Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Combater o stress com a meditação

Combater o stress com a meditação

Categoria: Saúde
Visitas: 2
Combater o stress com a meditação

O stress é um sinal de que perdemos o equilíbrio na nossa vida, o que prejudica tanto o nosso bem-estar mental como o físico. Contudo, o ser humano possui um excelente reparador, que nos reequilibra naturalmente; o corpo luta constantemente por alcançar um estado de equilíbrio e vigorosa energia interior, de modo coeso e inato.

Por vezes, recorremos à ajuda dos amigos ou familiares, outras vezes, torna-se mais fácil falar com terapeutas, pessoas desconhecidas que nos ouvem mas não nos julgam.

Falar com alguém ajuda-nos a ver os problemas com exactidão e maior clareza. Ao expormos aos outros as nossas mágoas e os nossos receios, transformando sentimentos e sensações em palavras, compreendemo-los melhor, assim como a própria visão de alguém que está de fora, é sempre mais clara e mais objectiva do que a nossa. Mas nem todos reagimos do mesmo modo. Nem todos gostamos de desabafar o que sentimos ou aquilo porque passamos...

Nesses casos, não vale a pena forçar. Melhor do que falar, é aprender a relaxar o corpo e a mente, recuperando lentamente o vigor e a harmonia e ampliando progressivamente a sensação de bem-estar.

Independentemente dos casos, existem duas hipóteses a seguir: mudar o estilo de vida e relaxar. A modificação dos hábitos e rotinas, pode implicar uma mudança de emprego, uma reprogramação de horários, uma reavaliação dos objectivos de vida ou simplesmente adoptar uma atitude mais aberta face a tudo o que fazemos ou enfrentamos.

Ter uma sensação de controlo dos acontecimentos, acaba por diminuir a nossa ansiedade, diminuindo também a possibilidade do aparecimento ou reaparecimento de stress.

A descontracção diária, constitui provavelmente, o elemento mais importante para uma mente e um corpo sãos.

Relaxar profundamente não é o mesmo que dormir. Shiatsu, Yoga, técnicas de respiração e auto-controle, exercícios de auto-ajuda, Do-In, Wa-Do, Tai-Chi, Aikido, Kempo, Chi Kung, massagens, regressão, hipnose, Reiki, Homeoterapia, Aromoterapia, Jin Shin Jyutsu, Cristaloterapia ou Cura Prânica, são artes milenares que nos proporcionam algumas técnicas ou métodos que nos podem ajudar a relaxar momentaneamente, sem grandes esforços ou exigências.

Uma dieta equilibrada, rica em fibras, água ou sumos naturais, cereais, fruta e verduras, assim como uma redução de açúcar, sal, chá e refrigerantes, assim como a prática de algum exercício físico, também são factores preponderantes para mantermos a saúde, a vitalidade física e o bem-estar espiritual e emocional. No entanto, muitos de nós, fogem ao exercício... Temos hábitos de sedentarismo e de resignação muito acentuados...

A meditação, é uma forma muito simples, natural e eficaz de desanuviar a mente, e esquecer o stress quotidiano, focando-nos somente no relaxamento mental.

Acima de tudo, a meditação tem a ver com um estado de consciência centrado no presente, deixando-nos em contacto com o que nos rodeia, e simultaneamente, projectando-nos para o nosso mundo interior.

Actualmente, milhares de pessoas tiram grandes benefícios do facto diária ou semanalmente, se dedicarem à meditação, exploração do seu Eu Interior e reestruturação física, emocional e espiritual. Os métodos utilizados são muitos, uns mais simples outros mais avançados, mas a pessoa pode optar por ir alterando o método, ou adaptando-o às suas necessidades ou dia-a-dia. Alguns seguem meditações áudio guiadas, outros procuram sentar-se num local sossegado, sem serem incomodados ou interrompidos, concentrando-se sobre um objecto, a chama duma vela, um som, uma cor ou um mantra, outros fixam a mente nos movimentos de inspiração e de expiração, e outros concentram-se totalmente no que estão a fazer momentaneamente. Há quem se concentre, por exemplo, na forma como se movimenta; dando atenção aos movimentos dos pés, às sensações que recebe enquanto caminha, à reacção do solo sobre os sapatos, aos ruídos dos passos, ou aos sons e cores em seu redor. Podemos meditar e relaxar a mente até enquanto comemos; sentindo a textura dos alimentos, saboreando detalhadamente cada pedaço, fixando-nos nas reacções do nosso corpo, nas sensações que os alimentos provocam, na sua cor, aroma ou paladar.

Meditar deixou de ser um mito. Não está ligado às religiões orientais ou a um grupo restrito de pessoas. Não se prende a uma filosofia específica, nem é necessário, ao contrário de muitos preconeitos, que se faça exclusivamente numa postura erecta, sentados de pernas cruzadas, ou deitados numa posição descontraída e confortável.

A meditação pode ser feita em qualquer local, por qualquer pessoa, independentemente das suas crenças, sexo, idade ou ideologias.

20 a 30 minutos, (de preferência, no início ou no final do dia), relaxa o físico, elimina a tensão existente, clarifica e acalma a mente; abranda o ritmo cardíaco; reduz o consumo de oxigénio e a produção de dióxido de carbono; aumenta os níveis de resistência da pele à dor ou à exposição de choques eléctricos; relaxa os músculos, assim como reduz a actividade do sistema nervoso.

Praticada regularmente, a meditação ajuda a combater a depressão, reduz a hipertensão e alivia a ansiedade, a enxaqueca, e as doenças psicossomáticas. Melhora a concentração, a memória e a criatividade, regula o nível do sono e diminui o cansaço, aumentando o vigor físico e a nossa capacidade de abstracção, minimizando as dificuldades e os problemas diários. Também tem grandes benefícios quando feita ao longo do dia, seguindo a necessidade urgente de serenizar a mente ou revigorar o corpo.

Ficamos mais saudáveis, mais produtivos, mais satisfeitos, mais centrados, mais conscientes do que somos, do que temos e do que nos rodeia. Há quem use música ambiente suave, de flautas, de água a cair, chuva ou pássaros a chilrear; incensos; velas ou luzes suaves, mas o importante, não é como o fazemos, o método que utilizamos ou quanto tempo dura, mas sim que nos sintamos confortáveis a fazê-lo e que nos sintamos bem posteriormente.

Inicialmente a concentração será menor, o pensamento dispersar-se-á com facilidade, mas tudo isso é natural, pois a mente ainda não está disciplinada para o vazio e para a concentração no momento presente. O importante é que se vá fazendo, tentando, melhorando e inovando e tudo isso, reflectir-se-á em nós, na nossa forma de agir, no nosso jeito de ser, falar, actuar e de estar, connosco e com os outros...

Com o tempo verificamos que não somos só nós que acalmamos. O meio ambiente que nos envolve e as pessoas que nos cercam também acabam por serenizar. Nós projectamos o que sentimos na nossa postura e na nossa forma de estar. E quer queiramos quer não, isso reflecte-se no nosso dia-a-dia. Portanto, melhore a sua vida e a de todos os que o rodeiam: DIGA NÃO AO STRESS! BOA MEDITAÇÃO!!


Susana Farias

Título: Combater o stress com a meditação

Autor: Susana Farias (todos os textos)

Visitas: 2

633 

Comentários - Combater o stress com a meditação

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Dicas para decorar salas pequenas.

Ler próximo texto...

Tema: Decoração
Dicas para decorar salas pequenas.\"Rua
A realidade das grandes cidades é que a maioria das pessoas mora em espaços pequenos. É fato também que todos desejam ter um ambiente acolhedor e aconchegante para receber amigos. Em contrapartida, na medida em que os espaços encolhem, a quantidade de aparelhos eletrônicos que utilizamos aumenta cada vez mais. Há ainda quem use a sala como home-office.

Nesta busca de inspiração para organizar e incrementar sua sala, encontramos uma série de sites especializados e blogs com muitas, muitas ideias. O conceito de D.I.Y. (do it yourself) que significa "faça você mesmo” nunca esteve tão na moda. É uma alternativa para reduzir gastos com mão de obra e nada melhor do que criar um espaço com um toque todo seu. Inspirações e ideias não faltam. Hoje, de certa forma todos nos sentimos meio decoradores.

Mas planejar a decoração de uma sala pequena exige alguns cuidados para que o ambiente não fique entulhado de móveis, disfuncional ou até mesmo desagradável.

Confira algumas dicas para decorar sua sala com estilo e valorizando seu espaço:
Os espelhos, além da autocontemplação, causam efeitos interessantes. Aplicados, por exemplo, em uma parede inteira pode duplicar a amplitude do ambiente. Pode ser usado também em móveis, tetos, em diversos formatos e valorizar a luminosidade da decoração.

As cores tem poder de causar sensações. Em ambientes com pouco espaço, elas podem colaborar para que a sensação de amplitude possa tanto aumentar quanto diminuir. Para pintar as paredes de sua sala aposte em cores claras. O teto com uma cor mais clara que a das paredes, por exemplo, pode simular uma elevação do teto, já em uma cor mais escura, promoverá uma sensação de rebaixamento do teto.

A escolha e posição dos móveis são um aspecto muito importante. Opte por poucos móveis, nunca de tamanhos exagerados e posicione-os de forma que valorize o espaço. Móveis que misturam poucos materiais, baixos e com linhas retas proporcionam leveza ao ambiente.

Uma solução muito interessante para espaços pequenos é a utilização de prateleiras. Caixas para produtos horto frutícolas reformadas podem se tornar lindas prateleiras. Mas cuidado com a profundidade, para não atrapalhar na disposição de outros móveis e objetos.

Móveis multifuncionais ou móveis inteligentes são excelentes alternativas para uma sala pequena. Um bom exemplo são pufes, que podem ser usados como mesas de centro ou ficarem alojados debaixo de aparadores e quando recebemos visitas podem se transformar em assentos extras. Mesas dobráveis também são uma ótima opção.

Escolher o mesmo piso ou revestimento pode dar a impressão de área maior, de continuidade. Mudanças drásticas de um ambiente para outro pode causar a sensação de divisão e consequentemente fazer parecer menor.

Algumas outras dicas: um sofá retrátil ou reclinável garante muito mais conforto e ocupa o espaço de um sofá simples. Suporte ou painéis móveis para TV possibilitam que ela seja movida na direção desejável. Caso o ambiente tenha escadas, escolher um modelo de escadas vazadas evita divisões e pode se tornar uma peça de destaque na sala. E para as cortinas, escolha tecidos leves, lisas e sem estampas.

De qualquer forma, ouse, não tenha medo de arriscar, crie, não copie, só assim será seu!

Luciana Santos.

Outros textos do autor:
Dicas para decorar salas pequenas.

Pesquisar mais textos:

Luciana Maria dos Santos

Título:Dicas para decorar salas pequenas.

Autor:Luciana Maria Santos(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Carlos Rubens Neto 16-06-2016 às 16:20:24

    Excelente matéria! Parabéns Luciana ;)

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios