Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Segurança > Afugente a insegurança

Afugente a insegurança

Categoria: Segurança
Visitas: 2
Comentários: 1
Afugente a insegurança

Numa altura em que o tema mais debatido em televisões, rádios e jornais diz respeito à insegurança, o seu contrário aparece como algo do passado a que dificilmente se conseguirá voltar, porque, no dizer dos mais pessimistas, «isto está cada vez pior». Fala-se da segurança nas escolas, nos centros comerciais, na rua e agora até nas várias repartições públicas. Rouba-se tudo em todo o lado e de forma descarada, mata-se por “dá cá aquela palha”, raptam-se pessoas com o objectivo de lhes retirar e comercializar os órgãos, subtraem-se às famílias crianças que são colocadas em redes de adopção, prostituição, pornografia ou pedofilia, desmantelam-se automóveis debaixo de pontes e recolhem-se as peças que mais interessam ou carrega-se o conjunto desintegrado, enfim, cresce o avontade para praticar o crime, mercê, em boa medida, da esperança de não se ser apanhado, mas sobretudo da impunidade vigente. Em certos casos, só falta condecorar o ladrão, o assassino, o pedófilo e restantes companheiros de marginalidade, pelos actos cometidos.

Outra vertente da falta de segurança diz respeito às parcas medidas de prevenção e combate a certas epidemias de bactérias e vírus, que, volta e meia, se convertem mesmo em pandemias. Não se sente, regra geral, que as autoridades competentes revelem toda a verdade acerca destas enfermidades, e o desvelo pela saúde popular é posto em causa. Um dos grandes receios, neste contexto, refere-se aos mosquitos tropicais, potenciais portadores de doenças terríveis, algumas das quais se revelam letais em curtíssimos espaços de tempo. Numa perspectiva de combater os perigos iminentes transmitidos pela picada, deviam avisar-se as alfândegas e barrar a passagem de tais insectos. As algemas teriam de ser adaptadas, mas criatividade é o que não falta às forças policiais. Aliás, com os escassos recursos que lhes são fornecidos para a operância, não podia ser de outra maneira…

Por outro lado, havia que obrigar os bichos a zunir a sua estirpe alto e bom som, fazer-lhes raios-X, a fim de detectar concentrações excessivas de substâncias contaminantes e, claro, fotografá-los com a costumeira placa identificativa, de frente e de perfil, como é usual. Se, por qualquer motivo, os transgressores resistissem ou optassem pelo silêncio, a sentença passaria, então, pelo trabalho comunitário. No intuito de assistir a necessidades mais urgentes, este teria como prioridade o despertar dos deputados na Assembleia da República e o espevitar de detentores de diversas funções de responsabilidade governativa, civil ou laboral. Acordar seria a palavra de ordem! Pois é, se a segurança fosse coisa vendável, o valor da sua cotação faria disparar o volume de negócios dos mercados paralelos…

Maria Bijóias

Título: Afugente a insegurança

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 2

610 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoFelisberto

    16-05-2009 às 01:22:57

    assaltaram-me a casa á 3 dias. nunca tive dinheiro para instalar alarme. partiram ,
    segurança. como posso ter segurança na minha própria casa. que raiva. que odio.

    ¬ Responder

Comentários - Afugente a insegurança

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A arte de trabalhar a madeira

Ler próximo texto...

Tema: Serviços Construção
A arte de trabalhar a madeira\"Rua
A carpintaria constitui, digamos assim, a arte de trabalhar a madeira. É claro que, de acordo com o produto final, se percebe bem que uns carpinteiros são mais artistas do que outros…

Às vezes nem se trata tanto dos pormenores, mas mesmo de desvirtuar o que era a ideia inicial e constava da encomenda. Mal comparado, quase se assemelha à situação daquela aspirante a costureira que pretendia fazer uma camisola para o marido e, no fim, saíram umas calças!

Na construção civil, a madeira é utilizada para diversos fins, temporários ou definitivos. Na forma vitalícia (esperam os clientes!) incluem-se estruturas de cobertura, esquadrias (portas e janelas), forros, pisos e edifícios pré-fabricados.

Quase todos os tipos de madeira podem ser empregues na fabricação de móveis, mas alguns são preferidos pela sua beleza, durabilidade e utilidade. É conveniente conhecer as características básicas de todas as madeiras, como a solidez, a textura e a côr.

Ser capaz de identificar o género de madeira usado na mobília lá de casa pode ajudar a determinar o seu real valor. Imagine-se a possibilidade de uma cómoda velha, que estava prestes a engrossar o entulho para a recolha de lixo, ter sido feita com o que hoje se considera uma madeira rara.

É praticamente equivalente a um bilhete premiado do Euromilhões, dado que se possui uma autêntica relíquia! Nestes casos, a carpintaria entra na área do restauro e da recuperação. Afinal, nem tudo o que é velho se deita fora…

Por outro lado, as madeiras com textura mais fraca são frequentemente manchadas para ganhar personalidade. Aqui há que remover completamente o acabamento para se confirmar a verdadeira natureza da madeira.

É assim também com muita gente: tirando a capa, mostram-se autenticamente. Mas destes, nem um artificie com “bicho-carpinteiro” consegue fazer nada…!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:A arte de trabalhar a madeira

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    23-09-2014 às 13:23:35

    Uma excelente técnica que penso ser muito bonito e sofisticado. A arte de trabalhar madeira está sempre em desenvolvimento e crescimento.

    ¬ Responder
  • Rua DireitaRua Direita

    01-06-2014 às 05:18:46

    É ótimo o trabalho com a madeira. Pode-se perceber grandes obras que se faz com ela. Realmente, é uma verdadeira arte!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios