Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Biografias > D. João II

D. João II

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Biografias
Visitas: 4
D. João II

D. João II nasce a 3 de Maio de 1455 na cidade de Lisboa no paço de Alcáçova, é filho do rei D. Afonso V e de D. Isabel. O príncipe casou com a sua prima D. Leonor a 22 de Janeiro de 1471 na cidade de Setúbal. Nesse mesmo ano acompanhou o seu pai nas campanhas em África e foi armado cavaleiro na tomada de Arzila.

Do casamento com D. Leonor nasce o único filho legítimo, o príncipe D. Afonso, nascido a 18 de Maio de 1475. Contudo, e de forma muito trágica para D. João II, o seu herdeiro morre na Ribeira de Santarém a 13 de Julho de 1491, após sofrer uma aparatosa queda de um cavalo. D. João tenta após a morte do seu filho Afonso legitimar o filho D. Jorge que nasceu de um relacionamento extraconjugal com D. Ana de Mendonça. D. Jorge nasceu a 12 de Agosto de 1481. El- rei D. João II realizou várias tentativas para conseguir que este filho bastardo fosse o seu herdeiro, contudo não consegue, em parte devido à forte oposição da rainha D. Leonor, da nobreza, dos Reis Católicos e do Papa. D. Jorge é “apenas” nomeado no ano de 1492 como governador das ordens militares de Avis e de Santiago. No ano de 1474, D. Jorge ficou responsabilizado pelos assuntos referentes à Guiné.

D. João II foi proclamado rei a 31 de Agosto do ano de 1481 em Sintra, após a morte de seu pai a dia 28 do mesmo mês, contudo antes de ter iniciado o seu reinado de forma oficial este rei teve uma experiência de governo, experiência essa, que se deu numa época privilegiada a nível europeu.

Durante o seu reinado, D. João fez uma reestruturação dos seus funcionários de maneira a conseguir aumentar a sua capacidade de intervenção e assim melhorar a administração do estado. Deste modo inseriu algumas reformas nomeadamente, “a fixação da nova posição das armas do reino, ficando a colocação dos escudetes laterais direitos com as pontas viradas para baixo, e saindo a cruz da Ordem de Avis, que nelas estava desde o reinado de D. João I e a reforma monetária, na qual se destacou a cunhagem do justo (moeda em ouro para circulação no exterior). Nas reformas que implementou, o rei tornou os poderes da nobreza mais limitados e impos o dever de menagem. Durante o seu reinado as cortes reuniram-se três vezes de onde saíram as reformas mencionadas acima.

Os fidalgos criaram ao rei as principais resistências com que se deparou durante o seu reinado, que foram resultado das suas decisões. A nível internacional, D. João II conseguiu “consolidar e afirmar a soberania portuguesa face a Espanha, que então surgia com uma expansividade ameaçadora, resultante da aglutinação dos restantes reinos peninsulares sob égide dos Reis Católicos. Em relação a outras áreas da Europa manteve boas relações, com seu primo Maximiliano (filho de D. Leonor e de Frederico III), inicialmente rei dos romanos e depois imperador da Alemanha, e com o Papa Inocêncio VIII.
As relações com França e a Inglaterra foram reguladas por várias embaixadas e tratados. D. João II, foi um monarca que levou a cabo a consolidação do poder real, fazendo com que nasçam as bases para uma modernidade politica. Com o rei D. João houve a afirmação do poder régio. O rei deixa claro desde cedo, a sua decisão de realizar algumas mudanças na nobreza e à política do país. Deste modo pretendia deitar a baixo o poder senhorial, o que provocou alguns actos de rebeldia por parte da nobreza, que em casos extremos levaram á morte dos seus principais intervenientes, como aconteceu com D. Fernando, D. Diogo, irmão da Rainha.
El- rei, D. João levou a cabo durante o seu reinado diversas expedições a África onde estabeleceu contactos e relações benéficas ao país e conseguiu abrir caminho para a Índia. Nessas mesmas expedições a segurança foi uma das suas principais preocupações pelo que o rei D. João II apoiou e ajudou a desenvolver a náutica astronómica, bem como também equipou os seus navios com artilharia de forma aos mesmos se conseguirem defender, e de forma a protegerem também, as suas rotas, as suas mercadorias e os seus homens.

Com o mesmo objectivo também mandou construir um castelo em São Jorge da Mina e povoar as ilhas de São Tomé e Príncipe (portos que de alguma forma assumiam um papel fundamental nas rotas), assim, floresceu o comércio marítimo. Apesar de todas estas conquistas que D. João II conseguiu alcançar durante o seu período de reinado, a Índia era o seu maior objectivo, de forma a conseguir tornar-se um dos maiores comerciantes em contacto com o oriente. D. João também traçou um caminho, que levaria à continuação da navegação no Atlântico, sem concorrência, graças à força e ousadia que mostrou ao impor determinadas condições na partilha do novo mundo, que foi levada a cabo pelos países ibéricos aquando da assinatura do Tratado de Tordesilhas.

Anteriormente o rei já tinha assinado o tratado de Alcáçovas, que assegurava o senhorio das terras a sul das Canárias.

D. João II teve um papel fundamental na expansão portuguesa, foi com ele que se definiu o projecto de alcançar a India através do mar. Durante o seu reinado o domínio português foi consolidado na Mina, Cabo Verde e São Tome e Príncipe são colonizados. O comércio aurífero foi uma das principais fontes de financiamento das viagens levadas a cabo durante a expansão Joanina. O Príncipe Perfeito foi um soberano que geriu e dominou um projecto planetário até então nunca visto e este foi também considerado um dos reis mais poderosos da Europa.

Enfraquecido pela doença decidiu fazer o seu testamento, onde deixa escrito que é de sua vontade que o seu sucessor seja o Duque de Beja, D. Manuel. D. João vem a falecer no Alvor, a 25 de Outubro de 1495.


Sónia Henriques

Título: D. João II

Autor: Sónia Henriques (todos os textos)

Visitas: 4

627 

Comentários - D. João II

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A arte de trabalhar a madeira

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Serviços Construção
A arte de trabalhar a madeira\"Rua
A carpintaria constitui, digamos assim, a arte de trabalhar a madeira. É claro que, de acordo com o produto final, se percebe bem que uns carpinteiros são mais artistas do que outros…

Às vezes nem se trata tanto dos pormenores, mas mesmo de desvirtuar o que era a ideia inicial e constava da encomenda. Mal comparado, quase se assemelha à situação daquela aspirante a costureira que pretendia fazer uma camisola para o marido e, no fim, saíram umas calças!

Na construção civil, a madeira é utilizada para diversos fins, temporários ou definitivos. Na forma vitalícia (esperam os clientes!) incluem-se estruturas de cobertura, esquadrias (portas e janelas), forros, pisos e edifícios pré-fabricados.

Quase todos os tipos de madeira podem ser empregues na fabricação de móveis, mas alguns são preferidos pela sua beleza, durabilidade e utilidade. É conveniente conhecer as características básicas de todas as madeiras, como a solidez, a textura e a côr.

Ser capaz de identificar o género de madeira usado na mobília lá de casa pode ajudar a determinar o seu real valor. Imagine-se a possibilidade de uma cómoda velha, que estava prestes a engrossar o entulho para a recolha de lixo, ter sido feita com o que hoje se considera uma madeira rara.

É praticamente equivalente a um bilhete premiado do Euromilhões, dado que se possui uma autêntica relíquia! Nestes casos, a carpintaria entra na área do restauro e da recuperação. Afinal, nem tudo o que é velho se deita fora…

Por outro lado, as madeiras com textura mais fraca são frequentemente manchadas para ganhar personalidade. Aqui há que remover completamente o acabamento para se confirmar a verdadeira natureza da madeira.

É assim também com muita gente: tirando a capa, mostram-se autenticamente. Mas destes, nem um artificie com “bicho-carpinteiro” consegue fazer nada…!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:A arte de trabalhar a madeira

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    23-09-2014 às 13:23:35

    Uma excelente técnica que penso ser muito bonito e sofisticado. A arte de trabalhar madeira está sempre em desenvolvimento e crescimento.

    ¬ Responder
  • Rua DireitaRua Direita

    01-06-2014 às 05:18:46

    É ótimo o trabalho com a madeira. Pode-se perceber grandes obras que se faz com ela. Realmente, é uma verdadeira arte!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios