Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > O problema do outro

O problema do outro

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
O problema do outro

Nada como um dia depois do outro. Ouvi isto milhares de vezes, e em algumas delas quase acreditei, no entanto na maioria das vezes, o meu interior marado e resistente ao pensamento formado, à frase feita e assim por diante, sempre retorquia internamente numa reposta um pouco estúpida mas não absolutamente desprovida de razão, porque naqueles momentos era só o que me poderia ocorrer: Nada como problemas resolvidos, nada como no dia que vem depois do outro as situações complicadas que vivemos hoje já não existirem ou pelo menos terem-se descompicado. Na vida que vivemos neste mundo, todos os dias ocorrem situações que nos perturbam, que nos afligem, e ainda assim, precisamos sempre insistir em viver com o maior dos sorrisos, porque as alegrias dos outros não têm culpa das nossas tristezas, afinal eles também têm problemas e não queríamos vê-los a descarregar em cima de nós quando as nossas vidas têm os seus momentos cinzentos, nem mesmo nos dias ensolarados de primavera.

Na verdade, quando nos pomos a pensar sobre nós próprios encontramos características de altruísmo, de solidariedade, de compreensão, de amizade e muitas outras qualidade fascinantes, porém, se pensarmos mais a fundo, muitas vezes não temos paciência para aturar os maus humores dos que ao nosso lado definham com problemas que não conseguem resolver, e somos capazes de responder torto, e de nos queixar aos outros, que por sua vez corroboram o nosso azedume momentâneo dizendo-nos que temos razão que não há direito de nos virem com disposições enviesadas porque não temos culpa dos seus dilemas e das suas aflições.

Realmente não temos culpa. Realmente não contribuímos para as situações que nos são completamente alheias, no entanto, enquanto colegas, enquanto amigos, ou apenas enquanto pessoas que cruzamos o mesmo espaço, somos chamado não a ser indiferentes para com as pessoas que passam ao nosso lado, mas a determinar as causas dos seus argumentos fora de propósito afim de podermos de alguma forma contribuir diminuir a amargura das pessoas em causa. Somos chamados a travar a hemorragia de problemas e não a potenciá-la.

A vida é um emaranhado de situações, e de pessoas que vivem misturados num mesmo espaço. Quando as situações atingem as pessoas, necessariamente quem está à volta do indivíduo atingido, acaba por sofrer os efeitos colaterais, e precisamos estar preparados, não para ripostar, mas para minorar as causas, levando a uma conclusão vantajosa para todos, os primeiros porque vêm os seus males diminuídos e os restantes porque acabam por se sentir úteis no seio da comunidade de que são parte integrante.

Ana Sebastião

Título: O problema do outro

Autor: Ana Sebastião (todos os textos)

Visitas: 0

605 

Comentários - O problema do outro

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios