Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > A sociedade está doente, mas podemos ajuda-la

A sociedade está doente, mas podemos ajuda-la

Categoria: Outros
Visitas: 2
Comentários: 3
A sociedade está doente, mas podemos ajuda-la

O desemprego nos centros urbanos tem sido um constante problema para a sociedade e traz graves consequências; tais como o surgimento de favelas, um crescente número de menores desamparados, fome, subnutrição, doenças, além da vadiagem, dos roubos e dos crimes.

O aumento do número de favelas nas grandes cidades deve-se ao fato da falta de emprego para as famílias que habitam estes lugares. Estas, sem dinheiro para ir a outro lugar, e sem ter como se sustentar e ter uma casa decente, acabam construindo habitações precárias em morros e lugares onde obviamente, não se concentra a população empregada. Um exemplo disso é o Rio de Janeiro, onde o número de pessoas sem emprego cresce cada vez mais, vivendo em situações ruins, não tendo como mudar isso.

Além do aumento do número de pessoas vivendo em casas precárias, há também o crescente número de menores desamparados, que, sem ter como arranjar um emprego para suprir suas necessidades, acabam vivendo nas ruas, passando fome sem ter de onde tirar dinheiro até mesmo para se vestir.

A subnutrição, a falta de higiene adequada e falta de informação acabam as fazendo contrair diversas doenças. Estes, desempregados, não conseguem pagar os estudos, nem têm de onde tirar dinheiro para suprir tais necessidades.

Para tentar terminar com tais problemas, e cansados de viver sem emprego, sempre à margem da sociedade, e não tendo como garantir o próprio sustento de forma honesta, acabam aderindo a tão mal falada vadiagem, aos roubos aos crimes, justamente por falta de opção e de oportunidades melhores. Este problema aumenta o índice de mortes e prisões, gerando cidades onde as pessoas têm medo até mesmo de sair nas ruas; e onde a própria polícia, que deveria defender e proteger a população, se vende afim de não sofrer retaliações por meio dos marginais.

Alguns programas do governo como o Bolsa família, ajudam a minimizar um pouco a situação, mas não é uma solução definitiva. Empresas e mais empresas tem se conscientizado e colocado em prática várias formas de ajudar tais seres humanos; mas acredito que cada um de nós pode fazer a sua parte, se você não tem dinheiro, com certeza tem conhecimento em alguma área que poderia vir ajudar estas pessoas a terem alguma perspectiva de vida. Pense, conscientize-se e venha para esta causa, por um mundo melhor e um futuro diferente.


Clarissa Reinoco Machado

Título: A sociedade está doente, mas podemos ajuda-la

Autor: Clarissa Reinoco Machado (todos os textos)

Visitas: 2

13 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 3 )    recentes

  • Claudia Reinoço Machadoclaudia

    24-01-2016 às 11:01:31

    concordo com vc,a pergunta é -Oque estamos fazendo em relação a tudo isso?

    ¬ Responder
  • Adriana SantosAdriana Santos

    11-01-2016 às 15:37:05

    Excelente abordagem da sociedade que a cada dia está doente. Acredito muito que é possível transformá-la! A consciência de cada um é um dos passos!

    ¬ Responder
  • Clarissa Reinoco MachadoClarissa Reinoco Machado

    12-01-2016 às 17:38:29

    Isso mesmo Adriana, as vezes a indiferença é tanta que nem parece que fazemos parte de um todo.

    ¬ Responder

Comentários - A sociedade está doente, mas podemos ajuda-la

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os primeiros brinquedos

Ler próximo texto...

Tema: Brinquedos
Os primeiros brinquedos\"Rua
O brinquedo é mais do que um objecto para a criança se divertir e distrair, é também uma forma de conhecer o mundo que tem ao seu redor e para dar asas à sua imaginação. Desta forma, os brinquedos sempre estiveram presentes na sociedade.

Os primeiros brinquedos datam de 6500 anos atrás, no Japão, em que as crianças brincavam com bolas de fibra de bambu. Entretanto há 3000 anos surgiram os piões feitos de argila e decorados, na Babilónia.

No século XIII apareceram os soldadinhos de chumbo, porém só eram acessíveis às famílias nobres. Cinco séculos mais tarde, apareceram as caixas de música, criadas por relojoeiros suíços.

As bonecas são muito antigas, surgiram enquanto figuras adoradas como deusas, há 40 mil anos, mas a primeira fábrica abriu apenas em 1413 na Alemanha. Barbie, a boneca mais famosa do mundo, foi criada em 1959, mas ainda hoje é das mais apetecíveis pelas crianças.

O grande boom dos brinquedos aconteceu quando se descobriu o plástico para o fabrico. Mesmo assim, muitas famílias não podiam comprar brinquedos aos filhos, como tal, estes utilizavam diversos tipos de materiais e construíam os seus próprios brinquedos.

Actualmente, as crianças têm acesso a uma enorme variedade de brinquedos, desde bonecas, a carros telecomandados, a videojogos… Educativos ou apenas lúdicos, há de tudo e para todos os gostos e preços.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Os primeiros brinquedos

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • umdolitoys 23-01-2013 às 05:46:38

    Adorei a reportagem! e tenho algo para vocês verem!!

    Espero que gostem!!!

    ¬ Responder
  • sofia 22-07-2012 às 21:56:29

    Achei muito interecante e muito legal saber que ano foi fabricadoas bonecas

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios