Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Biografias > A História do Prémio Nobel

A História do Prémio Nobel

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Biografias
A História do Prémio Nobel

Todos os anos somos brindados com a entrega dos Prémios Nobel.
Literatura, Física, Química e Medicina, Economia e Paz são as áreas distintas pelos Prémios. Uma forma valiosa que distingue quem se destaca pela contribuição à Humanidade.
Mas afinal como surgiram estas tão grandiosas recompensas?

A 1833 nascia em Estocolmo na Suécia Alfred Nobel. Químico, engenheiro, inventor e industrial, Nobel cedo emigrou para a Rússia onde recebeu, com os seus irmãos uma educação rica e completa no campo das ciências humanas e naturais.

Tornou-se detentor de mais de 350 patentes e fundou campanhas e laboratórios em mais de 20 países. Milionário, descobriu a dinamite em 1866, começando esta a ser comercializada á escala mundial no final do século XIX.




Poeta e dramaturgo, perdia-se em melancolias típicas dos apaixonados pela literatura, mas a ciência, área onde se destacou obrigava-o a poucas divagações.
Dono de um extraordinário império industrial, Nobel faleceu em 1896, deixando uma fortuna incalculável. Deixara também um destino para a mesma que iria mudar o mundo de forma significativa.

Nunca até então, se destacavam com gloriosas manifestações, atos e feitos, investigações e trabalhos de mestria fora de fronteiras. Nobel iria mudar tudo isso.A sua incalculável fortuna estava destinada a “presentear” quem se destacasse em determinadas áreas da descoberta e do estudo. O seu testamento especificava que fosse criada uma fundação que deveria financiar, anualmente, cinco (prémio de ciências económicas foi criada mais tarde - 1969) grandes prémios internacionais.

Anualmente (a 10 de Dezembro – data em que se assinala a morte de Alfred Nobel) é realizada em Oslo, Noruega e em Estocolmo, Suécia, a entrega dos mais grandiosos prémios de distinção da Humanidade.

Várias instituições participam na escolha dos premiados entre os quais a Academia Real de Ciências da Suécia para a Física, Química e Economia, a Academia de Literatura da Suécia e o Comitê Nobel da Noruega (responsável pela entrega do Prémio Nobel da Paz), mas afinal como se processam as “candidaturas”? Bem, anualmente cada comitê envia convites aos mais diversos países pedindo-lhes para nomear os seus candidatos. As nomeações são analisadas por especialistas que entregam as candidaturas relevantes às instituições que decidem.

Os Prémios consistem numa medalha de ouro com a efígie de Alfred Nobel, um diploma e um prémio monetário.

Uma curiosidade interessante e que diz tanto sobre a entrega do Prémio Nobel da Paz – Em 1937, Hitler proibiu os alemães de receberem prémios, pois considerou uma afronta a atribuição do Nobel da Paz a Carl von Ossietzky (1935). Nas duas guerras mundiais não foram atribuídos alguns prémios pois a informação relativamente aos candidatos era insuficiente ou pouco elucidativa.

Em Portugal foram dois os Prémios Nobel recebidos – Egas Moniz, médico neurologista, investigador e professor. Recebeu o Prémio Nobel da Medicina em 1949 / José Saramago, escritor, argumentista, dramaturgo, romancista, poeta. Recebeu o Prémio Nobel da Literatura em 1998.


Carla Horta

Título: A História do Prémio Nobel

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 0

618 

Comentários - A História do Prémio Nobel

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios