Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > A sociedade está doente, mas podemos ajuda-la

A sociedade está doente, mas podemos ajuda-la

Categoria: Outros
Visitas: 2
Comentários: 3
A sociedade está doente, mas podemos ajuda-la

O desemprego nos centros urbanos tem sido um constante problema para a sociedade e traz graves consequências; tais como o surgimento de favelas, um crescente número de menores desamparados, fome, subnutrição, doenças, além da vadiagem, dos roubos e dos crimes.

O aumento do número de favelas nas grandes cidades deve-se ao fato da falta de emprego para as famílias que habitam estes lugares. Estas, sem dinheiro para ir a outro lugar, e sem ter como se sustentar e ter uma casa decente, acabam construindo habitações precárias em morros e lugares onde obviamente, não se concentra a população empregada. Um exemplo disso é o Rio de Janeiro, onde o número de pessoas sem emprego cresce cada vez mais, vivendo em situações ruins, não tendo como mudar isso.

Além do aumento do número de pessoas vivendo em casas precárias, há também o crescente número de menores desamparados, que, sem ter como arranjar um emprego para suprir suas necessidades, acabam vivendo nas ruas, passando fome sem ter de onde tirar dinheiro até mesmo para se vestir.

A subnutrição, a falta de higiene adequada e falta de informação acabam as fazendo contrair diversas doenças. Estes, desempregados, não conseguem pagar os estudos, nem têm de onde tirar dinheiro para suprir tais necessidades.

Para tentar terminar com tais problemas, e cansados de viver sem emprego, sempre à margem da sociedade, e não tendo como garantir o próprio sustento de forma honesta, acabam aderindo a tão mal falada vadiagem, aos roubos aos crimes, justamente por falta de opção e de oportunidades melhores. Este problema aumenta o índice de mortes e prisões, gerando cidades onde as pessoas têm medo até mesmo de sair nas ruas; e onde a própria polícia, que deveria defender e proteger a população, se vende afim de não sofrer retaliações por meio dos marginais.

Alguns programas do governo como o Bolsa família, ajudam a minimizar um pouco a situação, mas não é uma solução definitiva. Empresas e mais empresas tem se conscientizado e colocado em prática várias formas de ajudar tais seres humanos; mas acredito que cada um de nós pode fazer a sua parte, se você não tem dinheiro, com certeza tem conhecimento em alguma área que poderia vir ajudar estas pessoas a terem alguma perspectiva de vida. Pense, conscientize-se e venha para esta causa, por um mundo melhor e um futuro diferente.


Clarissa Reinoco Machado

Título: A sociedade está doente, mas podemos ajuda-la

Autor: Clarissa Reinoco Machado (todos os textos)

Visitas: 2

13 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 3 )    recentes

  • Claudia Reinoço Machadoclaudia

    24-01-2016 às 11:01:31

    concordo com vc,a pergunta é -Oque estamos fazendo em relação a tudo isso?

    ¬ Responder
  • Adriana SantosAdriana Santos

    11-01-2016 às 15:37:05

    Excelente abordagem da sociedade que a cada dia está doente. Acredito muito que é possível transformá-la! A consciência de cada um é um dos passos!

    ¬ Responder
  • Clarissa Reinoco MachadoClarissa Reinoco Machado

    12-01-2016 às 17:38:29

    Isso mesmo Adriana, as vezes a indiferença é tanta que nem parece que fazemos parte de um todo.

    ¬ Responder

Comentários - A sociedade está doente, mas podemos ajuda-la

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios