Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Automóveis > Carro: novo ou usado?

Carro: novo ou usado?

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Automóveis
Visitas: 10
Comentários: 2
Carro: novo ou usado?

A decisão de adquirir um carro deve ser bem ponderada. Afinal, será que comprar um novo compensa assim tanto? É certo que sempre dá mais nas vistas e é uma mais valia ter um bem material novo, no entanto, não se esqueça que no dia a seguir à aquisição já está a perder dinheiro.

Eu sempre fui a favor de carros usados, apesar de estar ciente dos riscos que se correm, pois pode trazer alguns problemas que não dá para detetar à primeira vista, mas tente sempre fazer esta compra em locais de confiança, já referenciados ou onde tenha alguém conhecido que o ajude na escolha.

O certo é que velhos ou novos os carros dão sempre despesas, além do seguro obrigatório, do selo e dos mais antigos terem que ir à inspeção periódica, há sempre aquelas avarias que muitas das vezes não se consegue prever. O carro no fundo acaba por ser como o corpo humano, que de vez em quando precisa de manutenção e de fazer um check up.

Aos poucos começa a estar na moda fazer um transplante dos órgãos vitais dos automóveis, não apenas para os salvar, mas também para os tornar mais eficientes, poupando na gasolina e baixando as emissões de dióxido de carbono.

Esta ideia partiu da tese de doutoramento de Filipe Moura. Para este Engenheiro do Ambiente, o ideal seria conseguir transformar estas ideias num kit, como se vende no IKEA os móveis. A pessoa comprava o kit, levava-o para casa e mediante as instruções montava e substituía as peças. Filipe chegou à conclusão que a produção de um carro novo e o envio para abate, quando atinge os dez anos de vida, representam um enorme consumo de energia e um nível de emissões que equivalem, imagine-se só, a quatro anos de circulação.

Para chegar a este resultados, este engenheiro andou fazer estudos durante mais de três anos, tendo inquirido não só mecânicos, mas também adeptos do tunning. Uma vez que se vendem mais carros usados do que novos, lembrou-se que para renovar e tornar mais eficientes os automóveis, poder-se-ia a cada 6/7 anos de vida do mesmo, substituir os órgãos vitais: motor, transmissão, controlo computorizado e tudo o que sejam partículas de filtro, catalisador, etc. Tudo isto implicaria um custo de aproximadamente 4500 euros, o que representa 25% do preço de um viatura de gama média. Assim, passados 12 a 14 anos teria o retorno do investimento.

Com tudo isto você ficaria a ganhar, assim como o meio ambiente, já que decresce a emissão de poluentes em 10%. Diga lá se esta não lhe parece uma solução atrativa?


Catarina Guedes Duarte

Título: Carro: novo ou usado?

Autor: Catarina Guedes Duarte (todos os textos)

Visitas: 10

789 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • SophiaSophia

    17-06-2014 às 04:11:56

    O carro é muito bom, mas gasta muito. É preciso ter um bom orçamento para sustentar um carro, mesmo sendo novo ou usado. Por um lado, são muito úteis, mas por outro, arrancam todos os nossos cabelos.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • Sofia NunesSofia Nunes

    17-09-2012 às 15:26:15

    A temática do seu texto debruça-se sobre uma questão importante e que deve ser bem ponderada, uma vez que a compra de um carro, seja ele novo ou usado, terá sempre um certo impacto no orçamento da pessoa, família ou casal. Pessoalmente, aposto na compra de carros seminovos, uma vez que se apresentam tão esteticamente impecáveis como os novos e o preço é significativamente rebaixado em relação àquele que o comprador original terá pago.

    ¬ Responder

Comentários - Carro: novo ou usado?

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Como burlar a crise e fazer a viagem dos sonhos gastando pouco

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Viagens
Como burlar a crise e fazer a viagem dos sonhos gastando pouco\"Rua
Não é novidade para ninguém que o Brasil está passando por uma séria crise econômica e política. Atrelado a isso, a elevação do dólar nos últimos meses tem contribuído para a queda considerável no número de viagens internacionais. Para os amantes de viagens, também chamados travelholics, a crise não é um motivo para adiar aquela viagem tão esperada.
Nesse post você terá dicas de como superar esse momento e realizar seu sonho de uma forma mais econômica, sem precisar de guias turísticos, que encarecem ainda mais a viagem.

Dica 1) Planeje sua viagem com antecedência.
Provavelmente a maioria já ouviu falar disso, mas é a pura verdade. Programar a viagem é o primeiro passo para uma estadia tranquila e bem mais barata. Escolher o destino, a época do ano e com quem ir é o começo de tudo. As passagens aéreas costumam ter preços promocionais quando comprada com antecedência e você poderá escolher melhor onde passará as noites.

Dica 2) Pesquise os preços das passagens diariamente.
Se o destino já está definido, comece a buscar as passagens já. Os preços costumam variar diariamente, e sim, podem cair ou subir absurdamente de um dia para o outro. Eu super indico o Google Voos como busca de passagem. Ele apresenta os valores e os horários das mais variadas companhias aéreas e no final, te redireciona para o site da empresa sem te cobrar nenhuma taxa por isso. Além disso, ter em mente a opção de flexibilizar as datas pode te possibilitar um bom desconto no final. Você e o seu vizinho de assento podem estar indo pro mesmo destino, mas pagando valores completamente diferentes.

Dica 3) Use e abuse do Google Maps para escolher a região de hospedagem.
O Google Maps é uma opção de busca com mil e uma utilidades. Depois de escolhida a cidade, pesquise a localização dos principais pontos turísticos que são do seu interesse. Há várias ferramentas para busca de hotéis e pontos turísticos no site. Se você vai depender de transporte público ou ''viação pé'' para conhecer a cidade, uma boa dica para economizar tempo e dinheiro é ficar na região cultural da cidade. Você poderá pagar um pouco mais caro na estadia, mas economizará em outros quesitos.

Dica 4) Utilize os sites de busca de hotéis para fazer as reservas.
Depois de muito pesquisar, descobri que organizar a viagem por conta própria pode sair até pela metade do preço do que seria através de uma agência de viagem. Existem muitos sites de hotéis, mas é bom pesquisar sua credibilidade em fóruns e sites de reclamação. Minha sugestão é o Booking.com, há anos no mercado com milhões de clientes, ele é reconhecido pela sua transparência e grande assistência àqueles que precisaram resolver algum problema. Utilizando as datas de entrada e saída, e os filtros como valor máximo da diária e número de estrelas, você encontra o melhor hotel pro seu gosto e seu bolso.

Dica 5) Seguro Viagem
É imprescindível a contratação de um seguro viagem se você está indo para o exterior. Dependendo do país, uma diária no hospital pode sair mais cara que toda a viagem. Sem falar que em caso de extravio de bagagem e algum problema mais grave com um parente próximo no país de origem, além de outras questões, o seguro tem a cobertura específica. Não se deixe levar pelos pequenos preços. Procure aqueles conhecidos mundialmente e, de preferência, utilizado por algum conhecido. Quanto mais detalhado for, melhor.

Dica 6) Curta a pré-viagem pesquisando
O período antes da viagem é tão gostoso quanto ela, propriamente dita. Aproveite para pesquisar sobre os locais do seu interesse, restaurantes, lojas e principalmente transporte. Hoje, já existe taxímetro online em grandes metrópoles, onde você pode fazer um cálculo estimado da corrida de um lugar a outro. Como o nosso objetivo é a economia, são muitas as alternativas de transporte. Além do bom e velho ônibus, as vans compartilhadas do aeroporto para o hotel podem sair bem mais em conta que o táxi. Para quem for ficar poucos dias em uma grande cidade, os ônibus vermelhos de dois andares, conhecidos por Hop On Hop Off, dão uma geral na cidade, passando pelos principais pontos e possibilitando ao turista parar onde quiser, e esperar pelo próximo nos pontos indicados. Existem ticktes de 24, 48 e 72 horas ilimitado, a partir do momento do primeiro uso.

Pesquisar mais textos:

Letícia Spínola Flávio

Título:Como burlar a crise e fazer a viagem dos sonhos gastando pouco

Autor:Letícia Spínola Flávio(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Adriana SantosAdriana Santos

    10-11-2015 às 21:16:50

    Gostei das dicas! Valeu!
    Realmente, as pessoas que amam viajar encontram diversas formas, nem que seja um lugar próximo a sua cidade!

    Abraços!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios