hoje e saber da história da fotografia. Isso nos dá a ideia de como tudo evoluiu e como o mundo está melhor a cada dia produzindo fotos mais bonitas e com qualidade!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios