Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Segurança > Sistemas de alarme que se devem preferir

Sistemas de alarme que se devem preferir

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Segurança
Comentários: 1
Sistemas de alarme que se devem preferir

Num mundo onde grassa a insegurança, a instalação de sistemas de alarme é uma opção a que um número crescente de pessoas recorre, com o intuito de apaziguar um pouco mais o espírito e garantir a integridade da sua própria existência e dos objetos valiosos, como é o caso da habitação.

De uma forma sucinta, trata-se de um detetor que regista os movimentos ou qualquer situação que fuja à normalidade (um vidro a partir, …), endereçando um sinal ao sistema central, responsável pelo acionamento do alarme. Este pode ser acionado através de uma sirene e/ou de luzes, que instiguem à retirada do(s) invasor(es) e publicitem o acontecimento, para que os próprios moradores, os vizinhos ou transeuntes se inteirem e a polícia possa localizar o local em tempo útil, ou mediante um sistema de transmissão telefónica, que, consubstanciando uma opção mais rara, marca automaticamente os números de telefone que constem da programação, transmitindo um recado de advertência.

Existem também aparelhos eletrónicos menos complexos, para o exterior, que ligam, por meio de um automatismo, a iluminação sempre que alguém se aproxime da casa. A escuridão deixa, deste modo, de dar abrigo aos intrusos, que veem a sua silhueta iluminada antes mesmo de concretizarem os seus intentos de entrada. Por outro lado, em caso de falso alarme, poupa bastante os ouvidos de quem se encontrar nas imediações, por serem silenciosos.

Já no interior da casa, a deteção pode ser feita por meio de detetores perimétricos (que funcionam, usualmente, com base em contactos magnéticos impulsionados pela abertura de portas ou janelas. Há outros tipos - células fotoelétricas, contactos por vibração, … -, mas são francamente menos empregues e até menos recomendáveis, à exceção dos detetores de arrombamento de vidros), ou volumétricos (que, recorrendo a infravermelhos passivos, sensíveis ao calor do corpo, ou a ultrassons, dão conta da presença de qualquer indivíduo dentro de casa, não importando a via utilizada para entrar.

O alarme de porta resume-se a um pequeno mecanismo a pilhas que dinamiza uma sirene interior quando a porta é aberta. É pouco oneroso, mas de eficácia reduzida, uma vez que o ruído da sirene pode ser fraco, o aparelho não está preservado da destruição e um impacto mais forte é passível de desligar o som da sirene.

Os falsos alarmes constituem a grande desvantagem dos sistemas de proteção eletrónica. E a maior sensibilidade do sistema é acompanhada na mesma proporção pela possibilidade de ocorrência de erros. O equipamento não é, contudo, o único culpado dos enganos. Esquecer-se de fechar uma porta ou uma janela ou possuir animais domésticos, entre outros, também faz disparar o alarme fora de ocasião.

Existem, presentemente, detetores combinados, capazes de reduzir a eventualidade de falsos alarmes; não obstante, são mais dispendiosos e de regulação mais melindrosa.


Maria Bijóias

Título: Sistemas de alarme que se devem preferir

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

664 

Imagem por: ILoveMyPiccolo

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    29-05-2014 às 05:45:46

    Geralmente, esses sistemas de alarme quando deveriam funcionar, não funcionam. É preciso estar atento a qualidade, tipo, marca. Mesmo que seja um custo maior, mas é mais vantajoso!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - Sistemas de alarme que se devem preferir

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Imagem por: ILoveMyPiccolo

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios