Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Biografias > Oprah Winfrey

Oprah Winfrey

Categoria: Biografias
Comentários: 1
Oprah Winfrey

Uma mulher com mais influência que o Presidente

Nascida a 29 de Janeiro de 1954 no Mississippi, De menina pobre, gorducha e rejeitada a mulher mais rica e influente do mundo, é esta a história de Oprah. Uma espécie de diva da sociedade americana, que conquistou o mundo com o seu programa “Oprah Winfrey Show”.

Oprah acredita que este sucesso se deve ao facto conseguir comunicar com as pessoas, como se estivesse a falar com amigos e por se identificar com algumas situações, assumindo isso. Cada vez mais influente, a sua rubrica Oprah Book Club, tem transformado vários livros em best-sellers.

Filha de um casal adolescente não casado. Quando nasceu, o pai estava nas Forças Armadas e a mãe abandonou-a. Passou os seis primeiros anos de vida aos cuidados da avó materna. Com 3 anos já sabia ler e tinha uma grande habilidade para recitar versos da Bíblia. Na escola era rejeitada pelos colegas, por ser obesa e por ter uma inteligência acima da média.

Com 6 anos a mãe voltou para ficar com ela. Aos 9 anos foi passar férias a casa de uma tia e acabou sendo molestada por um primo. A partir dai entrou numa vida boémia, até que aos 14 anos engravidou. Uma semana depois de dar à luz, o bebé faleceu. Revoltada, roubava em casa e foi mandada para um centro de correcção, do qual foi expulsa. Passou a viver com o pai, sob uma educação rígida.

Aos 17 anos foi visitar uma rádio local, onde a convidaram a ler qualquer coisa. Acabou por ser contratada para ler as notícias em directo. Dois anos depois, quando estava na Universidade do Tennessee, foi a primeira mulher negra a ser contratada para pivot de notícias da TV de Nashville.

Mal se formou tornou-se pivot em Baltimore e acabaram por lhe dar um talk show para apresentar de manhã cedo. Em 1984 apresentou A.M. Chicago que se veio a tornar no Oprah Winfrey Show.

Este formato foi vendido em 1986, tinha ela 32 anos, a várias estações independentes e rapidamente se tornou o talk show de maior audiência. Há mais de duas décadas no ar, o programa é visto em cerca de 132 países por mais de 115 milhões de pessoas a nível mundial.

Lema de Vida

Uma das máximas da sua vida é: “ Aquilo em que pensamos é aquilo em que vimos a ser. Porque se queremos que a nossa vida seja compensadora, temos de mudar a nossa maneira de ser… Toda a gente tem capacidade para reinventar e redefinir a sua vida…”.

... como uma pessoa pode ter mais poder sobre a forma como uma nação pensa, que o próprio presidente desse mesmo pais!?


Bruno Jorge

Título: Oprah Winfrey

Autor: Bruno Jorge (todos os textos)

Visitas: 0

635 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoDaniela Vicente

    09-09-2012 às 21:51:06

    O talk-show de Oprah Winfrey marcou várias gerações, incluindo a minha. Lembro-me perfeitamente dos seus programas na altura do Natal: prémios incríveis param os seus espectadores. Ela e Ellen Degeneres são duas especialistas em conquistar o público pela sua personalidade e qualidade de programa. Engraçado ter abordado esta figura, pois normalmente opta-se por figuras com destaque no passado. Conseguiu captar a minha atenção e gostei do seu texto, simples, mas directo.

    ¬ Responder

Comentários - Oprah Winfrey

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Pulp Fiction: 20 anos depois

Ler próximo texto...

Tema: Arte
Pulp Fiction: 20 anos depois\"Rua
Faz hoje 20 anos que estreou um dos mais importantes ícones cinematográficos americanos.

Pulp Fiction é um marco do cinema, que atirou para a ribalta Quentin Tarantino e as suas ideias controversas (ainda poucos tinham visto o brilhante “Cães Danados”).

Repleto de referências ao cinema dos anos 70 e com uma escolha de casting excepcional, Pulp Fiction conquistou o público com um discurso incisivo (os monólogos bíblicos de Samuel L. Jackson são um exemplo disso), uma violência propositadamente mordaz e uma não linearidade na sucessão dos acontecimentos, tudo isto, associado a um ritmo alucinante.

As três narrativas principais entrelaçadas de dois assassinos, um pugilista e um casal, valeram-lhe a nomeação para sete Óscares da Academia, acabando por vencer na categoria de Melhor Argumento Original, ganhando também o Globo de Ouro para Melhor Argumento e a Palma D'Ouro do Festival de Cannes para Melhor Filme.

O elenco era composto por nomes como John Travolta, Samuel L. Jackson, Bruce Willis, Uma Thurman e (porque há um português em cada canto do mundo) Maria de Medeiros.

Para muitos a sua banda sonora continua a constar na lista das melhores de sempre, e na memória cinéfila, ficam eternamente, os passos de dança de Uma Thurman e Travolta.

As personagens pareciam ser feitas à medida de cada actor.
Para John Travolta, até então conhecido pelos musicais “Grease” e “Febre de Sábado à Noite”, dar vida a Vincent Vega foi como um renascer na sua carreira.

Uma Thurman começou por recusar o papel de Mia Wallace, mas Tarantino soube ser persuasivo e leu-lhe o guião ao telefone até ela o aceitar.

Começava ali uma parceria profissional (como é habitual de Tarantino) que voltaria ao topo do sucesso com “Kill Bill”, quase 10 anos depois.

Com um humor negro afiadíssimo, Tarantino provou em 1994 que veio para revolucionar o cinema independente americano e nasceu aí uma inspirada carreira de sucesso, que ainda hoje é politicamente incorrecta, contradizendo-se da restante indústria.

Pulp Fiction é uma obra genial. Uma obra crua e simultaneamente refrescante, que sobreviveu ao tempo e se tornou um clássico.
Pulp Fiction foi uma lição de cinema!

Curiosidade Cinéfila:
pulp fiction ou revista pulp são nomes dados a revistas feitas com papel de baixa qualidade a partir do início de 1900. Essas revistas geralmente eram dedicadas às histórias de fantasia e ficção científica e o termo “pulp fiction” foi usado para descrever histórias de qualidade menor ou absurdas.

Pesquisar mais textos:

Carla Correia

Título:Pulp Fiction: 20 anos depois

Autor:Carla Correia(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios