Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Automóveis > Acidente de auomóvel- direitos e deveres

Acidente de auomóvel- direitos e deveres

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Automóveis
Visitas: 8
Comentários: 1
Acidente de auomóvel- direitos e deveres

Independentemente do carro que se conduza, da cidade onde se reside ou das características de um condutor, convêm estar atento aos direitos e deveres, em caso de acidente de automóvel.

O seu número é cada vez mais frequente, embora nem sempre seja fatal e nem sequer deixem feridos, mas o que importa é circular com os documentos pessoais no carro, assim como ter o seguro am dia.

Hoje em dia todas as seguradoras disponibilizam um simulador nas suas páginas online, onde qualquer pessoa pode calcular o valor do seguro a pagar.
Pode ainda optar-se por fazer uma simulação por telefone, tendo apenas á mão o livrete ou documento único, a carta verde e a carta de condução. Depois de saber qual a seguradora que pratica um preço mais barato, pode transferir-se o seguro ou negociar novamente com a seguradora.




Além dos documentos sempre em ordem, qualquer condutor deve estar a par dos seus deveres e direitos, no caso de haver um acidente ou um toque no automóvel, independentemente das circunstâncias em que tal se verifique.

Se eventualmente isso acontecer ,convêm preencher a declaração amigável ou descrever o acidente numa folha em branco, onde se anota os dados do outro condutor, do automóvel e número de apólice de seguro.

De seguida deve chamar-se de imediato aa autoridades, PSP ou GNR se houver feridos, no caso de as versões dos dois não forem coincidentes.Deste modo o auto de ocorrência do sinistro é útil para avaliar as responsabilidades.

Todas as provas devem ser guardadas, como fotografias do local, dos danos no carro e das testemunhas assim como as respetivas moradas.
Mesmo que num acidente não haja feridos graves não se deve abandonar o local a menos que se esteja muito ferido.

Se porventura o responsável pelo acidente não tiver um seguro válido, ou no caso de haver feridos, deve contatar- se ainda o Fundo de Garantia automóvel.
Após estes procedimentos deve participar-se à seguradora o acidente, no prazo de oito dias seguintes.

Depois da participação, cabe à seguradora fazer a avaliação dos danos do automóvel e proceder ao pagamento das despesas com a oficina. È conveniente escolher uma seguradora fiável para estas eventualidades, pois nem todas são prestáveis. Nesse caso o melhor é procurar outras alternativas.

Algumas são mais vantajosas e cobrem desde a responsabilidade civil, assistência em viagens e protecção jurídica e, ainda no caso de choque, colisão ou capotamento.
O ideal é estar-se sempre bem informado, antes das coisas acontecerem. E, tomar uma boa opção!


Pedro gil Ferreira

Título: Acidente de auomóvel- direitos e deveres

Autor: Pedro gil Ferreira (todos os textos)

Visitas: 8

778 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    17-06-2014 às 05:24:25

    A primeira coisa que deve evitar é conduzir alcoolizado. Parece que as pessoas ainda não aprenderam isso. Que falta de responsabilidade!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - Acidente de auomóvel- direitos e deveres

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios